terça-feira, 5 de julho de 2016

Continuam o fascismo LGBT e o Anticristianismo em Espanha


A líder socialista de Madrid, Sara Hernández, de Getafe, estabeleceu o "perfil do homofóbico": "varão, heterossexual, fino, branco e da fé maioritária", isto é, católico. A moção de proposta conta com a aprovação de todos os grupos menos do Partido Popular (PP), que votará contra. Antonio José Mesa, porta-voz-adjunto do PP de Getafe, criticou os autores da proposta: "por um lado reclamam tolerância e respeito, e, por outro, fazem um flagrante exercício de discriminação da população por motivos tão grosseiros como a aparência física, o nível da situação económica ou as crenças religiosas".

Um juiz deu por arquivado um processo que resultou duma denúncia por parte de um grupo conservador que se insurgiu contra um cartaz LGBT em que aparecem duas Virgens, a dos Desamparados e a de Montserrat, a beijarem-se, dizendo que não passou simplesmente de uma "provocação" ao arcebispo de Valência e que "não tem nenhuma intenção de ofender sentimentos religiosos". É claro que se fosse um cartaz LGBT a provocar o islão a conversa já teria de ser outra...

E por falar no islão, a esquerda unida rejeitou a moção proposta pelo PP para condenar os ataques cometidos contra duas igrejas na Galiza. Curiosamente, tinha já sido aprovado por lá um manifesto contra a islamofobia, condenando "as atitudes, os comportamentos e políticas islamofóbicas em todas as suas formas". Ou seja, islamofobia não, Cristianofobia sim...

A esquerda unida aproveitou também para atacar novamente o Cristianismo no desfile de orgulho gay no sábado passado em Madrid. Além disso, a revista satírica Mongolia felicitou todos os homossexuais mostrando uma imagem do Sagrado Coração de Jesus a piscar um olho e com uma bandeira gay dizendo "Viva Cristo Gay!", e chamando Madre Teresa de Calcutá de "miserável" e "anjo do Inferno".

É assim a outrora Espanha dos grandes reis católicos nascida do espírito cruzado da Reconquista Cristã...

6 comentários:

Anónimo disse...

Isto não é nada. Se fossem os cristãos a ofenderem os gays, a organizarem paradas contra os gays ou simplesmente atacarem os gays já seria horrível. Quando é o contrário é tudo muito bonito. Isto também serve para os atrasadinhos com a mania da tolerância e igualdade que ficam incomodados com a islamofobia mas esquecem-se da cristianofobia.

FireHead disse...

Eu acho que eles não se esquecem da Cristianofobia: fazem é de conta que ela não existe. Ou então sabem que ela existe e nada fazem porque são declaradamente anticristãos. Mas também se eu agora me puser a falar de profecias, que isso do Anticristianismo já tinha sido profetizado, ainda dizem que eu sou algum maluquinho e um tipo do século XXI com as habilitações que tem devia era ser um irreligioso, como se o cu tivesse alguma coisa a ver com as calças...

Anónimo disse...

Exato. Se a cristianofobia não fosse algo que existe e que é deliberadamente ignorada, a esta hora ainda existiriam muitos milhares de cristãos nos países onde o islão é a lei (paquistão, irão...)

FireHead disse...

Os idiotas úteis estão mais preocupados com os muçulmanos que fogem das suas terras e que vão para o Ocidente como refugiados do que com os cristãos que sofrem às mãos dos muçulmanos nas terras deles.

Ivan Baptista disse...

A ser verdade que este tipo de iniciativas é paga por dinheiros públicos, e se a maioria das pessoas fosse informada disso, secalhar a maioria das pessoas desistiria de ser solidária com esta moda :)

FireHead disse...

Deixemos isso. O Estado Islâmico agora tem um grupo para atacar a Al-Andalus! As pessoas que ficam irritadiças com a islamofobia devem andar no seu íntimo a desejar que o número de muçulmanos aumente em todo o lado do Ocidente, e até mesmo na terra não-ocidental onde essas pessoas estiverem a viver (a não ser que sejam hipócritas, é claro, mas isso também não seria de espantar), porque assim pelo menos com os muçulmanos não haveria bichanices nem esquerdices. A esquerda promove a islamização, defende os muçulmanos, tolera os intolerantes e depois vai-se lixar bem lixadinha. Acho que o melhor é começarmos a deixar de preocupar com estas coisas e começarmos, isso sim, a dizer que é bem feita o estado a que coisas chegaram - e que ainda vão piorar.