segunda-feira, 25 de abril de 2016

Portugal começou a morrer há 42 anos

Faz hoje 42 anos que uma revolução de uns tais cravos perpetrada por militares interesseiros de tendência esquerdista lixaram Portugal e a Pátria. Dizem os abrilescos, que ainda hoje em dia procuram fazer a cabeça das pessoas, principalmente logo desde a tenra idade, que foi para mandar uma horrível ditadura abaixo porque o povo estava cansado do fascismo e queria uma democracia, quando na verdade o intuito era mandar a ditadura de Direita abaixo para instaurar uma ditadura estilo soviético idealizada pelo pulha traidor Álvaro Cunhal. A coisa para os comunas, no entanto, correu mal (25 de Novembro, convenientemente ocultado pela história globalista), mas isso agora não interessa a ninguém, pois os comunas adoram agora a versão inventada de que foram eles que lutaram pela "liberdade" contra o maldito fascismo, destruindo todo um império entregando as colónias aos traidores e resultando naquilo que Portugal hoje desgraçadamente é: um país sem futuro e em muitas coisas ainda pobre e atrasado.

Ah, dizem, mas hoje em dia há democracia! Pois há, mas queixam-se na mesma! Dizem que os políticos são todos iguais, que são uns corruptos, que estão-se a cagar para o povo! Querem um político honesto? O dr. Salazar! Mas este não serve, pois era fascista, certo? Ah, mas, como dizem, há democracia! Pois há, tanto assim é que muitos portugueses desprezam-na, não indo nunca votar, preferindo antes ir à praia ou aos shoppings nos dias das eleições... Foi para isso que se lutou pela democracia?

Uma das falácias usadas pelos pró-25 de Abril é o facto de Portugal ser pobre e que se demorava imenso tempo para de ir Lisboa até ao Porto ou outras localidades. Ou que não havia muitos bombeiros. Ou hospitais. Sinceramente só não sei porque é que não acusam também Portugal pré-25 de Abril de não ter a Internet, telemóveis ou a TV por cabo! O que é que o desenvolvimento tem a ver com o regime? Pensam os idiotas que em França vivia-se melhor há 30 anos do que agora? Ou que em Inglaterra já havia as autoestradas que há hoje há 50 anos atrás? Que na Alemanha o poder de compra dos alemães não melhorou muito nas últimas décadas? E até mesmo em países não-democráticos controlados pelo comunismo como a República Popular da China, não melhorou muito o nível de vida das pessoas com o passar do tempo? Reparem na suprema ironia: os únicos países do mundo onde não existe democracia são todos países controlados pelo comunismo! Não são os comunas que lutam pela liberdade?


Não é possível falar do fatídico 25 de Abril de 1974 sem falar do dr. Salazar. O que os idiotas não querem contar à malta, muito certamente porque lhes foi imposto um enxerto de esterco dentro das suas cabeças quando eram novos, é que o dr. Salazar fez milhares de obras públicas de grande interesse para Portugal: estradas, edifícios públicos (escolas, pontes, hospitais, quartéis, tribunais), bairros sociais para os pobres (foi com o Estado Novo que nasceu o conceito de Estado Social), barragens (como a espectacular barragem dos Conchos, na Serra da Estrela), etc. O dr. Salazar nasceu pobre e nunca ninguém veio dizer que ele roubou o que quer que seja do país (o próprio Mário Soares garantiu que o dr. Salazar não roubava e o Otelo Saraiva de Carvalho concordou que o dr. Salazar era honesto, ao contrário deles, é claro), tendo até deixado toneladas e toneladas de ouro nos cofres do país. E fica aqui uma pertinente questão para os pró-25 de Abril: como é que estava Portugal antes do dr. Salazar pôr as mãos no país? Não estava falido, seus totós? Em 36 anos Salazar fez mais pelo país que qualquer governo eleito. Acusam-no de ser um maldito ditador por ter defendido o país de tudo o que é escumalha: comunas, maçons, instigadores ao caos ou os que tinham inveja do nosso império (EUA, a URSS, a China, etc.). Se o dr. Salazar, por ter sido honesto, governado com grande lucidez e zelado pelos interesses de Portugal, foi horrível, pois então que haja mais gente horrível assim, que é dessa gente que Portugal precisa urgentemente!

video

Se foi para isto que se fez o 25 de Abril, então só me resta dizer: "não, obrigado". O mais engraçado é haver patetas que dizem que é necessário um novo 25 de Abril, ou que Abril afinal não se concretizou ainda, mas ainda assim gritam na mesma todos contentes "25 de Abril, sempre! Fascismo nunca mais!", o que demonstra que essa gente mete nojo. E o povo, básico por ser ignorante, ainda bate palmas... Devemos mas é comemorar sempre o dia 24 de Abril, pois fez ontem 42 anos que Portugal viveu o último dia em que era do tamanho da Europa, não tinha dívida pública, tinha um crescimento de 9% e era verdadeiramente independente...


