terça-feira, 9 de agosto de 2016

Putin prepara ataque militar contra o EI em Raqqa (Síria) e avisa o grupo terrorista islâmico


10 comentários:

Afonso de Portugal disse...

Mas que grande "islamofóbico" me saíu este Putin! O luisinho não deve demorar a desancá-lo! :P

wind disse...

Estou de acordo se for contra o EI, só espero que não haja vítimas inocentes, crianças, por exemplo.

Portuguesinha disse...

Tás brincando, certo?
Matar inocentes pelas vidas de outros inocentes? (Bem, a guerra faz isso) Para atingir culpados, que, de resto, já têm mentalidade de que o assassinato seria um "sacrifício a alá" e por isso estariam de bem com a ameaça.

FireHead disse...

Afonso de Portugal,

O Putin não deve ter vida fácil. Como é que ele pode ser um islamofóbico se o país que ele preside é o país da Europa (ou Eurásia) com mais muçulmanos??

FireHead disse...

Wind,

Pois, mas infelizmente em qualquer guerra costuma haver sempre vítimas inocentes...

FireHead disse...

Portuguesinha,

É claro que eu não apoio a matança de gente inocente! Isso que fique bem claro. Mas também já se sabe como é que é isso de guerrear, costuma sempre haver danos colaterais. Eu pergunto-te: então qual é que é a maneira de acabar com o EI? Não me digas que achas que as coisas se resolvem dialogando com terroristas!? Também foi guerreando que surgiram nações...

Anónimo disse...

Lá vão crianças e adultos inocentes com o c...

Deus os perdoes a ambos!

FireHead disse...

Anónimo,

Pois é, esqueci-me que há outras formas de acabar com o Estado Islâmico que não a guerra! Quais são mesmo? Pedir por favor aos jihadistas para não matarem mais inocentes, sejam eles adultos ou crianças??

Portuguesinha disse...

Não, eu entendo a dualidade das guerras. Putin não é para mim um líder ou um homem confiável e defender o assassínio em massa nunca resultará no fim de nada, só no prolongamento. Guerras, a serem travadas, devem ser dirigidas ao alvo, não aos "colaterais". Embora sempre saibamos que são esses os maiores desgraçados. Que se combata o terrorismo indo aos terroristas e se dialogue muito com pessoas como Putin, mesmo que se tenha de colocar embargos... como o que o Irão tinha devido ao urânio enriquecido. São os esquemas de politiquices que podem prevenir catástrofes, tão ou mais necessários para evitar que se cheguem a guerras. Mas chegando (cruzes canhoto), que não haja o que se observa por este mundo empobrecido...

FireHead disse...

Portuguesinha,

Não sabes que a guerra é a continuação da política por outros meios? Isso estudei eu na universidade. Ora, com terroristas não se dialoga, combate-se. Danos colaterais? Infelizmente fazem parte, a questão é causar o mínimo dano possível. Além de que a guerra é sempre vista como a última alternativa, quando todas as outras formas de política falham. Com os terroristas todas as outras formas simplesmente não funcionam. Há alturas em que devíamos todos pensar assim: ou são eles, ou somos nós. Não há meios termos.

Quanto ao Putin, e ao contrário de ti, eu concordo com ele e apoio-o. Ele é frontal e não anda com abébias, ao contrário de outros politiqueiros que são uns falsários e impostores. Um líder que não se impõe é um frouxo e se não assusta ninguém então o melhor é não sair de casa.