sábado, 23 de janeiro de 2016

Novo bispo para a diocese macaense de 440 anos

D. Stephen Lee
Toma hoje posse da diocese de Macau, que celebra os 440 anos da sua fundação (durante o Papado de Gregório XIII) como a segunda diocese do extremo Oriente a seguir à arquidiocese de Pequim em 1307 (dinastia Yuan), o novo bispo do território, D. Stephen Lee Bun-sang (李斌生). Até então bispo auxiliar de Hong Kong, este sacerdote da Opus Dei natural da antiga colónia britânica tem 60 anos e é formado em arquitectura.
Em entrevista ao semanário católico O Clarim, D. Stephen Lee admitiu que foi uma surpresa ele ter sido nomeado pelo Papa Francisco para ser o novo bispo de Macau e que tem de continuar a falar com bispo cessante, D. José Lai Hung-seng (黎鴻昇) - que anunciou a sua resignação no passado dia 16 por motivos de saúde -, os elementos da diocese e com o clero em geral para poder estabelecer as suas prioridades no exercício do mandato. "De facto, não falo português, mas tenciono aprender. Falo espanhol - uma língua parecida, com sotaque diferente - o que me pode ajudar e também sei que irei ser ajudado. O português é língua oficial de Macau. É para manter como até agora, seja nas Missas, noutras actividades da Igreja e nos seus organismos", garantiu. "Quero apenas dizer que venho para Macau com espírito de missão, esperando contribuir para o reforço do Catolicismo, estando sempre ao lado do clero e dos fiéis".

A diocese de Macau conta com seis paróquias, três quase-paróquias, 31 estabelecimentos
educacionais, 23 entidades de assistência social, vários meios de comunicação e serviços pastorais
A propósito do 440.º aniversário da diocese de Macau, que chegou a compreender a China, a Coreia, o Japão, a Conchichina, o Tonquim e as outras terras e ilhas adjacentes, é impossível não aproveitar para falar da extrema importância e influência que a Igreja Católica desde sempre teve e continua a ter neste antigo território português.
Segundo o pároco da igreja de São Lourenço, o padre indiano Jojo Ancheril, "A Igreja Católica de Macau tem incutido valores relacionados com o amor, a compaixão, a misericórdia, o perdão e o entendimento, o que tem contribuído para construir uma sociedade onde as pessoas vivem em harmonia. Macau é um bom lugar para levar a evangelização a todos os pontos do mundo porque, embora seja um território pequeno, acolhe todos os anos milhões de visitantes provenientes de várias partes do globo, ficando muitos deles a conhecer o espírito evangelizador aqui existente, que pode ser levado com eles para os lugares de onde são originários".
O investigador-associado do Instituto Ricci de Macau, César Guillén-Nuñez, afinou pelo mesmo diapasão: "A diocese continua a ser muito importante para a Igreja Católica na região, não só do ponto de vista religioso, como também da História" e mencionou os nomes de D. Melchior Carneiro, D. Hilário de Santa Rosa e D. José da Costa Nunes como os bispos mais importantes que passaram por Macau.
O Pe. Peter Stilwell, reitor da Universidade de São José, enalteceu, por sua vez, o trabalho desenvolvido no ensino local pela Igreja Católica ao longo dos séculos. "O ensino promovido pela Igreja terá começado, segundo percebo, pela formação dos missionários. O colégio de São Paulo é ainda hoje uma referência emblemática, seguindo-se-lhe o seminário de São José onde, no século XX, a formação se estendeu à sociedade civil".
Apesar da forte posição da Igreja Católica, os católicos em Macau são apenas qualquer coisa como 30 mil. Infelizmente, desde 1978 o número de católicos em Macau tem vindo a diminuir apesar do aumento da imigração católica filipina, facto que contrasta com o crescimento pujante do Catolicismo na China. Vamos esperar que D. Stephen Lee venha mesmo contribuir para o reforço do Catolicismo nesta que é a antiga Cidade do Nome de Deus de Macau.

2 comentários:

Lura do Grilo disse...

Bom trabalho para o novo Bispo. O Firehead não se deve esquecer de assistir à investidura

FireHead disse...

Por acaso não fui, mas assisti à notícia da cerimónia depois nas notícias. :P