quarta-feira, 25 de maio de 2016

História da civilização: os povos bárbaros

Os bárbaros infiltram-se no Império 

Os gregos e romanos davam o nome de bárbaros a todos os estrangeiros. Na História, porém, ficou este nome especialmente para designar as tribos selvagens ou semi-selvagens que, fora das fronteiras romanas, viviam uma vida extremamente rude e primitiva, e que fizeram diversas tentativas para vencer o 1.º Império ou a república, apoderando-se dos seus tesouros e conquistando a zona de clima ameno em que Roma estava estabelecida.
A primeira grande invasão dos bárbaros deu-se no tempo de Mário. Os invasores (cimbros), depois de terem invadido a Itália, só não venceram Roma graças aos prodígios de valor militar dos romanos, que fizeram recuar os bárbaros até além do Reno e Danúbio, e estender até esses rios os limites do Império. Mas, mesmo derrotados, os bárbaros constituíam um permanente perigo. Os romanos nunca conseguiram estabelecer duravelmente o seu poderio além das margens desses rios, e frequentemente eram rechaçados, sendo invadidas pelos bárbaros as margens renanas ou danubianas pertencentes aos romanos. 
Roma, porém, absoluta na fruição do seu luxo e dos seus prazeres, não percebia o perigo. Acumulou erros sobre erros. Ela foi, muito mais do que uma vítima dos bárbaros, uma vítima de sua própria incúria. O primeiro erro que cometeu consistiu em colocar o trono imperial à disposição das legiões, que o conquistavam à força ou o vendiam em leilão. De uma só feita, chegou a haver dezasseis candidatos à púrpura imperial. Para vencerem os seus concorrentes, os candidatos ao trono imperial estabeleciam alianças com os povos bárbaros, fazendo-os combater lado a lado dos legionários contra os demais candidatos. Assim os bárbaros foram aprendendo a táctica de guerra dos romanos, e infiltrando-se no seu exército. 
Por outro lado, os romanos e italianos, descendentes dos heróicos soldados que haviam construído a grandeza de Roma, já não queriam mais combater. Por isto foi concedida a isenção de recrutamento à Itália, e os exércitos romanos começaram a constituir-se, não mais de cidadãos altivos, patrióticos e livres, mas de escravos, gladiadores e bárbaros. É fácil compreender que esses elementos não tinham interesse em sacrificar-se até a última gota de sangue, para defender a riqueza romana. Por cúmulo de erro, os romanos chegaram a confiar até os próprios cargos de general aos bárbaros. Finalmente, até imperadores havia, em cujas veias corria o sangue bárbaro. Muito antes de os bárbaros terem invadido o Império com as armas nas mãos, eles já tinham realizado uma imensa infiltração, desde o trono imperial até os ínfimos graus da hierarquia militar. De romano o exército só tinha o nome.

