terça-feira, 17 de novembro de 2015

Dias felizes, estes, depois de mais uns atentados islâmicos...

E por falar em esquerdistas, um bando de atrofiados demonstrou que já atingiu um nível incrível de estupidez: os canalhas, depois do massacre da passada sexta-feira negra, juntaram-se em ambiente de festa na capital francesa e cantaram a canção "Oh Happy Day"! Realmente, depois de mais de 120 compatriotas seus terem sido assassinados, é assim que esses avecs, que parecem comportar-se como crianças, mostram o seu pesar pelos familiares das vítimas...

video

Em Bruxelas, capital belga e coração da maçónica União Europeia, alguns muçulmanos estavam em êxtase depois do que aconteceu em Paris. A sorte é que estes muçulmanos constituem, mas é que constituem mesmo, e constituem sempre, sem tirar nem pôr, uma minúscula minoria, por muito que eles sejam cada vez mais em países onde a taxa de natalidade nativa é baixíssima, e mesmo assim eles têm todo o direito de permanecer em solo ocidental porque nós não podemos ser racistas, xenófobos ou islamofóbicos o suficiente e metermos todos os muçulmanos, que são "gente de bem", no mesmo saco!

video

Ah e tal, o islão é pacífico, os muçulmanos são boas pessoas, tudo o que podemos agora ouvir e ler nos média ou nas redes sociais não passa dum amontoado de mentiras, os refugiados não têm nada a ver com isso, nem mesmo aqueles que entram na Europa como jihadistas porque tudo isso é mentira, e depois tipos como aqui o blogueiro ou o senhor David Wood, que no vídeo que se segue estabelece uma relação entre o islão/Alcorão e o terrorismo, é que são os mentirosos, pois nós alimentamos e damos força às mentiras que só servem é para atacar injustamente os coitadinhos que nada têm a ver com o terrorismo, etc. e tal. Ora, isso resolver-se-ia com uma filtragem eficaz e apertado controlo das fronteiras no lugar de deixá-las escancarradas. Mas como infelizmente não é nada disso que acontece, os grandes culpados dos atentados não são só os terroristas islâmicos mas sim também toda a escumalha acéfala que agora acusa gente como nós que denunciamos a verdade com casos concretos, inegáveis e ultrajantes. É que já só faltava agora esses energúmenos virem dizer que o súcia do François Hollande faz mal em querer controlar as fronteiras, coisa que já vai mais que tarde! Como diz o ditado, casa roubada, trancas na porta... Todas as causas geram os seus efeitos - isso é uma lei milenar.

video

Ah, é verdade, o Alcorão afinal de contas apela mesmo à violência contra os "infiéis"! E agora? O quê, o Antigo Testamento da Bíblia também cita guerras, portanto os cristãos também são violentos? Vamos lá ver, camaradas, o contexto faz bem e dá saúde... o Antigo Testamento refere-se a uma época específica, além de que, se querem mesmo justificações o melhor é irem buscá-las junto dos judeus e não dos cristãos. Infelizmente as cabecinhas de ervilha, que são imensas, vão continuar a contrariar qualquer tipo de silogismo válido com as suas incoerências e defender que todos estes atentados terroristas cometidos em nome do islão na verdade não têm nada a ver com o islão, que é de "paz", do mesmo modo que os ateus se descartam dos crimes horrendos cometidos por esta ideologia em nome do comunismo. Só o Cristianismo é que tem de continuar para sempre a arcar com a culpa das matanças derivadas das Cruzadas - que protegeram a superior civilização ocidental precisamente das cimitarras dos muçulmanos invasores de outrora, ou seja, permitiram a nossa continuidade no mundo! - e da Inquisição - que começou por defender a dignidade e a vida das mulheres da seita gnóstica dos cátaros, ou seja, permitiu que muitas das nossas antepassadas não tivessem morrido por permitirem a "continuação da matéria". Ah mas, lá está, se são cabeças de ervilha mesmo, é impossível exigir que elas enxerguem a verdade. As mentiras só existem quando são convenientes...

2 comentários:

Vasco disse...

Os cristãos baseiam-se nos Evangelhos (novo testamento) e mesmo que hajam cristãos que cometam atrocidades, eles não se podem basear nos Evangelhos para desculparem os seus actos, visto os textos não incitarem à violência. Quanto ao antigo testamento, os textos citam acontecimentos passados, como um relato daquilo que aconteceu. Quanto às regras e mandamentos dadas aos judeus, elas aplicam-se aos judeus e não a outros povos, visto que os judeus não fazem e nem faziam proselitismo.

FireHead disse...

Sim, daí a diferença entre os cristãos e os judeus. Para eles é o Velho Testamento, para nós é o Novo Testamento. O Velho Testamento é lido sob a óptica do Novo Testamento, com Jesus Cristo centrado.

O Velho Testamento é também muito mais carregado de simbolismo que o Novo, pelo que muito possivelmente muito do que é relatado pode nem sequer ter efectivamente acontecido como é narrado, mas sim com a realidade explicada de uma maneira diferente, mais correcta para a época em que os livros foram escritos.

De resto, é algo que já todos sabemos. Os judeus têm a lei talmúdica que é aplica entre eles, os cristãos têm a lei canónica que é aplicada entre os cristãos; já os muçulmanos têm a sharia e ela contempla também os "infiéis", obrigando-os a converterem-se ou então a pagarem a jyzia se não quiserem morrer.