Sim, não há dúvida que Portugal agora é que está mesmo muito bem, pelo menos melhor, ou muito melhor, mas é que nem sequer tem comparação!, que dantes. Enfim, cada qual tem o que merece e Portugal infelizmente pelo visto merece mesmo isto...

18 comentários:

Fatyly disse...

O PIB era de 10% graças ao que retiravam das ex-colónias e ao povo residente cá, onde perderam a vida milhares de jovens já para não falar de outros milhares mortos na "penumbra" pela PIDE.

Não vivi o 25 de Abril, íamos sabendo a conta-gotas porque a guerra civil propositadamente instalada e que poucos falam, abafava tudo.

Já passámos uma crise de 80 a 86 e agora atravessamos outra, com burlões/corruptos e o povo continua a pagar como pagava no tempo de Salazar.

Apesar dos pesares continuo a preferir a liberdade do que a ditadura!

Boa semana e sê feliz!

FireHead disse...

Normal, as ex-colónias eram partes de Portugal. Onde é que está o mal de um país em explorar os seus próprios recursos?

Hoje em dia milhares de jovens perdem a vida por coisas bem piores, como a droga, ou nos acidentes rodoviários, vítimas da criminalidade, que muitas das vezes passa impune a quem a pratica, entre muitas outras coisas... Consequências da liberdade, digo libertinagem!

Eu também não vivi o 25 de Abril, pois como tu sabes eu nasci depois dessa data, em 1981, mas os meus pais viveram essa época. Conheci aqui em Macau refugiados portugueses de Xangai que sabem tão bem o que é que é o comunismo, que de libertador nada tem, e que dizem sem pestanejar que o dia 25 de Abril de 1974 foi o dia que f... Portugal.

O povo no tempo do Salazar pagava como? Referes-te à já por demais batida falácia da pobreza? Mas por acaso sabes como é que estava Portugal antes do Salazar tomar conta do país ou não? É que o grande mal de muita gente é esquecer-se do antes e fazer questão de se esquecer, talvez de propósito, os grandes feitos na altura da ditadura. Ora vai lá investigar se as escolas que existem ainda hoje no interior não eram já do tempo do Salazar... vai lá ver se muitas estradas que ainda existem no interior não eram do tempo da maldita ditadura, que se não fosse esse maldito regime aí é que se demoraria mesmo dias e dias até as pessoas chegarem aos seus destinos partindo de certos pontos... Vê lá se havia Estado Social, vê lá se havia comida sequer, sim, que essa converseta de uma sardinha para três já vinha na verdade de muito antes dos tempos doutra senhora... É tudo uma questão de investigar.

Ouve o que dizem o Mário Soares e o Otelo Saraiva de Carvalho, os arautos da liberdade que tu tanto preferes sempre a ditadura: o Salazar era honesto e não roubou o país. Mas é claro, se preferes poder eleger corruptos para o poder tens toda essa legitimidade, que o país é que paga, e depois também os teus descendentes.

Quanto à liberdade, olha, sabes uma coisa, muitas pessoas que eu conheço e que viveram na ditadura em Portugal - e não nas ex-colónias como tu -, como é o caso do meu pai, nunca se queixaram da falta de liberdade. O meu pai teve uma infância, uma adolescência, a fase adulta... foi para a guerra porque quis, fez a comissão em Macau porque quis... Quando tu referes-te à liberdade referes-te à liberdade no seu sentido mais amplo, ou seja, à possibilidade de poder estar contra a Pátria, Portugal, quem verdadeiramente é honesto e quer o bem do país e dos seus, e de estar do lado dos canalhas, dos corruptos, dos malfeitores, dos oportunistas que roubaram e destruíram, dos criminosos da pior espécie... Se é para ter toda esta liberdade e correr o risco de ser assaltado ou mesmo assassinado por criminosos nas ruas da Amadora ou mesmo de Sintra, ou ver que me estão a ir ao bolso devido a políticas erradas, prejudicando os meus direitos enquanto cidadão, então, e ao contrário de ti, prefiro mesmo a ditadura.

