domingo, 10 de julho de 2016

SEF legalizou milhares de ilegais à margem da lei!


O ex-director do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, o juiz-desembargador António Beça Pereira, momeado pelo PSD/CDS-PP, decidiu no ano passado isentar o visto de entrada em Portugal ou no espaço Schengen, exigido na Lei de Estrangeiros, os imigrantes que provassem estar a trabalhar em Portugal há mais de um ano, uma medida altamente irregular que provocou uma onda de imigração ilegal em direcção a Portugal, em parte graças a redes criminosas. A maioria desses imigrantes é da Índia, do Paquistão e do Bangladesh. "Se alguma destas pessoas se envolver num atentado terrorista ou num crime violento no espaço europeu, que explicação vai dar Portugal aos seus parceiros do facto de essa pessoa ter uma autorização de residência à margem da lei?", questiona uma fonte policial a quem o DN relatou a situação. Nada, no entanto, que incomode o esquerdume, pois o Bloco de Esterco até aplaudiu a "regularização extraordinária"...
A imigração clandestina não é, por si só, um crime, como eu dizia anteriormente aqui no blogue, embora haja países que de facto criminalizam a imigração ilegal (Itália ou Hungria) e não apenas o auxílio à imigração ilegal. Afinal de contas, porque não haveria a imigração ilegal ser por si só um crime mesmo se um imigrante ilegal é aquele que está, como o próprio nome indica, ilegal num país, violando as suas leis de imigração?
Voltando ao caso em questão: será que alguém vai agora ser responsabilizado por isto? Ou será que legalizar imigrantes ilegais à margem da lei também não é nenhum crime?

Sem comentários: