quinta-feira, 7 de julho de 2016

Esquerdista sexualmente agredida por imigrantes decide mentir


A política esquerdista alemã Selin Gören, de 24 anos, do movimento Solid da Linksjugende (Juventude Socialista) conhecida pelo seu activismo em prol dos direitos dos refugiados, foi vítima de agressões sexuais por parte de um grupo de três muçulmanos em Janeiro passado na cidade de Mannheim. Depois de ter sido derrubada, dois dos muçulmanos começaram a fazer o seu servicinho enquanto que o terceiro começou a insultá-la numa língua estrangeira, possivelmente o árabe. Selin, no entanto, foi contar à polícia que havia também no grupo cidadãos alemães (loiros, de olhos azuis e católicos, quiçá?), que todos falavam alemão e que ela foi apenas assaltada. Ou seja, ela mentiu, pois não queria correr o risco de ser acusada de... racismo! Uns dias mais tarde, porém, e depois de ter conversado com o namorado, ela lá acabou por confessar a verdade às autoridades. Apesar de dizer que continua a ser uma anti-racista, Selin agora já diz ter medo dos árabes...
Bom, afinal de contas de início a Selin estava apenas a ser coerente com os seus princípios...

10 comentários:

Anónimo disse...

«Não é o primeiro caso de uma figura política da Esquerda europeia que, depois de violada por alógenos, teme mesmo assim a expulsão dos mesmos; deve lembrar-se o caso do político norueguês que disse sentir-se culpado pela expulsão do africano que o violou; eventualmente haverá mais casos destes, a ilustrar o estado terminal da doença a que se pode chamar xenofilite aguda, quando não etnomasoquite em avançado estado de decomposição. Vá lá que a jovem acabou por dizer a verdade às autoridades; entretanto, declara que continua a ser anti-racista mas agora tem medo dos árabes, pode ser que entretanto evolua. De qualquer modo, a sua primeira reacção - não a sua pessoa, pobre moça, mas a sua primeira reacção - é a concretização política, ideológica, em versão laica, da mentalidade cristã que manda dar a outra face ao agressor. Há muitos anos que me parece ingénua a afirmação algo popular de que, se «os políticos» europeus que mandam vir imigrantes para a Europa sofressem na pele os efeitos dessa imigração, já não apoiavam tal invasão. É ingénua de princípio - embora seja verosímil que haja militantes pró-imigração europeus eventualmente dispostos a mudar ideias caso fossem gravemente afectados, pessoalmente, por imigrantes do terceiro-mundo, a verdade é que em muitos casos a endoutrinação universalista militante teria fatalmente de produzir casos como o desta alemã, e do referido norueguês, e de uma americana que foi violada na Jamaica por um negro mas arranjou maneira de culpar o racismo branco, e de um estudante universitário francês espancado e assaltado por norte-africanos que se pronunciou a favor dos mesmos e contra os Nacionalistas, enfim. Isto é podridão profunda, é um autêntico cancro, um efeito concreto e indesmentível da «sida doutrinal» que destrói as defesas do Organismo Europa e faz crescer as células que «trabalham» contra o próprio organismo de que fazem parte, caso dos políticos desta índole.
Contra tal maleita, inédita na História da Humanidade conhecida, só o Nacionalismo político se ergue.»

FireHead disse...

Também li isso no blogue do Caturo. E uma vez mais o problema dele faz-se evidente: o desconhecimento que tem acerca do Cristianismo. Sim, de facto, é a tal história, o Cristianismo desarma, é frouxo, é fraco, cria hippies (como se eles não seguissem antes filosofias pacifistas pagãs), não houve nada de Cruzadas e estas coisas, não inspirou o Direito, a moral, etc., nada, zero, nicles. Ainda bem que os líderes como o Orbán, o Fico, o Putin, o José Pinto-Coelho e até mesmo o ateu do Wilders sempre apelaram à defesa da civilização judaico-cristã e não de civilizações pagãs, e vão continuando a trabalhar nesse sentido.

sombra disse...

São tão grandes os absurdos que se tem visto ultimamente, tamanha estupidêz, que até parece que a humanidade deixou de ter capacidade de raciocinar...é como se houvesse uma espécie de vírus de estupidêz à solta e só uns poucos são imunes.

Anónimo disse...

Essa Turca estava apenas protegendo seus irmãos de raça .racista ela é ,pois problema algum teve em ,falsamente , difamar a raça alemã.

Anónimo disse...

"é a concretização política, ideológica, em versão laica, da mentalidade cristã que manda dar a outra face ao agressor. "

Esse caturo/afonso (um gay assumido)
é um doente mental ! A frouxidão dos Europeus nada tem a ver com o cristianismo .A Europa ha mais 2000 anos pena com tal religião ,mas tal frouxidao é coisa de algumas decadas para cá.
A moça nem mesmo é cristã ,é,muita provavelmente por conta de sua origem turca , islâmica.

FireHead disse...

Sombra,

Nisso também concordo com o Caturo. Existe uma espécie de Sida civilizacional (esquerda). Mais do que uma seita, o esquerdismo é mesmo uma doença crónica e aparentemente quase incurável.

FireHead disse...

Anónimo das 10:50,

Pois, agora os turcos também são árabes. E os alemães são uma raça. Cala-te, mentecapto.

FireHead disse...

Anónimo das 11:05,

Sinceramente não me interessa se o Afonso de Portugal é ou não o Caturo, embora eu acredite que eles não sejam a mesma pessoa. Eu sigo os blogues dos dois e sei das diferenças óbvias entre eles. Mas isso não interessa. Adiante.

A Europa "pena" com tal religião, graças à qual existe hoje ainda uma civilização que se revelou ser superior às demais. Foi assim que surgiram países, foi assim que a Europa se manteve unida.

A frouxidão surgiu precisamente após o abandono da fé cristã, o que permitiu o regresso do paganismo e das suas práticas bárbaras, com a afirmação do esquerdismo (com coisas como o ateísmo ou o agnosticismo), marxismo cultural, o que por sua vez permite o relativismo e a islamização. Os verdadeiros pagãos é que se auto-aniquilam porque divinizam a natureza e relativizam a condição humana, que precisa de ser salva pelos próprios humanos que buscam a perfeição e a salvação, e enquanto isso não acontece é matéria descartável, desprezível, sujeito a melhoria. Basta vermos o exemplo dos hippies e da Nova Era. Aqueles pagãos que, como defende o Caturo, são "étnicos" e anti-imigração e estas coisas todas são apenas umas gotinhas num imenso oceano composto por WICCAnos anti-nacionalistas e a malta da Nova Era/Nova Ordem Mundial.

Anónimo disse...

Tens a certeza que ela é alemã? Pela foto não parece.

FireHead disse...

Anónimo das 05:48,

Pois, é verdade, pela foto parece que é do Tibete...