Boa semana também para ti e bom feriado.

Lura do Grilo disse...

Inventaram coisas: uma que o regime de Salazar e Caetano era fascista quando eles afinal é que o eram e inventaram uma coisa nova que muitos usam sem pensar: o termo colónia. Não tínhamos colónias tínhamos províncias ultramarinas: era território Português, de portugueses para portugueses desde sempre.

wind disse...

Não sabes o que dizes!
25 de Abril sempre!
Boa semana:)

Anónimo disse...

Quem "fala" assim não é gago! Ainda bem que ainda há gente que sabe a verdade. Salazar e o antigo regime podem não ter sido perfeitos (há algum que seja?) e entrou numa guerra que tendo em conta o facto das grandes potencias estarem contra nós, à partida já estava perdida, mas não duvido que o fez por patriotismo. É verdade que à custa dessa guerra muito português sofreu horrores no mato, mas era praticamente inevitável, não podíamos dar tudo assim de mão beijada. O que é facto é que os "abrileiros" encheram o país com os mesmo pretos que nos atacaram há dezenas de anos atrás (também é verdade que muitos lutaram do nosso lado) e que provavelmente esses mesmos pretos que já parecem ser a maioria da população para quem anda nas ruas de Lisboa, mais cedo ou mais tarde, vão atacar em força o maldito do branco outra vez mas agora em Portugal Continental. Não tenham duvidas! basta nos subúrbios de Lisboa nascer uma espécie de Martin Luther King Hitleriano para a guerra civil estourar. Isto já para não falar nos constantes roubos que estes assalariados no poder nos fazem e da ameaça islâmica que também são outros meninos que estão a invadir e a querer controlar a Europa á custa dos Abrilescos desta vida e de outros que tal -.-

João José Horta Nobre disse...

Caro FireHead, é só para alertá-lo de que essas citações que tem aí atribuídas ao Marcelo Caetano, são falsas. Isso é uma falsificação criada não sei por quem e que anda a circular na net desde pelo menos 2014.

Abraço

RICARDO DA SILVA LIMA disse...

Bem que precisamos de um "Salazar" aqui no nosso Brasil também. A coisa está feia :(.

FireHead disse...

Lura do Grilo,

Pois é e quase nunca ninguém fala do que é que aconteceu logo depois do 25 de Abril: intimidações, perseguições aos que estavam (supostamente) conotados com o antigo regime, confrontos violentos, roubos e homicídios (África), etc. Agostinho da Silva, Amália Rodrigues, Marcelino da Mata, etc. que o digam... O 25 de Abril não traria supostamente a liberdade??

FireHead disse...

Wind,

Tu não tens como responder ao que eu escrevi portanto toca a fazer uso da habitual cassete esquerdista pró-25 de Abril, enfim, mais do mesmo. Se agora Portugal é que está bom então por favor não te queixes mais porque o "pior" já passou...

Beijinhos e boa semana.

FireHead disse...

Anónimo,

Claro que Salazar e o antigo regime não eram perfeitos, mas as melhorias haveriam de vir com o tempo, isto aconteceu em todos os lugares, seja em França, no Reino Unido ou nos Estados Unidos. Podia referir-me por exemplo aos direitos das mulheres, entre outras coisas, seria tudo uma questão de tempo. Até mesmo hoje em dia na República Popular da China, que para todos os efeitos ainda é uma ditadura (comunista), a situação das mulheres está bem melhor no que nos tempos dos nossos avós. Não é por aí.

Quanto à africanização e à islamização, é apenas uma consequência da abrilada. Há quem seja "nacionalista" e pró-25 de Abril que acredita que esse dia fez com que Portugal, por ter perdido as províncias ultramarinas, tenha finalmente passado a ser um país "europeu", mas parece que as estatísticas indicam-nos o contrário: reduziu e bastante o número de portugueses brancos em África e a aumentou o número de portugueses pretos em Portugal ou mesmo de imigrantes em geral. Isto é que é um travão na multiculturalidade, no lusotropicalismo, estas coisas todas? No tempo do Salazar Portugal estava assim tão multiculturalista apesar de Portugal ir do Minho até Timor??

Havia e há de facto pretos que são verdadeiramente portugueses e que lutaram pela Pátria, como é o caso do Marcelino da Mata, mas não é só ele. Mas na realidade não são assim muitos. Portugal devia tê-los acolhido e rechaçado todos os traidores que lutaram contra nós.

