domingo, 17 de julho de 2016

Ainda a propósito do massacre de Nice...

Nando Moura fala-nos do terrorismo e do plano de emergência:


Paul Joseph Watson fala-nos do que não nos contam sobre o ataque em Nice:


E Black Pigeon Speaks fala-nos do choque de civilizações:




"O 14 de Julho nunca mais será o mesmo. Para os adultos, adolescentes, bebés, crianças, mortos no ataque, não haverá nenhuma celebração da tomada da Bastilha. Este camião do infortúnio levou a dor e a morte à multidão" (Rosaly para a Dreuf.info via Amigo de Israel).

6 comentários:

Anónimo disse...

Parece que também morreram muslos nesse massacre...

FireHead disse...

Pois morreram. Eu também vejo TV. Vítimas muçulmanas não fazem com que um atentado horrendo tenha deixado de ser um atentado horrendo. Também os muçulmanos são gente como os cristãos perseguidos no Médio Oriente às mãos dos muçulmanos que os idiotas úteis do Ocidente teimam em ignorar.

Adilson disse...

Fosse uma boate gay, logo o mundo todo iria se comover. E mesmo assim, os esquerdopatas de merda não chamaria os muçulmanos de homofóbicos. De uma coisa eu sei: quem realmente está se ferrando sob as monstruosidades islâmicas são as pessoas que não recebem a poderosa proteção que safados como Obama, Merkel, Hollande, Câmeron, a família Real(mente) depravada-prostituta e todos os cachorros da União Europeia de Merda gozam.

FireHead disse...

Tens o exemplo do franco-tunisino autor do massacre em Nice. Com que então o gajo era um esquizofrénico? Pois claro! Qualquer que seja o suposto muçulmano que comete atentados terroristas são sempre e invariavelmente maluquinhos da cabeça. Até dizem agora que ele nem sequer era muçulmano de verdade porque bebia, fumava nem ia à mesquita... isso apesar do Estado Islâmico já ter reclamado a autoria do massacre, claro.

Curiosamente, quando foi o Anders Behring Breivik, ele estava sim consciente, é um perigoso de merda, pois é da extrema-direita, e de início até diziam que ele era um cristão fervoroso apesar das provas indicarem que ele era um maçon da Loja Azul, enfim, os habituais mérdia com dois pesos e duas medidas.

O que eu sei é que sempre que acontecem estes trágicos atentados, que são de lamentar, o "horrível" populismo e a nojenta "extrema-direita", ou o "maléfico" nacionalismo", vai ganhando ainda mais força. Quase que aposto que se continuar a haver atentados islâmicos - sim, não tem havido outros tipos de atentados, pois não? - em França a Marine Le Pen vai ganhar mesmo.

Afonso de Portugal disse...

«Parece que também morreram muslos nesse massacre...»

Iá, méne, isso muda tudo! O facto de terem morrido muçulmanos iliba o muçulmano que o cometeu! Bem visto, pá! És um génio!!!

FireHead disse...

Com certeza que os muçulmanos que morreram não eram suficientemente muçulmanos! Não é por acaso que a malta do EI tem-se fartado de executar também pessoas tão adoradoras de Alá como os próprios jihadistas. Aliás, basta vermos o exemplo dos xiítas, que também adoram o Alá, e são inimigos dos sunitas.