segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Monica Bellucci nua para uma revista aos 51 anos


A actriz italiana Monica Bellucci, que faz 52 anos no próximo dia 30, demonstrou o maravilhoso corpo que ainda tem numa ousada produção fotográfica para a revista Paris Match em que aparece a nadar nua numa piscina. "O desejo não se apaga quando envelhecemos. Quando somos jovens, somos levados por um desejo hormonal primário. É conduzido por impulsos. Com o tempo, o sexo torna-se mais racional, talvez, mas o divertimento é o mesmo. Quando a sensualidade e a sexualidade se misturam com o amor, então isso é apoteótico e é lindo. Agora, não consigo imaginar-me a fazer amor sem amor" , explicou a mulher à revista.

10 comentários:

Ivan Baptista disse...

A primeira vez que vi a Monica Bellucci, foi no filme Malèna :P

Afonso de Portugal disse...

Aqui está um exemplo de uma mulher lindíssima que acabou por casar com um homem feioso. A masculinidade tem destas coisas...

FireHead disse...

Ivan Baptista,

Estás melhor que eu. Eu só "conheci-a" por causa do filme A Paixão de Cristo de Mel Gibson. :)

FireHead disse...

Afonso de Portugal,

Pá, não dizem os ditados que "quem vê caras não vê corações" e que "quem o feio ama bonito lhe parece"?? Se todas as mulheres bonitas estivessem reservadas aos homens bonitos então mal de muitos homens!! :)

Afonso de Portugal disse...

«Se todas as mulheres bonitas estivessem reservadas aos homens bonitos então mal de muitos homens!! :)»

Exactamente. É por isso que é mais importante ser masculino do que ser bonito!

Portuguesinha disse...

Pois, cá está. Amor. É diferente de sexo. Ninguém é feliz apenas com a última opção.
A Mónica tem sido notícia na imprensa portuguesa ultimamente por ter comprado uma casa em Lisboa, no bairro do Castelo ou outro assim tradicional. Já vi até «reportagem» com os vizinhos. LOL. Mas porquê uma pessoa conhecida gera tanto frison? Por mim ainda bem. É menos uma casa a correr o risco de ficar vazia e esquecida. Quem a ocupa não é assim tão importante (desde que não seja algum terrorista ou criminoso, está-se bem!).

FireHead disse...

Afonso de Portugal,

O mais importante é o ser. Se um homem, seja ele bonito ou feio, não for fiel e honesto com a sua mulher então é porque não presta. Um homem que trai a sua mulher não é um homem de verdade.

FireHead disse...

Portuguesinha,

Mas não dizem lá as revistas Marias e coisas parecidas que o sexo é muitíssimo importante? Tipo, de nada adianta haver amor se o sexo não for bom? E que as mulheres não devem ir virgens para o casamento porque primeiro têm que testar se o sexo que têm com os namorados é bom? Eu já li muitos textos de peritas como a Dra. Ruth, aquela sexóloga, a defenderem isso mesmo. Que o que mais importa não é o amor, mas sim o sexo. E que sem sexo a barraca abana e cai...

Significa isto que, vamos supor, um homem tem um acidente e fica paraplégico, sem possibilidade de fazer sexo, que a esposa dele tem toda a legitimidade para se separar dele mesmo havendo amor? Então e uma mulher que nasce sem vagina, não pode ser feliz no amor porque não pode fazer sexo (convencional)? É por causa disso que há muitos homens que arranjam amantes alegando que as suas esposas já fecharam a loja ou porque o sexo com elas deixou de ser bom (e vice-versa)?

Não há dúvida nenhuma que o sexo é pagão e o amor é cristão.

Portuguesinha disse...

Já deves ter percebido que eu sou uma «defensora» de «deixar ser», o que significa que cada qual tem uma natureza que deve ser pautada por uma moralidade, claro, mas não por ditaduras :)

Não leio Marias. Pelo menos faz tempo, pelo que não sei o que se diz. Quem quiser ter sexo atrás de sexo, então que tenha. Até acredito que sexo é importante. Mas não O mais importante nem sequer o principal. Amor e sexo são coisas distintas. Tu amas o teu animal de estimação, ama-se um filho, ama-se o próximo, «ama-se» a beleza de uma bela paisagem, um gesto... Para amares, não precisas de sexo, não precisas de parceiro, não precisas de nada sem ser de VIDA. Amor é um sentimento espiritualmente superior, que talvez esta sociedade tenha querido isolar àquele momento de intimidade que é o sexo.

Para alguns sexo sem amor, para outros (Geralmente do género feminino) sexo precisa de amor. Cada qual na sua...

FireHead disse...

Lá está. O sexo é independente do amor, mas numa relação amorosa entre um homem e uma mulher há sexo como forma de complementar precisamente o amor. É claro que não estou a falar do amor em geral, pois há amor e amor, como muito bem referiste, e não andamos por aí a fazer sexo com animais, coisas ou familiares que nós amamos, mas do amor entre duas pessoas que "se juntam para se tornarem numa só carne".

O sexo é para o amor o seu complemento, tal como o amor é um complemento para a vida. Não é que sem sexo não exista amor, do mesmo modo que sem amor também não se morre e pode-se viver. E eu que acredito que quando existe amor de verdade tudo pode ser superado! Talvez eu seja ingénuo. :)