Resumindo, o dia 25 de Abril foi mesmo o dia que f... Portugal. O pior é que ainda há infelizmente muita gente que defende os seus "valores" nefastos.

FireHead disse...

João José Horta Nobre,

Muitos sítios patriotas usam estas supostas falas do Marcello Caetano. Se são ou não verdade por acaso nunca procurei conferir, pois limitei-me a confiar nos outros. Quando puder também vou averiguar. Obrigado pela informação.

Um abraço.

FireHead disse...

RICARDO DA SILVA LIMA,

Vocês tiveram uma altura boa que era quando havia a ditadura nacionalista integral...

Anónimo disse...

Pois mas lá está Portugal depois da guerra ultramarina deu o cu e 7 tostões aos pretos (de resto estamos sempre a dar o cu e 7 tostões a toda a gente, talvez exceptuando aos castelhanos) que lutaram pela sua "independência" e aceitou os pretos todos aqui porque, em primeiro lugar, as pessoas que fizeram o 25 de Abril não eram patriotas, e em 2º porque quem realmente manda no mundo é o "money". Como é que os capitalistas portugueses iam meter o bedelho em Angola outra vez e fazer os seus negócios nomeadamente no ramo da construção civil se ficássemos com uma relação má com o MPLA e fossemos "esquisitos" na aceitação de pretos? pois é uma chatice...agora graças ao "money" e aos traidores, tendo em conta que Angola vai andar em crise para sempre e que a população deles de 20 milhões segundo as projecções da ONU dentro de uns anos será de quase 50 milhões, e tendo em conta a quantidade de pretos que já existem aqui e os que estão para vir, não é difícil imaginar como será a composição "racial" de Portugal continental dentro de uns anos e também não é difícil imaginar qual será o tratamento que a minoria branca vai levar.

Infelizmente já me começo a preparar mentalmente para o pior que é ver o Palácio de São Bento com a bandeira de Angola hasteada ao vento ou então com uma bandeira islâmica. Mas porra que fazer o português entender uma merda tão simples como esta é complicado. Acredito que muitos até entendem isto mas preferem meter a cabeça na areia ou então até acham bem.

FireHead disse...

Anónimo,

A isso é que eu chamo um futuro literalmente negro. Não sei se em Portugal isso vai ser mesmo assim, até porque na verdade Portugal ainda não é dos países mais afectados com a imigração. Pelo que sei até é dos países menos procurados tanto pelos imigrantes como pelos próprios refugiados que, mais do que fugirem da guerra, procuram parasitar, e como em Portugal não há pão para malucos (ou vai havendo cada vez menos), felizmente não existem ainda atentados terroristas e coisas do género. O facto do nacionalismo, sob forma do PNR como é claro, ter a expressão que tem também revela que Portugal, apesar de tudo e mais alguma coisa, ainda pode ser catalogado como um "país de brandos costumes". E o facto de ser o único país da Europa (será que eu me engano?) onde ainda existe um partido comunista, que ainda por cima está indirectamente no poder, e merdices como o MRPP e derivados, demonstra que em Portugal a tolerância e convivência entre gente civilizada e gente intelectualmente bárbara ainda é possível. Devem ser estes os tais valores de Abril que os abrilescos dizem existir e que é preciso defendê-los...

Anónimo disse...

De facto Portugal é um país "singular" e nem entendo muito bem como é que os tais intelctuais ainda não abriram a pestana pois se sim senhor há muito preto a portar-se bem também há muito a portar-se mal e a faltar ao respeito aos portugueses dentro de Portugal, nomeadamente através de assaltos e agressões. Eu sou da opinião que é possível pegar num preto e mete-lo na Europa no meio de 1000 brancos e a coisa até corre bem mas quando metes 1000 pretos no meio de 1000 brancos isto transforma-se num pardieiro. São um povo que quando está em "bando" não acrescenta nada de útil para o mundo e não é o meu racismo a falar é a realidade. Por isso quando dizes que ainda não somos um país afectado pela imigração estás a falar da imigração árabe com certeza porque a nível de proporção (não em números absolutos atenção) Lisboa, é capaz de ser a cidade mais "escura" da Europa. Muito paquistanês e sobretudo uma quantidade avassaladora de pretos. És capaz de estar num comboio suburbano, estão lá 80 pessoas e 75 são pretos. Atenção que não estou a exagerar. Não acho isto normal mas se o resto do povo acha fazer o quê?

FireHead disse...

