quarta-feira, 27 de julho de 2016

Terrorismo numa igreja em França!


A perseguição mortal aos cristãos já foi transportada do mundo islâmico para o Ocidente: dois terroristas ligados ao Estado Islâmico entraram dentro da igreja em Saint-Étienne-du-Rouvray, na Normandia, durante a Missa, fizeram cinco reféns, gritaram Allahu Akbar e degolaram o padre antes de serem abatidos!


O padre assassinado chamava-se Jacques Hamel e tinha 86 anos. Estava reformado há 10 anos e tinha sido pároco daquela comunidade durante mais de 20 anos. Escolheu depois ficar a viver na localidade, cumprindo o seu desejo de permanecer ao serviço da Igreja. Estava lá a celebrar a Missa porque o actual pároco da igreja, que por acaso já estava referenciada como um alvo do Estado Islâmico, Auguste Moanda-Phuati, estava em Cracóvia, na Polónia, para as Jornadas Mundiais da Juventude, tendo já regressado a França. Também o arcebispo de Rouen, monsenhor Dominique Lebrun, já regressou de Cracóvia. "Estarei a partir desta noite na minha diocese, junto das famílias e da comunidade paroquial em choque", revelou ontem o monsenhor.
O Papa Francisco, que estará a partir de hoje em Cracóvia, disse, num comunicado oficial do Vaticano, que "Estamos particularmente impressionados pelo facto de esta violência ter acontecido numa igreja, um lugar sagrado". O Papa juntou-se assim ao luto condenando "da forma mais radical" este "bárbaro assassinato de um sacerdote".
François Hollande, o inútil do presidente súcia francês, já confirmou que se tratou de um acto terrorista. O problema é que os dois terroristas já estavam mais que identificados pelas autoridades e até usavam pulseira nos tornozelos para que os seus movimentos fossem detectados! Um deles até era um francês, ou «francês», que tentou ir para a Síria e tudo...
Enfim, que o mártir Pe. Jacques Hamel descanse em paz.

8 comentários:

wind disse...

Bárbaros! Epá matem-nos a todos, só que eles são piores que sei lá o quê. Mata-se um, aparecem logo 20!

FireHead disse...

Não sejas tão radical, amiga, até parece que és da extrema-direita ou xenófoba, ou racista, sei lá, qualquer coisa assim do género! Tens de meter na tua cabeça que estes atentados que vão acontecendo na Europa são apenas casos pontuais que nada têm a ver com o islão e que a Europa tem de continuar a aceitar todos os refugiados e mais alguns, legalizar os imigrantes ilegais do terceiro-mundo, sobretudo de países islâmicos, dar-lhes tudo e mais alguma coisa nem que isso signifique vermos mulheres, raparigas, meninas e até meninos serem violados, contribuintes sentirem-se injustiçados com as mordomias que lhes são oferecidos, enfim, isso tudo, ya.

Ivan Baptista disse...


Não, não é bem assim ó Wind, se se aniquila um, então é menos um :

http://sol.sapo.pt/artigo/517569/ganhar-perdendo-o-paradoxo-da-luta-contra-o-daesh-


O firehead não vai gostar nada deste artigo «sol» :)

FireHead disse...

Lol, quem é esse cromo opinador do SOL de nome João Lemos Esteves?

Pois é, o DAESH está a perder terreno, mas essa coisa do "coração" está a provocar muitos danos na Europa, e com muito mais frequência que antigamente, portanto eu quero lá saber se o DAESH está ou não a perder mesmo terreno porque incomoda-me assaz que esteja a haver tantos atentados terroristas na Europa.

O que me chateia também muito é o facto da Europa só saber ripostar depois de a merda acontecer. Mas também, já agora, porque é que se retalia violência com violência? Não é suposto derrotarmos o terrorismo com o amor, tipo com velinhas acesas ou hashtags nas redes sociais? Palavra que eu já não estou a perceber nada! Será a guerra um acto de amor também?

Afonso de Portugal disse...

Por acaso gostava de saber o que pensava este padre acerca da imigração e dos refugiados. É que tanto podemos estar perante uma vítima, como perante um caso de justiça poética!

FireHead disse...

Pois, também não sei. Tanto podia ser um padre conciliar e adepto das novidades anticristãs do Concílio Vaticano II como podia ser um verdadeiro padre. Com a idade que tinha, creio que podia ser um verdadeiro padre.

Anónimo disse...

Já querem o padre Hamel seja canonizado santo súbito por ter sido vítima de ódio religioso. E ele também era conhecido por promover o diálogo com o islão, confirmou o muçulmano Mohammed Chirani. Parece que estás com azar: os 'nacionalistas' anticristãos desta vez têm motivos para dizer que foi obra do karma.

http://observador.pt/2016/07/26/quem-era-o-padre-jacques-hamel-degolado-em-rouen/

FireHead disse...

Pois, infelizmente são assim as coisas. E também já li por aí que ele chegou a ajudar na construção de uma mesquita. Seja como for, o que aconteceu não deixa de maneira nenhuma de ser de lamentar.