quarta-feira, 27 de julho de 2016

Viktor Orbán elogia Donald Trump

Enquanto os imbecis do politicamente correcto continuam a meter um imenso nojo por desejarem que a encornada da Hillary Clinton - que foi comprovadamente favorecida durante as primárias em detrimento de Sanders, fora o gritante caso dos e-mails enquanto era secretária de Estado -, seja eleita a primeira presidente de sempre dos Estados Unidos apesar de já ter sido ultrapassada nas sondagens pelo Donald Trump, o primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán, que foi o primeiro a sugerir construir vedações nas fronteiras como resposta às quotas impostas pela maçónica União Europeia - exemplo já copiado por outros países -, elogiou o candidato republicado à Casa Branca e pediu apoio ao magnata.


Entretanto, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, o tal que disse que chegou a falar com os líderes de outros planetas que ficaram preocupados com o Brexit e que quer a vitória da Hillary Clinton, declarou que por mais que o terrorismo piore, "as fronteiras têm de permanecer abertas" por ser uma das "quatro liberdades fundamentais do Tratado de Roma" e "um princípio inviolável", favorecendo a imigração como uma das suas prioridades de topo. 
Pois é, é preciso seguir em frente com o projecto do multiculturalismo vibrante nem que continue a haver cada vez mais vítimas mortais do terrorismo (islâmico) em solo europeu, pois isso é apenas um pequeno preço necessário a pagar tendo em vista o supremo ideal maçónico desejado por gente que manda no povo sem ter sido por este eleita...

4 comentários:

Afonso de Portugal disse...

«(...)por mais que o terrorismo piore, "as fronteiras têm de permanecer abertas" por ser uma das "quatro liberdades fundamentais do Tratado de Roma" e "um princípio inviolável"»

Falou como um verdadeiro traidor! E ainda há, na nossa "direitinha" quem simpatize com este verme com cara de pedófilo!

FireHead disse...

A existência de um traidor como esse merdas é a prova provada da contradição que essa escumalha defende. Mas afinal não é suposto a democracia ser boa? Então porque é que na UE não há democracia??

Anónimo disse...

«Pois é, é preciso seguir em frente com o projecto do multiculturalismo vibrante nem que continue a haver cada vez mais vítimas mortais do terrorismo (islâmico) em solo europeu, pois isso é apenas um pequeno preço necessário a pagar tendo em vista o supremo ideal maçónico desejado por gente que manda no povo sem ter sido por este eleita...»

É por isso que tu gostas muito de ir à China, ainda por cima tu nem sequer és 'estrangeiro' por lá, pois não é uma democracia e por lá os muçulmanos como os de Turquistão Chinês não piam porque senão levam com umas balas nos cornos! Pois é... só é pena a China ser um país comodista, digo comunista, um dos teus ódios de estimação como o islão, he he he.

FireHead disse...

Por acaso gosto muito de ir à China porque por lá as coisas são mais baratas, lol. E também porque eu de facto não sou considerado estrangeiro na China porque eu possuo por direito o salvo-conduto chinês, o que faz com que eu possa ir para a China as vezes que eu quiser e pelo tempo que eu quiser, uma vantagem sobre todos os estrangeiros que precisam do visto e que ficam na China por tempo determinado. Afinal de contas o que mais há em Macau são falsos portugueses, ou melhor, chineses com passaporte português, portanto também é justo que haja pessoas como eu que, sendo portugueses de herança sanguínea, linguística e cultural, também têm o salvo-conduto chinês. Como dizem os chineses, se eles são "tchó iat" (primeiro dia do ano), nós somos "sap hum" (15).

Para mim o problema da China não é a falta de democracia mas sim o comunismo. Se fosse como antes da vitória do partido comunista e da Revolução Cultural, ou seja, com os nacionalistas no poder, é que era. Afinal de contas, o grande Dr. Sun Yat-sen, o pai da nação moderna chinesa era nacionalista (fundou o Partido Nacionalista) e profundamente anti-comunista. Com os nacionalistas no poder, hoje a China seria com quase toda a certeza a maior potência do mundo. Basta, aliás, compararmos o nível de desenvolvimento e também o nível de vida entre a República Popular da China (comunista) e a República da China (Taiwan). Até a nível de cultura, de educação e de comportamento das populações dos dois lados do Estreito a diferença é, no geral, brutal...

E sim, o facto dos chineses não darem abébias aos muçulmanos é claramente um ponto a favor deles. Se lá algum muçulmano comete um atentado e mata pessoas o resultado é a morte dele. Assim pelo menos o mesmo muçulmano não volta a cometer atentados.