quarta-feira, 13 de julho de 2016

Durão Barroso na Goldman Sachs? O Professor Salazar Explica...


"A Goldman Sachs deita abaixo governos por toda a parte. A Goldman Sachs coloca os seus homens à frente dos governos dos países da Zona Euro. A Goldman Sachs põe o seu homem à frente do Banco Central Europeu (BCE). Na Grécia, na Itália e no BCE, os oligarcas tomaram o poder." - Marine Le Pen (1968 - ), 
Presidente da Frente Nacional


O burburinho que encheu as redes sociais e os meios de comunicação social nos últimos dias, a propósito da ida do ex-maoísta Durão Barroso para a Goldman Sachs, tem uma explicação lógica que já foi oportunamente dada pelo professor Salazar, por ocasião de uma conferência no Secretariado de Propaganda Nacional em 1934. Nada melhor do que ler as sábias palavras que foram então proferidas: 

«(...) O plutocrata não é, pois, nem o grande industrial nem o financeiro: é uma espécie híbrida, intermediária entre a economia e a finança; é a "flor do mal" do pior capitalismo. Na produção não lhe interessa a produção, mas a operação financeira a que pode dar lugar; na finança não lhe interessa regular a administração dos seus capitais, mas a sua multiplicação por jogos ousados contra os interesses alheios. O seu campo de acção está fora da produção organizada de qualquer riqueza e fora do giro normal dos capitais em moeda; não conhece os direitos do trabalho, as exigências da moral, as leis da humanidade. Se funda sociedades é para lucrar apports e passá-las a outros; se obtém uma concessão gratuita é para a transferir já como um valor; se se apodera de uma empresa é para que esta lhe tome os prejuízos que sofreu noutras. Para tanto o plutocrata age no meio económico e no meio político sempre pelo mesmo processo - corrompendo. Porque estes indivíduos, a quem alguns também chamam grandes homens de negócios, vivem precisamente de três condições dos nossos dias: a instabilidade das condições económicas; a falta de organização da economia nacional; a corrupção política. - Quem tenha os olhos abertos para o que se passou aqui e para o que passa lá fora não pode duvidar do que afirmei.» [1] 

Sim, isto é o que Salazar - esse "pavoroso" ditador da "extrema-direita" - dizia sobre a canalha da plutocracia, a mesma canalha que por via dos seus descendentes, quase um século depois ainda nos atormenta a vida e quer roubar a Pátria. Não hajam dúvidas de que Durão Barroso foi durante as duas últimas décadas um bom lacaio destes plutocratas ao serviço do Mundialismo apátrida. Como tal, o seu trabalho agora é devidamente recompensado pelo mais sinistro e obscuro banco que existe na face da Terra. Aliás, na verdade a Goldman Sachs não é um banco, mas sim O Banco. Trata-se "apenas" da instituição económico-financeira mais poderosa de todas e nos seus corredores secretos já se planearam crises económicas artificiais, assassinatos, golpes de Estado (incluíndo o 25 de Abril...), guerras, limpezas étnicas, operações de bandeira falsa e patifarias de toda a ordem


Não esperem vergonha da parte destes parasitas, pois se alguma vez a tiveram, já a perderam há muito. Já agora, sabem a que banco pertencem os principais financial advisors ao serviço do Estado do Vaticano? Isso mesmo, à Goldman Sachs...

_______________________________________________ 

Notas: [1] SALAZAR, António de Oliveira - Problemas da Organização Corporativa. Conferência no Secretariado de Propaganda Nacional, em 13 de Janeiro de 1934, Discursos, Vol. 1, pp. 292-294 

João José Horta Nobre 
12 de Julho de 2016 


Um pequeno video que explica bem como a Goldman Sachs é uma pedra angular não só no triângulo de poder da Superclasse Mundialista, mas no próprio projecto da Nova Ordem Mundial, que tem como fim último a construção de um governo mundial totalitário, que a ser erguido, só o poderá ser à custa da destruição das nações e da escravização dos povos:

video

4 comentários:

Anónimo disse...

Esse José Nobre é um pseudo-historiador, é um impostor e um falsário. Já andei a ler nestes lados que ele usurpou a identidade de um verdadeiro mestrado em história por Coimbra e que se faz passar por ele.

FireHead disse...

Isso eu não sei porque nem sequer é comigo. Para eu acreditar que ele não é quem ele afirma ser é preciso que haja provas concretas. Não é irem ao sítio do DN e dizerem que ele não comentava lá só por causa de um bug que há na secção dos comentários. Mas repito, não sei se ele é mesmo um "impostor" ou um "falsário". Não perco o meu sono por causa disso.

João José Horta Nobre disse...

Obrigado pela divulgação.

Abraço ;)

FireHead disse...

Não tem de quê. Já sabe que eu aproveito o que eu acho que pode ser aproveitado. :)

Cumprimentos.