As invasões bárbaras 

Em meados do século IV, quando houve outra invasão de povos bárbaros, o imperador Valentiniano cometeu o erro supremo, abrindo-lhes as portas do Império. 
Na Ásia tinha havido uma grande série de guerras. Os chineses chocaram-se com os topas, e os fizeram recuar. O recuo dos topas atirou-os sobre os tártaros orientais. Acuados pelos topas, os tártaros orientais vieram a chocar-se com os hunos, que invadiram a Europa. Os hunos, por sua vez, atacaram pela rectaguarda os povos bárbaros. Estes então, chefiados pelo bispo Úlfilas, pediram ao imperador autorização para penetrar no território do Império. Dada a autorização aos godos, eles atravessaram o Danúbio em número superior a um milhão, e vieram a estabelecer-se na Trácia. Aí começaram a cultivar terras, etc. Não tardou que os godos entrassem em choque com os romanos. Terríveis represálias de parte a parte pioraram a situação. Os inúmeros godos semi-latinizados, do exército romano, simpatizaram com os godos recém-vindos. O perigo era imenso. 
Finalmente travou-se uma batalha em Adrianópolis, em 376, em que o exército romano sofreu uma tremenda derrota. Dois generais, Estilicão e Rufino, ambos bárbaros, ainda tinham elementos para resistir. Rufino era general e tutor de Arcádio, Imperador do Oriente. Estilicão era tutor e general de Honório, imperador do Ocidente. Ambos os imperadores, muito jovens, eram meros "fantoches" nas mãos dos respectivos generais. Rufino e Estilicão eram rivais. Para se vingar de Estilicão, Rufino cruzou os braços e permitiu que os bárbaros invadissem a Itália e atacassem Roma. Em 410, ela caiu pela primeira vez em poder dos bárbaros. O mundo inteiro teve um grito de horror diante deste espectáculo. 
Quando os hunos caminharam contra Roma, Teodósio II, imperador do Oriente, celebrou com eles um tratado e manteve-se inerte. Na tremenda batalha de Chalons, em que os romanos venceram Átila, os vencedores tiveram medo dos vencidos, e por isto não lhes tolheram o caminho de Roma, onde finalmente Átila chegou. Embora tolhido no seu caminho pelo Papa, Átila era o vencedor. Quando ele morreu, o mundo romano estava destroçado. 
Um importantíssimo factor da vitória alcançada pelos bárbaros sobre Roma foi a crueldade para com as províncias conquistadas. Roma taxava o mundo inteiro com impostos, para alimentar o seu luxo. Cobrava impostos por cabeça. Os pais não podiam, muitas vezes, pagar a quantia exigida, por isto vendiam os seus filhos como escravos e entregavam as filhas aos lupanares. Um historiador disse que, quando chegava o momento da cobrança dos impostos, o mundo romano inteiro enchia-se de lágrimas e de prantos. Um dia apareceu um cobrador de impostos honesto. Era o pai do imperador Vespasiano. As cidades da Ásia ergueram-lhe, por isto, um monumento com a inscrição "ao publicano honrado", a tal ponto os publicanos eram ladrões. Nem os deuses escapavam. Muitas vezes, a título de impostos, cobravam-se os próprios deuses, que eram carregados para Roma, e os templos ficavam vazios. Compreende-se, pois, o fraco empenho dos habitantes dessas províncias em defender Roma contra as invasões bárbaras. 
Átila morreu em 453. Enquanto isto, os bárbaros assolavam as províncias do Império e apoderavam-se delas. Os alanos, vândalos e suevos tomaram a Espanha, onde lutavam uns contra os outros. A Lusitânia foi conquistada pelos alanos, e depois arrebatada a estes pelos suevos. Os vândalos invadiram depois o norte da África, então florescente, onde praticaram crueldades até hoje famosas. Mais tarde entraram em Espanha os visigodos. Os bretões estavam em guerra com os anglo-saxões. Os hérulos criaram uma monarquia na Itália. Rômulo Augusto teve uma pensão concedida por Odoacro, rei dos hérulos, e morreu numa prisão. Os francos, os gauleses, os borguinhões, dividiram a França. Por toda parte, cenas de sangue e de crueldade alucinantes ensanguentavam a Europa. Desse dilúvio ia sair o mundo moderno. 

Costumes dos bárbaros 

Quais eram os costumes desses bárbaros? Em geral altos, musculosos, de olhos azuis injectados de sangue, longos cabelos e barba que chegava ao peito, saltando como cobras e pintando-se como animais e feras, davam uma impressão tremenda. Em cima dos capacetes, colocavam ainda cabeças de animais selvagens. Em geral, só se "enfeitavam" para aterrorizar o inimigo. Os arios combatiam com os corpos pintados de preto e vermelho. Os getas e sármatas atiravam flechas embebidas em veneno de cobra. Os catas usavam longas cabeleiras, envolvendo completamente os rostos. E só descobriam o rosto depois de ter morto um inimigo, pois só então se sentiam dignos de mostrar a cara à luz do sol. Os que eram tímidos passavam a vida inteira com a cara coberta pelo cabelo. Muitos bebiam água em crânios humanos, e coleccionavam os crânios dos adversários como os caçadores de hoje coleccionam as cabeças de veado ou peles de tigres. Os moços eram instruídos no roubo. No momento do combate, davam urros tremendos e clamores infernais, atirando-se então sobre os inimigos.
Desprezavam a instrução. Os reis godos, que eram os mais cultos entre os reis selvagens, nem sabiam ler. 
Os hunos, ao passarem pela Gália, incendiaram setenta cidades, degolando os respectivos habitantes. Na batalha de Chalons o sangue corria com tanta profusão, que os feridos saciavam a sede nos riachos ensanguentados. Os hunos, embora cavalheirescos, eram mais cruéis do que os demais bárbaros. Quando morreu Átila, em sinal de pesar os guerreiros hunos apunhalaram as próprias faces, em honra ao defunto. 

