quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Nasceu primeiro bebé com três pais

O bebé tem o ADN de três pessoas diferentes
O primeiro bebé com três pais dá pelo nome de Abrahim Hassan, é um menino, nasceu no México e já tem cinco meses. Esta é a primeira criança a ter um ADN com elementos de três pessoas distintas, algo só conseguido através de uma técnica inovadora. 
Esta técnica que foi aprovada no Reino Unido, mas é ilegal na maior parte dos países, permite criar bebés perfeitamente saudáveis, mesmo quando os pais têm mutações genéticas. 
A equipa que acompanhou os pais de pequeno Abrahim, que nasceu no dia 6 de Abril, é de Nova Iorque, mas todo o processo foi levado a cabo no México, onde a prática é legal. 
A mãe do bebé é portadora de genes de uma doença rara fatal, Síndrome de Leigh, que já lhe "roubou" dois filhos. Depois das duas perdas, Shaban e o marido, ambos jordanos, preferiram não arriscar mais e aceitar a ajuda de uma equipa de investigação nova-iorquina na concepção de um bebé perfeitamente saudável. 
Para realizar esta técnica a equipa de Zhang, usou o núcleo de um ovócito de Shaban e inseriram-no no óvulo de uma dadora ao qual tinham tirado o núcleo, sendo mais tarde o óvulo fertilizado com esperma do pai, tendo assim o embrião material genético de três pessoas. 
A revista New Scientist avança que foram criados cinco embriões, mas apenas um se desenvolveu ao ponto de poder ser implantado no útero da mulher, dando origem, nove meses depois a Abrahim. 
A equipa que realizou o procedimento vai apresentar o feito no Congresso da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva. 

Fonte: CM


PS. A continuação de eugenia no seu melhor, agora com novos contornos assustadores. O que a Natureza não dá, o homem inventa. E bem sabemos o que é que costuma acontecer quando o homem se arma em Deus...

8 comentários:

wind disse...

Neste caso foi para um bem maior!

FireHead disse...

Um bem maior? Mas esta gente não se enxerga mesmo... Com que então a "necessidade" de ter um filho mesmo a sério, ou seja, do mesmo sangue, é mais importante que os valores morais ou da ética? Não sei se leste a notícia, mas foram criados cinco embriões e só um é que se desenvolveu, logo praticou-se a eugenia, como acontece quando se trata da fertilização in vitro.

Eu continuo na minha: se alguém quer muito ter filhos e não consegue fazê-los, pois que adopte crianças! Pai e mãe são quem criam, não é assim?

Este menino que nasceu desta maneira é, infelizmente, uma aberração, pois tem material genético de três pessoas. Tenho mesmo pena dele.

Lolada disse...

Olha, esse médico(?) é que teve má sorte, nasceu com fronha de China.

Portuguesinha disse...

Não é nenhuma novidade e duvido que a tecnica seja inovadora.
Se consiste apenas em tirar o nucleo e meter outro... Acho que já se fazia isso, para as mulheres que não conseguem carregar uma gravidez. Bom, penso que era algo assim, não sei precisar.
Não vejo mal algum, pelo contrário. Acho lindo. Uma vida maravilhosa e sem o risco de surgir com uma doença fatal. Uma coisa é não saber que ela vem e a ter. Outra é ter certeza absoluta, já existirem dois «anjinhos» no céu por a terem tido e decidir procurar ajuda da ciência para, simplesmente, poder gerar uma vida que vingue.
Penso que é um processo difícil de resultar, daí só um embrião ter vingado.

FireHead disse...

Lolada,

Não acho que nascer com fronha de china seja uma questão de má sorte, pois os chinas são o povo dominante. Por este andar, não nascer com cara de china é que poderá eventualmente vir a ser uma anomalia. :P

FireHead disse...

Portuguesinha,

É a tal história; o que a Natureza não dá, o homem inventa. E bem sabemos o que é que por vezes acontece quando o homem se põe a inventar.

Portuguesinha disse...

FireHead,
O homem inventa tanta m**
Esta é uma área onde ele é capaz de inventar alguma coisa que se calhar «preste», por vir a ser mais construtiva, e não apenas destruidora. No historial de invenções humanas, tudo o que começa por uma suposta intenção inofensiva acaba por servir um propósito mau. Descobre-se uma coisa, cria-se uma bomba atómica. Criam drones, servem para dizimar aldeias numa guerra qualquer. Criam barragens, destroem habitats, põem o mundo todo digital, serve para espionar e controlar todos como gado. E por aí fora...

Esta é uma área onde quero acreditar que, por enquanto, existe moral e ética rigorosa: a reprodução humana medicamente assistida. Noutras da ciência e medicina, talvez não. Isso de empresas que fazem testes de DNA e ficam «donas» do mesmo, por exemplo... Ninguém fala disso e o mundo está todo com vontade de aderir e fazer o teste - sem pensar no que fazem ao «material».

Se continuarem a ajudar casais inférteis, casais portadores de doenças raras como aquela Ictiose Arlequim.... Então bem haja. Talvez um dia, quando a humanidade estiver à beira da auto-extinção, consigam, pela experiência neste meio, fazer como a Félix das cinzas, e recuperar.

Ou então vi muitas Scify :)

FireHead disse...

Concordo em parte. A ciência pode e deve ser ajudada no progresso da humanidade, para o bem do seu próprio bem-estar. Mas usá-la para contrariar a moral e a ética é que não. Pessoas que não podem ter filhos que adoptem, que é para isso que existe a adopção. Não se objectifica as pessoas e muito menos a vida humana.