Sim, de facto se analisarmos a realidade ela confirma que ela própria é racista. Eu também não sou racista, aliás, eu até tenho amigos pretos, e aprecio imenso a frontalidade de alguns deles que dizem mesmo isso que nós aqui dizemos, mas se forem outros que nos ouvem ficam logo com um cagaçal histérico e acusam-nos logo de racismo sem pensarem duas vezes.

Sempre defendi que nada tenho contra a imigração ou contra raças ou etnias em particular. Nem estou contra os muçulmanos só pelo simples facto de serem muçulmanos - o meu problema é e sempre foi o islão. Se os muçulmanos forem gente honesta e decente, ou seja, falsos muçulmanos, é para o lado que eu durmo melhor. Do mesmo modo que se os pretos, os indianos, os paquistaneses, os chineses e até mesmo brancos como os russos, os ucranianos (estes últimos costumam ser muito perigosos quando estão bêbados) ou alemães são sempre bem-vindos se forem civilizados, contribuem para a riqueza do país e não andem com merdices nem imposições. Afinal, em Roma, sê romano.

A questão é que eu não tolero ditaduras das minorias. Em Portugal quem manda são os portugueses, em França quem manda são os franceses e noutros países mandam os seus povos nativos. Com isto estou a dizer que o multiculturalismo quando não é generalizado até pode ser bom e de salutar, pois todos nós gostamos de coisas estrangeiras também, como ver filmes de Hollywood, ir ao McDonald's, vestir calças de gana, ir a restaurantes chineses, japoneses ou mexicanos, etc. Isto não é o mesmo que querer ver Lisboa só com pretos, Paris só com argelinos ou Londres só com polacos. A imigração tem que ser controlada de modo a que o povo nativo permaneça sempre sendo a maioria nos seus próprios países e não é chegar ao ponto de haver nativos com medo de viver na sua própria cidade e ter de sair de lá. Os imigrantes têm que ser sempre uma minoria, tipo 1%, 2% ou no máximo 5% da população de um país. Já viram o exemplo do Japão?? Uma população altamente homogénea? Sim, também há imigrantes e mestiços por lá, mas estes são uma ínfima parte. Assim está bem. O Japão é dos países mais nacionalistas do mundo e ninguém se lembra de o acusar de ser racista porquê? Porque não é um país de brancos, é claro...

Não sei se Lisboa é das cidades europeias mais africanizadas, mas das mais cosmopolitas é seguramente. Afinal de contas foi a metrópole de um grande império... Ainda assim não se pode comparar os índices de criminalidade que há em Portugal com França ou Inglaterra. Contudo, a criminalidade não deixa de ser preocupante...

Anónimo disse...

Concordo mais ou menos com tudo o que referiu mas as pessoas são descompensadas. É ver as reacções dos esquerdistas, é gente que não tem noção do que é aceitável ou não. Muitos à boca pequena mandam tiradas xenófobas mas depois nos microfones e na NET são a madre teresa de calcutá. Outros odeiam mesmo o facto de serem brancos e odeiam a cultura cristã e ficam contentes por ver a Europa tornar-se um pardieiro cheia de gangs de pretos e árabes, terrorismo e o diabo a quatro onde as pessoas nem se sentem à vontade para viajar e sair à rua. Mas tenta explicar-lhes isto? impossível, és logo racista, fascista, xenófobo etc e lá continuas tu amordaçado a trabalhar para patrocinar esta merda toda. Os povos são loucos e é por isso que há guerras. Isso mais o "money". Já dizia o outros: "há quem queira o bem da Nação e quem a queira destruir". Por isso é que eu não acredito na democracia. Estes esquerdistas descompensados mais os canibais fariseus do grande capital fodem tudo. Literalmente.

FireHead disse...

É normal que a esquerda vibre com os resultados da sua política, pois estes servem para destruir a influência do Cristianismo no Ocidente. Porque é que o Ocidente está a caminhar para a ruína?? Porque a influência cristã está mais enfraquecida que nunca e depois, para piorar, cresce o paganismo bárbaro, amoral e imoral (características do paganismo), outro aliado do esquerdismo. Discutir com esquerdistas?? Não faça isso. Eles acabam por cuspir para a sua cara. É o argumento final deles quando vêem que não têm como responder com palavras...

Eu quero acreditar que a democracia funciona, mas isso só na certeza de que o povo possua consciência democrática. Caso contrário, se é para lidar com totós, o melhor mesmo é haver uma ditadura que é para evitar que eles façam asneiras.