quarta-feira, 13 de abril de 2016

Islão: o que os outros dizem

Correio da Manhã: o árbitro do jogo do campeonato saudita entre o Al-Shabab e o Al-Quadisiya cortou o cabelo do guarda-redes Waleed Abdullah, o guarda-redes do Al-Shabab e da selecção saudita, porque o seu penteado foi considerado inadequado e ofensivo para o islão de acordo com as autoridades sanitárias. O momento insólito foi filmado e tornou-se viral nas redes sociais.

Esta notícia por acaso já é antiga, pois é de 2012...

RT: em Varsóvia, capital da Polónia, milhares de patriotas marcharam de novo contra o acolhimento de refugiados no domingo passado. Os manifestantes queimaram uma bandeira jihadista e gritaram coisas como "Polónia para os polacos" ou "A Bélgica está a chorar, a França está a chorar, isto é o fim da tolerância".

Que bom saber que existem muitos filhos orgulhosos do grande rei católico Jan Sobieski III.

Vlad Tepes: patriotas romenos protestaram contra a construção de uma mega-mesquita em Bucareste e também contra a imposição de quotas de "refugiados" por parte da maçónica União Europeia. Chama-se a isto resistência.

Ainda bem que há romenos que sabem que o seu país esteve 
em guerra contra as invasões otomanas durante 700 a 800 anos

The Sun: um grupo de alógenos perseguiu e agrediu barbaramente um jovem branco de 25 anos numas bombas de gasolina em Birmingham, em Inglaterra. O jornal britânico fez questão de dizer que os agressores são "asiáticos"...

"Asiáticos" que é como quem diz muçulmanos...

Britain First: 150 muçulmanos atacaram membros do partido nacionalista britânico Britain First que foram manifestar-se em frente a uma mesquita de Londres. Os muçulmanos ainda roubaram coisas aos nacionalistas e bateram também na polícia.

É assim que os muçulmanos demonstram que o islão é a "religião da paz"...

Jessuatkwork warrior: búlgaros civis estão a controlar as fronteiras do seu país e já detiveram vários muçulmanos invasores. "Vós não podeis estar na Bulgária, voltai para a Turquia", dizem os bravos búlgaros.

Esta gente só entende a lei da força. Com palavras não vai lá.

Amigo de Israel: o seguinte vídeo tem sido repetidamente censurado. No Facebook, diz o seu autor, Dougald Hendrick, durou apenas um mês. Aqui neste blogue está seguro.

O silêncio é a alma do negócio e é isso que os muçulmanos querem.

Breidbart: em Santo Agostinho, na Flórida, nos Estados Unidos, foi colocado um placar que diz uma verdade estupidamente óbvia: "Islão sangrento condenado pela sua doutrina!", o que levou ao surgimento de uma petição para removê-lo.

A petição foi criada por uma apoiante da islamização, uma esquerdista certamente, de nome Becky Williams.

KSL: na universidade de Utah, nos Estados Unidos, sete posters que fazem proselistimo ao islão foram vandalizados. Estes posters ridículos tinham sido postos pelo Instituto de Políticas de Hinckley e serviam para anunciar um evento sobre a islamofobia, mas quem os vandalizou conhece mesmo muito bem a seita demoníaca que é o islão, tanto assim é que escreveu nos posters o seguinte: "O islão significa a morte do Ocidente".

Vandalizar posters estúpidos dizendo a verdade é um "crime de ódio", enfim...

The Rebel: na escola primária Chebucto Heights, em Halifax, no Canadá, duas crianças "refugiadas" da Síria usaram umas correntes para tentarem matar uma menina canadiana de nove anos vítima de bullying. Uma das encarregadas de educação ouviu um dos putos "refugiados", um muçulmano pois com certeza, a gritar "Os muçulmanos mandam no mundo". Nessa escola há 252 alunos que são "refugiados" e os principais meios de comunicação social do Canadá, como o Chronicle Herald, abafaram o caso. Porquê? Porque aí é que já não deve haver "crime de ódio" nenhum, pois claro...

Uma outra encarregada de educação diz que a sua filha lhe pediu para não ir mais à escola.

6 comentários:

Adilson disse...

Bom dia, meu FireHead!

Êta, mundão! Parece que desta vez, meu bom amigo, trouxestes um percentual maior de boas notícias. Geralmente, quando fazes esses apanhados fico triste ou furioso. Mas vejamos: Na Polônia, Romênia, em Santo Agostinho, na Bulgária e na universidade de Utah algo de bom está a acontecer. Ah, é isso sim que se deve fazer contra os muçulmanos. Só praticando resistência é que eles temerão. Quanto mais se tem conversa mole com essas bestas, mas elas se sentem seguras e atrevidas. Eles gostam do medo, eles gostam de ver rostos assustados. Então, quando se parte pra cima deles, quando mostra para esses animais que eles não são bem vindos, que eles não tem qualquer poder ou liberdade nos lugares onde a paz é uma regra, então logo eles colocam os rabos entre as pernas e fogem! Deve-se mostrar coragem diante deles. Ora bolas, se os santos católicos viram isso no passado, por que é que nós pecadores não o seguimos ao menos nisso? Pra mim, a conversão ao cristianismo de muçulmano só se dá por milagre. Ou seja, só por intervenção divina. O que posso fazer por essa gente é apenas rezar, e bem longe, e ponto final. Se algum cristão quer dá uma de Raimundo Lúlio e ir ter com eles, fique a vontade! Tal como os polacos e romenos quero tais bestas bem longe de mim, não importa o quanto pareçam bonzinhos e bem educados. Essa raça tem um espírito da traição, pois é isso que seus livros ensinam Até.

Anónimo disse...

Nunca páre de denunciar o Islão. Só é pena que nos telejornais da treta em Portugal só passem imagens de criancinhas e mulheres na Grécia á espera de passar para o outro lado e sobre os milhentos crimes desta gente nem uma menção! quando serviço publico seria fazer precisamente o oposto. Que revolta! Um dia ainda vou descobrir quem é a máfia que está por detrás dos meios de comunicações sociais portugueses. O lápis azul agora é maior que no tempo do Salazar. Estou muito pessimista quanto ao futuro da Europa onde habito com a minha namorada e onde quero ter filhos e formar família. A lista de crimes cometidos por esta gente em espaço europeu é tão extensa, desde massacres até violações coletivas, que qualquer civilização de pessoas com amor próprio e instinto de subrevivencia já teria iniciado um enorme movimento de "escorraçadr" o Islão á pelo menos uns meses. Ao invés, a vontade dos mídia e dos esquerdistas em fazer progredir mais este cancro aumenta de dia para dia...é surreal.

FireHead disse...

Adilson,

Já que falaste na conversão, que só pode ser milagrosa, de um muçulmano ao Cristianismo, deixo-te aqui esta notícia antiga, que eu não sei se já conhecias ou não:

http://bloguedofirehead.blogspot.com/2014/08/ima-islamico-converteu-se-ao-catolicismo.html

Aí não houve milagre (na conversão, pois depois disso até pode ter havido)... houve apenas bom-senso.

FireHead disse...

Anónimo,

Ei, meu caro amigo, você não diga isso nem a brincar porque você assim está a habilitar-se a ser rotulado de RACISTA, XENÓFOBO ou ISLAMÓFOBO! Recorde que isso do racismo, xenofobia ou islamofobia é um crime.

Só não há crimes se você os cometer na qualidade de muçulmano. Se você for muçulmano pode cometer muitos crimes porque depois ninguém lhe pode apontar o dedo, a não ser que esse alguém queira ser considerado um RACISTA, XENÓFOBO ou ISLAMÓFOBO. E depois sempre há os mérdia para abafarem tudo...

Anónimo disse...

Veja que no jornal Publico, onde já fiz em toda a minha vida dezenas de comentários, ontem escrevi um comentário absolutamente civilizado, sem uma única palavra ofensiva, numa noticia onde basicamente o jornalista em questão designava os milhares de afegões etc que estão a tentar invadir a Europa pela Grécia de "refugiados" que estavam a ser "perseguidos" e isto acompanhado por uma foto de uma criança, e o mesmo comentário foi: Rejeitado. Penso ter sido a primeira vez que tive um comentário censurado naquele jornal.

E isto é um jornal seguido no facebook por quase 1 milhão de portugueses. Dá vontade de olhar para o céu e perguntar a qualquer entidade de outra dimensão: "Esta merda é algum país?"

FireHead disse...

É a táctica habitual dos esquerdistas que têm a mania que são pró-liberdade de expressão e que depois são mais pidescos que a própria PIDE. E não é por acaso que o jornal Público é conhecido por estes lados como "Al-Público".

Outra táctica habitual dos "welcomers" é usar ad nauseam imagens de crianças e mulheres para legitimarem o acolhimento dos refugiados. Só se esquecem é de mostrar à malta imagens daquilo que é verdadeiramente o fruto da crise dos refugiados: a esmagadora maioria dos "refugiados" são do sexo masculino, solteiros e em idade militar. Ora, se eles, que estão na flor da juventude, preferem fugir para a Europa - e só para os países mais ricos e desenvolvidos - no lugar de lutarem pelos seus países, então é porque se trata mesmo duma invasão. Há uma agenda óbvia por detrás, mas disso, claro, os "welcomers" e os anormais dos "social justice warriors" não querem saber.

Eu sou a favor do acolhimento de refugiados. Mas dos verdadeiros refugiados. De pessoas que são mesmo perseguidas nas suas terras, como por exemplo os cristãos. Essa gente é que merece ser ajudada. Não são os muçulmanos que fogem que é para depois perseguirem cristãos na Europa. Ou refugiados que violam mulheres e mesmo crianças. Isso é escumalha. Além de que, para podermos ajudar os outros, primeiro temos que ter a nossa casa arrumada. Isto quer dizer que, antes de ajudarmos os outros, deveríamos preocupar-nos primeiro com os nossos. Mas desde que reparei que os "welcomers" preferem os outros aos nossos (sem-abrigo, por exemplo), fiquei sem dúvidas que eles também trabalham para o sistema. Tanta solidariedade mas só para com os outros. Os homens já foram para o espaço e já chegaram à lua, mas ainda há gente que não fala com os seus vizinhos...

Infelizmente continua a haver muita gente que se comporta como autênticos carneiros que seguem o rebanho e os seus pastores, digo donos, que são profundamente esquerdistas até ao âmago.