quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Autocarro alvejado na capital africana


De acordo com o jornal Correio da Manhã, um jornal que muita gente parece não gostar talvez por ainda ter alguma coragem de falar de casos como este que vai ser aqui falado, um autocarro da Vimeca que fazia o percurso entre Benfica e o Dolce Vita Tejo foi atingido a tiro na madrugada de segunda-feira no bairro Casal da Mira que fica na Amadora, a capital africana de Portugal. No interior do autocarro estavam seis pessoas.
"Fazia a carreira como faço normalmente. Três homens atravessaram-se à frente do autocarro, subiram as escadas de um prédio e dispararam sobre o autocarro", relatou o condutor Vítor Ferreira, que teve muita sorte em não ter sido atingido: o tiro entrou pela porta da frente e saiu pela janela ao seu lado. Vítor acrescentou que dois dos homens estavam encapuzados e que os passageiros ainda se revoltaram e insultaram os autores do disparo. Assim que chegou ao centro comercial, Vítor apresentou queixa na esquadra da polícia. "Eles tiraram logo uma fotografia ao vidro que começou a quebrar mas ainda tinha a marca do tiro. Já não é a primeira vez que há tiros neste local".
Os cromos com um pouco mais de idade e que não acham piada ao 25 de Abril de 1974 que digam agora que nos tempos deles não havia destas coisas, pois as pessoas nem sequer podiam andar com armas. Não sabem eles o que é que perderam naqueles tempos, sem estes acontecimentos vibrantes que dão cor ao cinzentismo do Portugal salazarista ou salazarento, muito possivelmente com um fundamental contributo doutras paragens, possivelmente oriundo das antigas províncias ultramarinas lá em África. Ah, e antes que apareçam por aí aleijadinhos mentais a quererem acusar-me de racismo por classificar Amadora de capital africana, aproveito para esclarecer que esta designação curiosamente até me foi dita por um amigo meu preto que é de Moçambique já há muitos anos atrás, quando eu ainda andava na universidade...

8 comentários:

Ivan Baptista disse...

Eu vivo próximo do Dolce Vita e posso-te afirmar, que nunca mas mesmo nunca, eu ouvi falar em tiro-liro-liros nessas bandas!
Deve ter sido por culpa de algum aniversariante em que talvez pelo meio da farra pouco animada.. em vês de foguetes, fizeram tiro-liro-ló a tocar a concertina e a dançar o solidó, só para animar a malta .

Ivan Baptista disse...

Só um aparte, a ideia do tiro-liro-liro não é minha, mas como tem piada e toume a cagar lá do bem alto para o direito do autor ..Tomem lá morangos moradores do Casal da Mira, o povo gosta de folia e alegria, e de tiro-liro-liros

FireHead disse...

Parece que o tiro não foi próximo do Dolce Vita Tejo, foi durante o percurso até lá, mais precisamente no Casal da Mira!

O facto de haver gente armada em Portugal, ainda por cima gente que não é de boa índole, para mim é muito assustador. Salazar é que fazia bem em não permitir que as pessoas andassem armadas no país, mas pronto, ele não pode servir como exemplo porque era um ditador e tal...

Dr. No disse...

Pelo menos não se podem queixar de falta de animação tipo faroeste. Bem-vindos à Somália!

Anónimo disse...

Tendo em conta que o meu concelho é governado pelo PS, não se pode esperar melhor não é?

"O facto de haver gente armada em Portugal, ainda por cima gente que não é de boa índole, para mim é muito assustador. Salazar é que fazia bem em não permitir que as pessoas andassem armadas no país, mas pronto, ele não pode servir como exemplo porque era um ditador e tal..."

Pensava que eras a favor de porte de armas.

Ivan Baptista disse...

E então e dai ? As armas sozinhas não matam.
Aliás, há homicídios com armas brancas. Basta ver os exemplos que passam nesses programas da manha na TV em que, até por espancamento se mata .

FireHead disse...

Dr. No,

Pá, temos que ver o lado bom da coisa: é de maneira que se mantém a PSP e também a PJ com coisas para fazer. Não vão assim os malandros das forças da autoridades andarem a coçar a tomatada. Mas também aí isso por si só já constitui um grande desafio para os agentes, pois não queiram eles que lhes aconteça o mesmo que aconteceu ao Hugo Ernano... é capaz mesmo de ser verdadeiramente aliciante ter de lidar com estas coisas. Para os ranhosos da escumalha também é fixe, há sempre aquela possibilidade mais que real de serem chamados à justiça e depois ficarem apenas com o termo de identidade e residência. E se forem mais abusados poderão jogar a cartada do racismo, que logo logo aparece o SOS Racismo, o Bloco e merdas afins para lhes fazer umas festinhas e cascar nas autoridades. As vítimas, estas, pá, que se lixem, quem é que lhes mandou estarem onde estavam no local do crime?

FireHead disse...

Anónimo,

Sou e não sou. Depende. Muita dessa gente que anda armada em Portugal não tem porte de armas.