quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Os tipos do EI precisam de meter mais tabaco

Seguem aqui umas coisinhas relacionadas com os recentes atentados terroristas islâmicos de Paris, acontecimento que tem sido o prato forte destes dias. Agradeço aos blogueiros Afonso de Portugal, Pedro Erik e José J. por estas informações.

Um refugiado bem alimentado que se arrependeu das atrocidades cometidas
"Estados Unidos, Turquia e Arábia Saudita são a troika que finge há muito tempo atacar os jihadistas na Síria e no Iraque. Mentira. Russos, Assad, curdos e xiitas são os seus inimigos", escreveu assim António Ribeiro Ferreira no seu artigo Obama é o escudo protector dos bárbaros do Estado Islâmico.

Dos 2194 refugiados sírios nos EUA, só 53 são cristãos. A ONU sabe porquê
O presidente mulato norte-americano declarou em Paris, depois dos atentados, que não faz distinção de religião para receber refugiados. É mentira: ele discrimina os cristãos. Através da Organização para Refugiados da ONU, os EUA receberam refugiados na sua esmagadora maioria muçulmanos (96%) contra 2,4% de cristãos. De acordo com a CNS News, os cristãos têm medo de ir para campos de refugiados da ONU porque eles não estão a salvos nesses campos, são atacados lá pelos muçulmanos também. Assim, os refugiados que saem desses campos são na imensa maioria muçulmanos. Os cristãos procuram abrigo nas igrejas, escolas ou casa de familiares. Nada que aflige o presidente mulato, que tenciona importar mais muçulmanos para enriquecerem o morimbundo melting pot norte-americano.

Parece que o cérebro dos ataques, Abdelhamid Abaaoud, já foi com os porcos
"A resposta mais adequada à jihad é tolerância e os valores europeus" (Angela Merkel)
A Pew Research indica que já há 44 milhões de muslos na Europa.
O que interessa é que a islamização da Europa é um mito...
O conhecido Paul Joseph Watson afirma que o massacre de Paris é um produto dos guetos muçulmanos:


O líder do UKIP, Nigel Farage, diz que o massacre é um resultado da "quinta coluna" que vive na maçónica União Europeia:


Parece que os jihadistas já se aperceberam que os tiroteios são melhores que as explosões...


Paul Weston, líder de outro partido nacionalista britânico, o LibertyGB, este menos expressivo que o UKIP, pergunta: "Quem deixou entrar a raposa no galinheiro?"


Douglas Murray, um dos maiores críticos do islão no Reino Unido, deu também a sua opinião num debate sobre as reacções britânicas aos atentados:


A jornalista norte-americana Brigitte Gabriel, de ascendência libanesa católica maronita, denuncia a estupidez dos europeus em receber indiscriminadamente centenas de milhares de refugiados e o escritor/blogueiro norte-americano crítico do islão Robert Spencer fala das próprias figuras de autoridade do Médio Oriente que têm alertado para a presença de terroristas entre os refugiados:


#JeSuisChien: a pastora alemã Diesel, cadela-polícia de sete anos,
morreu durante uma operação anti-terrorista em Saint-Denis, Paris
A cabeça de Hasna Aitboulahcen, que se fez
explodir e matou a cadela Diesel, voou pela janela fora
Num vídeo publicado, o Estado Islâmico ameaçou realizar ataques também em Roma e em Al-Andalus, ou seja, na Península Ibérica. "A Europa Press cita especialista que consideram significativas estas ameaças a Roma e Península Ibérica, no primeiro caso por ser a cidade onde fica o Vaticano, símbolo do Cristianismo, e no segundo por ser uma reivindicação histórica dos jihadistas (...) O grupo terrorista avisa ainda os países que estão a participar nos ataques aéreos na Síria e também Washington é um dos alvos do grupo".

O Estado Islâmico disse que quer Paris antes de Roma e Al-Andalus? Hahaha, que brincadeira!
Em 2014 foi colocado um vídeo na Internet em que aparece um jihadista a dizer em espanhol que a Espanha é a terra dos seus antepassados e que, se Alá quiser, eles vão libertá-la. Esses jihadistas realmente são uns brincalhões. Não podemos levar a sério nada disso porque senão estamos a ser totós.


Durante o minuto de silêncio em memória das vítimas do massacre antes do jogo amigável entre a Turquia e a Grécia, em Istambul, os adeptos turcos gritaram "Allahu Akbar". Já o jogo entre a Alemanha e a  Holanda, em Hanover, teve que ser cancelado por motivos de segurança.


Infelizmente vai continuando a haver totós que vão continuando a defender a entrada na Europa de gente capaz de cometer atrocidades como os dois refugiados que participaram no massacre. Como conseguem eles dormir descansados?

Vamos lá, Rússia! Acaba com os filhos da puta do Estado Islâmico!
Mai'nada!

2 comentários:

RICARDO DA SILVA LIMA disse...

Bem, o Putin não é perfeito (mas qual líder político o é?), mas, no que se relaciona a acabar com o Estado Islâmico, ele é um dos poucos que está fazendo algo de concreto.

E ponto final :).

FireHead disse...

Eu gosto da frontalidade do Putin. É claro que ele não é perfeito, e não só os líderes que não são perfeitos porque qualquer ser humano também não é perfeito, mas pelo menos ele desde o início que esteve sempre do lado do Bashar al-Assad contra os rebeldes, dos quais se incluem os jihadistas do EI. Os outros é que andaram todo este tempo a mastigar, a mastigar, a mastigar... e lá deram um novo impulso no ataque ao EI agora apenas por causa do que aconteceu no passado dia 13... Pode ser que quando morrerem mais pessoas num próximo atentado volte a haver um novo impulso...