sábado, 30 de julho de 2016

Papa em Auschwitz


O Papa Francisco visitou ontem o campo de concentração nazi de Auschwitz, perto de Cracóvia, onde rezou sozinho em silêncio durante mais de 10 minutos. Depois, seguiu num veículo eléctrico até ao Muro da Morte, onde os nazis executaram milhares de prisioneiros com uma bala na cabeça, e acendeu uma vela antes de conversar com 12 sobreviventes. No livro de visitas do campo, o Papa escreveu em espanhol "Senhor, tem dó do teu povo. Senhor, perdoa tanta crueldade" e depois visitou a cela onde o padre polaco Maximiliano Kolber morreu depois de lhe ter sido administrada uma injecção letal após ter aceitado morrer no lugar de um pai de família. O Papa visitou ainda Auschwitz II-Birkenau, onde chegavam comboios repletos de deportados que seguiam directamente para as câmaras de gás, e onde esteve, no memorial, com o grande rabino da Polónia Michael Schudrich que leu o Salmo 130 em hebraico. A mesma leitura foi feita por um padre polaco oriundo de uma localidade onde uma família católica foi exterminada por ter acolhido e escondido judeus.

9 comentários:

Fatyly disse...

A simplicidade comovente de Francisco num cenário de horror com o qual a humanidade não aprendeu NADA! Comovi-me quando o vi!

Bom fim de semana

Beijocas

Adilson disse...

Bem, como ele está demonstrando real interesse em mostrar ao mundo que se preocupa com povos vítimas de genocídio, creio que agora ele precise ir a mais quatro lugares:
(1) Na Vendéia, onde os revolucionários do Iluminismo praticamente dizimou a população católica;

(2) Naqueles lugares da atual Rússia (e ex-URSS) onde ficavam os gulags (que aliás serviu de modelo a Hitler)e para onde Stálin enviava os que se opunham aos comunistas e lá matavam. Inclusive se diz que por essa época, a ex-URSS tinha o maior número de crianças abandonadas do mundo.

(3) A Uncrânia, onde mais de 7 milhores de ucranianos (a maioria praticamente católica)foram mortos pela fome imposta por Stálin, entre 1932 e 1933, o holodomor.

(4) Hiroshima e Nagasaki, onde o presidente socialista dos EUA do Partido dos Democratas, Roosevelt, jogou as bombas atômicas. Embora, se desculpe com o fato de os japoneses praticarem terríveis crueldades, e que não havia outra forma de fazê-los parar. Bem, o ISIS está fazendo coisas bem piores e o Ocidente se mantém quietinho.

FireHead disse...

Fatyly,

Nada disso invalida no entanto, o facto dele como Papa ser um fiasco. Tenho agendadas para mais logo duas postas que cascam nele como ele merece. :)

Beijinhos e bom fim-de-semana também para ti. :)

FireHead disse...

Adilson,

Sabes, meu caro, uma das poucas coisas de jeito que este Papa ainda vai a tempo de conseguir fazer é aproximar a China novamente do Vaticano. No que diz respeito ao resto já não tenho grandes esperanças.

Ivan Baptista disse...

Ó Adilson, falta ai falar do Carlinhos Marxista que citou qualquer coisa como - «A religião é o suspiro da criatura oprimida. .... A religião é o ópio do povo». https://pt.wikipedia.org/wiki/Ate%C3%ADsmo_marxista-leninista

Ivan Baptista disse...

Marx, era de origem kosher, e parece que tombem Ateu :|

wind disse...

O Holocausto Foi horrível e ainda há quem negue que o houve!
Nem tenho palavras para escrever o que sinto para quem o sofreu, nem para escrever o que sinto para quem o nega!

FireHead disse...

Ivan Baptista,

Sim, Marx renegou o judaísmo e tornou-se ateu. Por isso que foi a bela merda que foi.

FireHead disse...

Wind,

Pois é. Há-de haver sempre anormais capazes de coisas incríveis. Negar o holocausto é como dizer que o homem nunca pôs os pés na lua.