sábado, 20 de agosto de 2016

A Mongólia vai ter o seu primeiro padre

A Mongólia vai ter o seu primeiro padre: Joseph Enkhee-Baatar. O primeiro padre mongol de sempre, actualmente diácono, será ordenado no próximo dia 28, o que encheu de alegria e entusiasmo a pequena comunidade católica de Arvaiheer, com apenas 21 fiéis, representando muito possivelmente a mais nova comunidade católica do mundo.
Ordenado diácono pelo bispo coreano de Daejeon, D. Lazzaro You Heung-sik, Joseph Enkhee-Baatar será ordenado na catedral de São Pedro e São Paulo na capital do país, Ulan Bator, pelo prefeito apostólico da cidade, D. Wenceslao Selga Padilla.
A Mongólia (Монгол улс; não confundir com Mongólia Interior que é uma província da República Popular da China) teve um império fundado por Gengis Khan em 1206 e mais tarde pertenceu à China, durante a dinastia Qing. Acabou por se tornar num país independente em 1911, mas o seu reconhecimento internacional só se deu em 1945. Tem uma população de apenas 2,9 milhões de habitantes (30% deles nómadas ou semi-nómadas) e a maioria da população professa o budismo tibetano. Apesar disso, estabeleceu relações diplomáticas com o Vaticano em 1992 e a obra de apostolado realizada pelos missionários de diversas congregações religiosas é apreciada e agrada às autoridades locais.
"O facto de este novo sacerdote ser mongol significa muito para nós: falará a nossa língua como um filho e irmão nosso; sobretudo, saberá ligar a fé com as nossas tradições", disse o missionário Giorgio Marengo à Asia News. Segundo ele, o Catolicismo ainda é visto como "estrangeiro", mas o seu crescimento, embora lento, tem sido progressivo.
A partir do dia 28 as autoridades locais, que sempre tiveram que tratar com sacerdotes estrangeiros, já poderão entender-se com um sacerdote nativo. E com isso ganham os católicos e a Igreja na Mongólia.

4 comentários:

Portuguesinha disse...

É tão bom quando se vive com tolerância e se aceitam as diferenças...

FireHead disse...

Não creio que na Mongólia existam, pelo menos para já, intolerantes fundamentalistas, até porque os budistas, ainda por cima do ramo mahayana, são em regra super tolerantes e não fazem mal sequer aos bichos, como as moscas porque acreditam na reencarnação e acreditam que mesmo as moscas podem ter sido gente na vida anterior. :)

Quanto à ordenação do primeiro padre mongol, é uma excelente notícia para a Igreja local. Que a comunidade católica mongol cresça. :)

CÉU disse...

Fiquei apaixonada pela notícia, FireHead!
Não é por eu ser cristã católica, mas o novo sacerdote tem um rosto amistoso, sincero.

QUE DEUS O AJUDE A CUMPRIR, DESEMPENHAR BEM A SUA VOCAÇÃO! ASSIM-SEJA!

FireHead disse...

A Igreja Católica cresce e muito ironicamente longe do Ocidente. Enquanto no Ocidente se persegue o Cristianismo, que está na base da civilização ocidental, e a fé já conheceu melhores dias por lá, o Catolicismo vai continuando a crescer em partes outrora impensáveis, como é precisamente a Mongólia. É um erro pensarmos que o número de cristãos diminui no mundo, mas mesmo que isso seja verdade, antes poucos mas bons, até porque está escrito que "muitos serão chamados, mas poucos os escolhidos".