quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Shimon Peres (1923-2016)


Faleceu Shimon Peres (שמעון פרס em hebraico), um político que, apesar de ser esquerdista e de perder eleições para representantes de Direita nacionalista (chegou mesmo a ser um contrapeso ao actual primeiro-ministro nacionalista israelita, Benjamin Netanyahu), amou Israel como nunca. Morreu aos 93 anos na sequência de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) do qual foi vítima no passado dia 13.
Natural de Višneva, na então Bielorrússia e hoje Wiszniew da Polónia, Shimon Peres fugiu do Holocausto com a sua família para a Terra Santa na década de 1930 enquanto que os parentes que decidiram permanecer no país europeu foram exterminados.
Nobel da Paz, Shimon Peres defendeu o diálogo com os "palestinianos" como a única forma de ter paz, mas ainda assim foi graças a ele que Israel se tornou oficialmente na única potência nuclear do Médio Oriente. Para ele, os israelitas não podem deixar de ser democráticos, caso contrário deixam de ser judeus. Foi sem dúvida nenhuma uma pessoa cuja vida se confunde com a história do próprio moderno Estado de Israel.
עליו השלום (ah-lahv hashalom).

12 comentários:

Afonso de Portugal disse...

Muitos nazionaliztaz deve ter celebrado!

wind disse...

Que RIP!

CÉU disse...

Um homem inteligente, até consentâneo, e com uma vida cheia de saber e savoir-faire.
PAZ À SUA ALMA!

Anónimo disse...

"Amou Israel como nunca". E tu estás mais imbecil "que ninguém".

CENSURADO AGAIN disse...

DIZEM QUE ELE TA ENVOLVIDO NA SABOTAGEM DE CAMP DAVID MAS ERA O UNICO NOME SEFARADI/MARRANO DE PESO NO MEIO DE HORDAS ASKENAZITAS

FireHead disse...

Afonso de Portugal: e isso vê-se no comentário do habitual anónimo que todos nós sabemos muito bem de quem se trata. :)

Wind: ele pelo menos era um verdadeiro Nobel da Paz, não o palhaço do Obama.

CÉU: e invulgar até por ser de esquerda, o que contrasta com a compreensível necessidade do Estado judaico de ser nacionalista de Direita para se afirmar no mundo e sobreviver contra todos aqueles que querem o mal da nação israelita.

Anónimo: eu não estou mais imbecil que ninguém, tu é que continuas o mesmo anormal do costume. Se não gostas de Israel vai vomitar o teu ódio para os sítios nazis.

CENSURADO AGAIN: bah...

Anónimo disse...

Wind: ele pelo menos era um verdadeiro Nobel da Paz, não o palhaço do Obama.

Melhor ainda era a Madre Teresa de Calcutá, que "ganhou o Prémio Nobel três vezes" - citação.

FireHead disse...

E mesmo assim há quem a critique, dizendo que ela também fazia as coisas "para inglês ver". Até parece que os que a criticam fazem pelo menos 1/4 no que diz respeito à ajuda aos outros que ela fez.

Afonso de Portugal disse...

Que disparate! Nunca ninguém ganhou o prémio Nobel da Paz mais do que uma vez! Isso nem sequer faria sentido, uma vez que o prémio tem objectivos políticos! Aqui está a lista dos vencedores:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Nobel_da_Paz

FireHead disse...

O comentário do anónimo não deve ser do tal que disse que nunca mais haveria de voltar a comentar aqui, muito menos como anónimo. E é verdade, eu fui informado de que me tinha enganado na posta que eu escrevi sobre a canonização da Madre Teresa de Calcutá. Queria escrever que ela esteve três vezes em Portugal e que foi galardoada com o Prémio Nobel (1979) e acabei por misturar as coisas e escrever que ela foi três vezes galardoada com o Prémio Nobel, daí já ter corrigido o erro. É claro que ter escrito o que eu escrevi, ainda que por engano, fez de mim um mentiroso. Aliás, só eu é que me engano. Os outros não sabem o que é que é mentir porque nunca mentem. Talvez seja por eu não ser "neutro". E ah, eu nunca comentei como anónimo. Que mentiroso que eu sou.

Afonso de Portugal disse...

LOL! Deixa lá, o "anónimo" que supostamente nunca mais ia comentar aqui também tem passado pelo meu blogue. Para quem diz que "só escrevemos disparates", o "anónimo" não parece conseguir viver sem nós! Eheheh...

Outro dia ficou bastante ofendido com o postal que eu fiz sobre os testes de paternidade. Estranho... "quem não deve não teme", não é? ;)

Também ficou bastante afectado com o postal do Paul Joseph Watson a meter a gorda na linha. Mas essa já não me admira, com aquela barrigota de pinguim, deve ter sentido o toque! :P

A cereja no cimo do bolo foi quando eu disse que o blogue dele só tinha meia-dúzida de gatos pingados. Ele leva-se tão a sério que jurou vingança, com montes de estatísticas e números a provar que o bairro do "anónimo" é o blogue mais lido de toda a Via Láctea e quiçá do Universo!!! :))))))))))))

FireHead disse...

Mas olha, eu confesso que aprendi alguma coisa no meio disto tudo. Dantes aceitava muitos comentários anónimos ameaçadores desde que não sejam direccionados à minha pessoa, o que era, como muito bem me alertaram, uma falta de bom senso da minha parte. Agora já ando a censurar muitos mais comentários porque, afinal de contas, de ameaças ninguém gosta.