quinta-feira, 23 de junho de 2016

China e Polónia com ligação ferroviária

video

Na segunda-feira, o presidente chinês Xi Jinping e o seu homógolo polaco, o nacionalista Andrzej Duda, saudaram em Varsóvia a chegada de um comboio de mercadorias chinês que partiu de Chengdu, capital da província de Sichuan, simbolizando o reforço da cooperação económica entre os dois países. A viagem de comboio entre a China e a Polónia, iniciada em 2013, é um percurso de 13 dias que substitui mais de um mês por mar e faz parte da iniciativa chinesa "Nova Rota da Seda", um gigantesco plano de infra-estruturas que pretende reactivar a antiga Rota da Seda entre a China e a Europa através da Ásia Central, África e Sudeste Asiático. A Polónia, governada por nacionalistas, é o maior parceiro comercial da China no leste da Europa e graças a esta parceria a Polónia corrige um crónico desiquilíbrio na balança comercial reforçando as exportações de produtos agrícolas, leite, carne e maçãs - a Polónia é um dos maiores produtores de maçãs da União Europeia - que, dizem os chineses, a Rússia não quer. Xi Jinping urgiu ainda a Polónia a "tirar máximo proveito da sua posição como membro fundador do Banco Asiático de Investimento em Infra-estruturas" (BAAI) criado pela China, a segunda maior potência económica do mundo, visto inicialmente pelos EUA como um concorrente ao Banco Mundial e ao Fundo Monetário Internacional (FMI), duas instituições sediadas nos EUA e habitualmente lideradas por norte-americanos e europeus. O BAAI acabou por suscitar a adesão de mais de 20 países fora da Ásia, entre eles Portugal, e tanto os EUA como o Japão, a primeira e a terceira maiores economias do mundo respectivamente, ficaram de fora. O vice primeiro-ministro da Polónia, Mateusz Morawiecki, disse aos jornalistas que o BAAI é o "maior fundo de investimentos do mundo" e que Varsóvia está a discutir "investimentos enormes" com Pequim. "É ainda cedo para dizer que chegamos a algum tipo de conclusão", afirmou, revelando apenas que estão envolvidos "milhares de milhões".

Sem comentários: