quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Sede mundial do ismaelismo em Portugal

Leão ismaelita, símbolo do Aga Khan
Lisboa vai passar a ser a sede mundial da seita ismaelita, uma subseita da própria seita que é o islão, mais precisamente um ramo derivado do xiísmo fortemente presente em países como o Irão ou a Síria. O estabelecimento da sede mundial do ismaelismo, Imamat Ismaili, já foi definido como "um importante sinal de abertuda do Estado" português em Junho passado depois de Rui Machete, o então ministro dos Negócios Estrangeiros, ter assinado um acordo milionário com o representante da rede Aga Khan em Portugal, Nazim Ahmad, em representação do "príncipe" Shah Karim Al Hussaini, também conhecido por Aga Khan IV, como sinal de reconhecimento do "modelo de participação cívica e de consciência social" desenvolvida em Portugal pela comunidade ismaelita radicada no país desde 1983 e formada maioritariamente por gente de etnia indiana khoja com elevado estatuto social e poder económico, como por exemplo os irmãos "portugueses" Sacoor de Moçambique, donos da conhecida marca "portuguesa" de vestuário Sacoor Brothers (os ismaelitas tiveram ou ainda têm também uma equipa de futsal e tenho um amigo, que não é muçulmano, que jogou nela). A rede Aga Khan é o pólo institucional a partir do qual os ismaelitas actuam. Com este acordo, o Aga Khan IV passou a ter residência oficial em Portugal e investirá centenas de milhões de euros em investigação científica e cooperação para o desenvolvimento. Foi também, em termos diplomáticos, uma "vitória" para Portugal, pois o Canadá tentou convencer o "príncipe" a escolher a cidade de Ontário como sede mundial da seita.

Centro ismaelita, Lisboa
Os ismaelitas, que são cerca de 15 milhões em todo o mundo (7000 em Portugal), não são maioria em nenhum país no mundo e vivem em comunidades espalhadas. Diferem da maioria dos xiítas por apenas reconhecerem os primeiros sete imãs do xiísmo. Aliás, os muçulmanos separaram-se em sunitas e xiítas porque os primeiros seguiram o califa Omar como líder do islão enquanto que os segundos defendiam que este deveria ser Ali, genro e primo de Maomé (Que A Merda Esteja Sobre Ele - QAMESE). Já os xiítas e os ismaelitas não se entendem quanto ao sétimo imã, defendendo os xiítas que foi Mussa e os ismaelitas Ismael, ambos filhos do sexto imã, Sadiq. Para os ismaelitas, e ao contrário dos xiítas, o imã é vivo, trata-se de uma espécie de Papa denominado Hazir Imam. O actual líder mundial ismaelita, Aga Khan IV, é um magnata britânico que nasceu em Genebra em 1936 e que sucedeu ao seu avô, Aga Khan III, em 1957. Por ser uma comunidade mundialmente pequena da grande seita islâmica, parece que tudo indica que os ismaelitas cultivam de facto uma cultura de tolerância e de paz, dado que não se conhece casos de "extremismo" a eles associados. Deve ser por serem poucos...

Aga Khan IV em Portugal, Junho de 2015
O ismaelismo é uma seita ainda mais gnóstica que o próprio islão sunita ou xiíta por dar ênfase aos aspectos esotéricos das escrituras sagradas e das quais incluem os Evangelhos. Maomé (QAMESE) foi o profeta do sexto ciclo, ou sexta era, a seguir a Jesus Cristo (uma blasfémia, portanto), e o sétimo ciclo será Ismael, o companheiro silencioso de Maomé (QAMESE), que regressará no futuro e implicará o fim do mundo. E a prova cabal de que essa subseita da seita islâmica é gnóstica é o facto de haver um conhecimento oculto que tem que ser preservado em segredo e apenas revelado aos iniciados, tipo sociedades secretas como a Maçonaria. De acordo com a investigadora de assuntos islâmicos Faranaz Keshavjee, estes muçulmanos "vivem procurando a sua própria prosperidade mas sempre com a premissa de valorizar a sua passagem pelo mundo, deixando algo mais do que aquilo com que chegaram".

Ismaelitas «tugas»: os empresários Sacoor Brothers
Ora aqui temos mais uma vitória do multiculturalismo e do diálogo interreligioso, mais conhecido por ecumenismo. Por dinheiro muitos fazem muita coisa, como vender a alma ao diabo.

Sem comentários: