quinta-feira, 28 de julho de 2016

Papa Francisco pede à Polónia para receber refugiados...


... mas felizmente parece que ele não vai ter muita sorte porque o governo nacionalista polaco, extremamente católico e conservador, sabe perfeitamente bem que perigos é que o islão traz e acima de tudo sabe que a Polónia já tem neste momento os seus problemas que cheguem.
No seu primeiro discurso depois de ter chegado ao país do Papa João Paulo II para a 31.ª edição das Jornadas Mundiais da Juventude, o Papa Bergoglio apelou à "solidariedade e ao espírito cristão" e ao acolhimento de "pessoas que fogem da guerra e da fome" (sim, mas muitos não fogem da guerra nem da fome), podendo ter dado a entender que se referia aos cristãos perseguidos quando disse também que é preciso ter "solidariedade com aqueles que estão privados dos seus direitos fundamentais, designadamente o de professar com liberdade e segurança a sua fé" (sendo assim o caso muda de figura, mas só mesmo na condição dos refugiados serem cristãos que são perseguidos e não muçulmanos hostis para com a superior civilização ocidental). O Papa demonstrou também novamente a sua ignorância acerca do islão ao dizer que "todas as religiões querem a paz", apesar de ter reconhecido que o mundo "já está em estado de guerra" (sempre esteve, por causa do islão).
O que o Papa parece não saber é que um muçulmano iraquiano de 48 anos, que está na Polónia depois de ter sido expulso da Suécia («refugiado»?), foi detido na posse de explosivos e sob a suspeita de preparar um ou mais do que um atentados terroristas, quem sabe para receber o Papa.
Nós já bem sabemos que este Papa quer dar uma mãozinha à Nova Ordem Mundial e ao mesmo tempo também à islamização (deve ser para ver a qual das duas coisas o Ocidente chega primeiro), mas não, Sua Santidade, a catolicíssima Polónia já mostrou que não anda a papar grupos, daí não andarmos a ouvir falar de atentados terroristas (islâmicos) no país do Papa Karol Wojtyła como andamos agora a ver com frequência em França, onde até um padre idoso foi recentemente decapitado por não querer submeter-se a Alá, ou na Alemanha. Refugiados sim, mas primeiro e fundamentalmente os cristãos perseguidos (morrem em média 11 deles a cada hora que passa), pois estes pertencem à mesma civilização do Ocidente, e não gente que tem ódio ao Cristianismo e aos valores ocidentais. Porque é que, já agora, o Papa não pede ao seu país, a Argentina, para receber refugiados, como recebeu no passado refugiados... criminosos nazis?
Outra coisa que eu também ainda não consegui entender, ó Papa. Porque é que o Donald Trump, que Sua Santidade não quer que ganhe as eleições lá na América, foi criticado duramente por querer erguer um muro para defender as fronteiras dos EUA da entrada de terroristas (o calvinista foi mesmo acusado de não ser um cristão, lembrai-vos?) já que de muros percebe muito bem o Sumo Pontífice, rodeado que está de muros no Vaticano precisamente por causa dos... sarracenos muçulmanos?
Posto isto, vamos esperar que as Jornadas Mundiais da Juventude corram bem e que os polacos continuem firmes na defesa da sua nação.

8 comentários:

Anónimo disse...

Concordo! A receber refugiados que eles sejam cristãos, pois sempre se adaptariam melhor ao estilo de vida ocidental, porventura até muito melhor do que nas sociedades islãmicas de onde eles próprios são provenientes.
Depois, a Polónia é dos países mais católicos de toda a Europa. Para os 'nacionalistas' anticristãos (pagãos, por ex.) que passam a vida a defender que o Cristianismo é incompatível com o nacionalismo (rúbrica 'Catolicismo v Nacionalismo'), deve haver um fenómeno qualquer cósmico ou cabalístico que extravassa a sua limitada compreensão (limitada no sentido da natureza ser regidas por leis, ou melhor, personificadas pelos 'deuses' que existem, mas existem mesmo, só que têm outro nome: demónios) que vai conseguir explicar o por que de países cujos líderes mais têm feito em nome da defesa dos valores cristãos (Orban, por ex.) serem também países onde não existem modernices pagãs como a permissão do aborto, casamentos panascóides, adopção de crianças pelos panascóides e estas tretas pegadas.
Ah, e realçar o surgimento de grupos neopagãos na Rússia não significa nada. Esses grupos neopagãos são uma resposta anti-nacionalista ao Cristianismo que mantém a coesão nacional russa, são tipo golpistas de estado que querem mandar abaixo a nação para substituí-la por uma nova ordem multiculturalista. E se forem da laia dos seguidores da wicca, como são muitos desses grupos do neopaganismo, não há cu pagão 'nacionalista' que resista. Conclusão: o paganismo é anti-nacionalista.

FireHead disse...

Pois é, até agora ainda não vi nenhum "nacionalista pagão" conseguir descalçar essa bota do exemplo da Polónia. Já os países mais multiculturalistas são, diz a senhora dona realidade, países onde o Cristianismo tem cada vez menos influência, perdendo terreno para as seitas (pagãs). Mas é claro que isso eles preferem não ver porque não convém, né?

A propósito da Rússia, tenho no prelo um artigo sobre o retrocesso civilizacional que seria o regresso ao paganismo. Vou colocá-lo aqui no blogue amanhã.

Anónimo disse...

"Concordo! A receber refugiados que eles sejam cristãos, pois sempre se adaptariam melhor ao estilo de vida ocidental,"


causam tantos crimes quanto os demais. na Suécia, existe uma abundância de assírios em uma cidade chamada Södertälje - eo fato é que eles usam seu "Cristianismo" como uma frente para o crime organizado. Este mês, um homem chamado Halef Halef, juntamente com talvez 20 ou mais de seus colegas de trabalho, foi condenado por uma maçiça sobre benefícios sociais , todos centrados em torno de sua igreja.

Anónimo disse...

Mas A Polonia há tempos recebe refugiados ,nunca fechou as fronteiras apesar das promessas eleitoreiras . Sirios entram aos milhares da Polonia ,mas a usam como caminho para A alemanha ,uns tantos outros milhares preferem fincar raizes na Polonia mesmo ,eis um exemplo:


http://www.liveleak.com/view?i=993_1469618516

Adilson disse...

Ufa! Prefiro nem comentar. Chega me dá uma dor no peito.

FireHead disse...

Anónimo das 02:33,

Os assírios são de uma seita pseudo-cristã, logo eu não os considero cristãos porque não são efectivamente cristãos. Nem todos os que dizem acreditar em Jesus Cristo são de facto cristãos porque os verdadeiros cristãos são os que seguem a única Igreja por Ele fundada. De resto, o que não falta é gente que se aproveita das coisas ao seu dispor.

FireHead disse...

Anónimo das 02:38,

Ah, então andamos todos a ser enganados. Porque é que a Polónia então está contra as quotas da maçónica União Europeia se afinal já anda a receber refugiados à barda?? Ainda bem que existem pessoas como tu para nos tirarem da Matrix em que nós vivemos!

E esse sírio na Polónia até me parece bastante branco. Se calhar para ti ele não passa de um mestiço, mas é bom lembrarmo-nos por vezes que até havia mouros de olhos azuis, como um tal que até esteve na Península Ibérica ou algo assim do género. Em suma, o islão, para gente como tu, nunca é o problema; o problema é sempre, única e exclusivamente, os judeus. :)

FireHead disse...

Adilson,

Esperemos é que os polacos não caiam na cantiga deste Papa. Isto sim, é o mais importante.