sexta-feira, 1 de abril de 2016

As 'no-go zones' são células terroristas islâmicas na Europa

Conquistar Roma - o Vaticano, o coração da Cristandade - é um objectivo declarado do Estado Islâmico porque este era um dos desejos do pseudo-profeta Maomé e as no-go zones espalhadas pela Europa, como por exemplo o bairro belga de Molenbeek, são verdadeiras células de terrorismo islâmico. O pior é que os terroristas islâmicos têm o apoio total do lixo esquerdista, qual cavalo de Tróia.


O livro virtual Black Flags from Rome (Bandeiras Pretas de Roma), do qual as autoridades ocidentaias têm conhecimento desde o ano passado, fala-nos de jihadistas treinados na Síria e no Iraque que estão nestas células "adormecidas" das cidades europeias mais islamizadas, isto é, com uma grande percentagem de população muçulmana. O livro virtual foi alegadamente publicado pelo próprio Estado Islâmico e nele está também explicada a aliança entre os jihadistas e os esquerdistas. Em comum têm ambos o declarado objectivo de destruir o Cristianismo e assim acabar com a superior civilização ocidental.




Recuperar a Península Ibérica, o Al-Andaluz, é outro dos objectivos do Estado Islâmico. Para o islão, terra uma vez conquistada pelos muçulmanos é e será para sempre terra muçulmana. "Hoje é Bruxelas e o seu aeroporto, amanhã pode ser Portugal e a Hungria", lê-se numa nota do Estado Islâmico emitida no Al-Wafa, um dos meios de comunicação do grupo terrorista, e citada pelo Washington Times. A mesma fonte acrescenta que os terroristas pretendem não dar descanso aos europeus e garantem que as "discotecas, estádios, escolas e universidades" são os locais onde serão feitos os ataques.


Em 2006, depois do Papa Bento XVI ter proferido o célebre discurso de Ratisbona, milhares de muçulmanos saíram às ruas de Gaza, Cisjordânia e Jerusalém atacando igrejas e gritando: "Conquistar Roma é a solução". No mesmo ano, a Al-Qaeda jurou destruir o Cristianismo com a jihad por causa das caricaturas do pseudo-profeta Maomé. "Quebraremos a cruz e derramaremos o vinho... Alá ajudará os muçulmanos a conquistar Roma... far-nos-á capazes de cortar o pescoço dos infiéis e dos déspotas!", publicou na Internet o Conselho Consultor Mujahedin: "Aos devotos da cruz, ao Papa e ao Ocidente, dizemos que os derrotaremos da mesma forma que estão a ver todos os dias no Iraque, no Afeganistão e na Tchechénia".


O problema é que, com toda esta apostasia que reina no Ocidente - muito por culpa do lixo esquerdista que é profundamente contra o Cristianismo, como os próprios muçulmanos, os ateus ou os pagãos -, já não existem mais cruzados hoje em dia para poder, uma vez mais, defender a superior civilização ocidental. Sem o Cristianismo tudo acaba.


A humanidade experimentará grande sofrimento quando a terra for sacudida pelo terramoto, o qual arrastará para o mar muitas regiões hoje habitadas. O palácio será surpreendido pela invasão furiosa e sangrenta dos homens de barba grande. Permanecei firmes no caminho que vos tenho indicado. Sabei que haverá grandes mudanças na natureza. (...) A Itália será invadida. Os homens de barba grande agirão com grande fúria (profecia de Nossa Senhora de Anguera).

4 comentários:

CENSURADO AGAIN disse...

MENTIRA O ABRAAMISMO INFERIOR QUE FEZ O OESTE PERDER BOLAS VEJA COMO O ABRAAMISMO DO LESTE É MAIS FORTE POR QUE É MUSLO

CENSURADO AGAIN disse...

OUTRA ROMA TEM SIMBOLISMO MAIOR VATICANO AINDA MAIS A ITALIA É MERO APENINOS RESTO

FireHead disse...

«MENTIRA O ABRAAMISMO INFERIOR QUE FEZ O OESTE PERDER BOLAS VEJA COMO O ABRAAMISMO DO LESTE É MAIS FORTE POR QUE É MUSLO»

Sim, claro que é mentira, as Cruzadas nunca existiram, são um mito. Aliás, não existe Portugal sequer, aquilo ali é só mouros, é um prolongamento de Marrocos.

FireHead disse...

«OUTRA ROMA TEM SIMBOLISMO MAIOR VATICANO AINDA MAIS A ITALIA É MERO APENINOS RESTO»

O que tu escreves também tem muito simbolismo, acredita.