quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Paciente auto-operou-se


Em Inglaterra, o engenheiro Graham Smith estava desesperado com a lista de espera no Hospital Aintree de Liverpool depois de há 15 anos atrás ter-se submetido a uma operação aos intestinos. Como em 2011 as dores voltaram, o que o levaram a perceber que algo não tinha corrido bem durante a cirurgia, decidiu abrir o seu próprio abdómen com diversos instrumentos utilizados na medicina dentária e desfez os 12 nós de linha de nylon que compunham a linha de sutura. A auto-operação correu bem, mas o engenheiro não aconselha outras pessoas a fazerem o mesmo. 
"Não estava preparado para morrer numa lista de espera. Tentei fazer tudo pelas vias normais, mas estava com uma septicemia (infecção generalizada)", explicou Graham à estação televisiva BBC. "Sou um homem novo. Durante 15 anos tive de andar inclinado para a esquerda".
Confrontado com esta atitude, o hospital já marcou uma consulta para Graham para lhe serem prestados os cuidados pós-operatórios.

4 comentários:

daniel carvalhana disse...

A saude publica da Inglaterra que outrora era uma melhores do mundo foi DESTRUIDA Pelo multiracial-multiculturalismo.

Portuguesinha disse...

Esta notícia parece irrealista, surrealista e inventada!
Sinceramente, estamos sempre a ser surpreendidos.
O que é que um engenheiro entende de... E como é que.... E???
Inglaterra?

surpreendente.

Afonso de Portugal disse...

Vou guardar esta história para espetar nas fuças do próximo "tuga" que disser que o nosso sistema de saúde é terceiro-mundista! :P

FireHead disse...

Daniel Carvalhana: se foi destruída pelo multiracial-multiculturalismo, isso eu não sei; só sei que eu se fosse rico iria sempre aos privados...

Portuguesinha: então, qual é que é o problema de ter sido em Inglaterra? Também a Suécia não era um país muito desenvolvido e socialmente bem organizado e por este andar vai tornar-se num país do terceiro-mundo, como a própria ONU já admitiu?

Afonso de Portugal: pois é. Afinal também há incompetência médica e listas de espera longas em Inglaterra, que é supostamente um país mais desenvolvido que a Tugalândia.