A religião dos bárbaros 

A religião dos bárbaros era pura e simplesmente uma série de superstições. Adoravam florestas, pássaros, águas, pedras sagradas, árvores sagradas, fontes sagradas, etc. Prestavam juramento sobre a cabeça de algum boi ou javali, em lugar de o fazerem como nós, sobre um símbolo elevado como a Cruz. 
As punições para quem tivesse cometido profanações contra os lugares sagrados eram tremendas. Quem roubasse um objecto sagrado era conduzido ao mar e abandonado lá na praia, ao fluxo e refluxo. Era castrado, cortavam-lhe as orelhas, era então imolado aos deuses. Os francos tiravam augúrios do espirro, do vôo dos pássaros, do modo de andar dos cavalos, da baba das vacas. Ou então um sacerdote cortava um galho de árvore em pequenos pedaços, colocava-os sobre uma toalha e atirava-os três vezes ao ar, vendo depois os desenhos que se tinham formado, e interpretando segundo eles os acontecimentos. 
Havia mulheres — alrumen — que habitavam grutas afastadas e moradias subterrâneas, onde faziam predições. Também se dava o nome de alrumen a pequenos ídolos de madeira, feitos às vezes com raízes de certas plantas, e que representavam a parte inferior do corpo humano. Eram guardados em caixetas e tratados como crianças. Deitando-os sobre acolchoados macios, eram banhados, alimentados e vestidos com o máximo desvelo. Diz-se que às vezes falavam. 
Havia também mágicos que curavam moléstias com palavras misteriosas, ou com talismãs suspensos ao pescoço. Havia bruxas que se encontravam no alto das montanhas, e que realizavam banquetes com carne humana, em torno de fogueiras acesas. Depois faziam bebidas venenosas, para esterilizar as mulheres, perturbar a inteligência ou debilitar o corpo. Nas festas do deus da guerra, eram regados os altares com sangue animal ou humano. Um texto antigo conta-nos de uma princesa, nora do rei franco Sigmund. O filho do rei Siegfried, marido da princesa, foi queimado depois de morto. A princesa resolveu também morrer. e por isto matou-se e fez-se queimar juntamente com dois escravos e dois falcões. 

As leis bárbaras 

Os povos bárbaros — os francos, por exemplo — já conheciam certos processos selvagens usados na Idade Média, como as torturas para apurar a culpabilidade, o duelo judiciário, etc. Às vezes era o acusado atirado a um recipiente cheio de água, com a mão direita atada ao pé esquerdo; quando sobrenadava, era inocente. Outras vezes era forçado a procurar argolas de ferro entre brasas ardentes. Ou então devia carregar um ferro em brasa, por certo tempo, ou andar sobre ferro em brasa. 
Quando alguém era morto, o seu herdeiro tinha a obrigação de por sua vez vingá-lo. E quem recusasse isto tinha que romper eternamente com todos os seus parentes. Quando aceitava o encargo de fazer a vingança, havia uma verdadeira declaração de guerra à família do outro, do agressor. Quando a vítima era finalmente apanhada, era morta com crueldade e infamada, pendurando-se a sua cabeça no alto de estacas, mutilando-se o seu cadáver ou deixando-o aos corvos e às feras. 
O direito penal era tremendo. Um assassino devia, segundo as leis dos bretões e escoceses, pagar 150 vacas. Um pé valia um marco; uma mão, um marco; um olho, meio marco; para ferimento no rosto, uma imagem de ouro. Mas um rei da Escócia valia 1000 vacas. Por um conde ou filho de rei, 150 vacas; por um filho de conde, 100 vacas; para um "thane", 100 vacas, o seu filho 66, e o seu sobrinho 44 vacas; para um ser, 16 vacas. A mulher casada valia a terça parte do seu marido, ao menos (Henri Robert, Bani Macbeth, 220). 
(...)
Quando se entra em contacto com a Idade Média, duas notas que impressionam muito desfavoravelmente são a crueldade das leis e o vigor das superstições. É isto um facto histórico incontestável para o qual chamo a atenção dos senhores, porque não quero ser, em relação à Idade Média, nem um detractor sistemático nem um apologista incondicional. Muito frequentemente, encontra-se um destes estados de espírito entre os escritores que se ocupam da Idade Média. Mas ambas estas tendências são extremadas e parciais. A verdade é que a Idade Média, ao par de coisas dignas do mais alto louvor, teve graves defeitos. Cumpre-nos estudar uns e outros, verificando no que consistiam, investigando as suas causas e observando as suas consequências. 
A crueldade das leis e a propensão do espírito popular para aceitar as superstições eram muito salientes na Idade Média. Fazendo o estudo das leis penais de então, verificamos que, a princípio, elas eram extremamente rigorosas, e só com o curso do tempo foram-se tornando mais benignas, sendo notável a melhoria verificada neste sentido nos últimos séculos da Idade Média. 
Estudando as disposições cruéis do direito penal medieval, verificamos ser ele uma revivescência das leis penais extremamente desumanas dos bárbaros, sendo que grande número das penas que hoje nos parecem excessivas eram exactamente as mesmas que adoptavam os bárbaros antes de se cristianizarem e de se civilizarem. De onde se chega à consequência de que a crueldade das leis penais na Idade Média era um fruto da influência bárbara, e não da influência cristã. A tal ponto é isto verdade que, à medida que a influência cristã, com o correr dos séculos, foi-se tornando mais profunda na Idade Média, as leis foram-se tornando mais benignas. Era o paganismo que agonizava e o Cristianismo que crescia em influência. 
O mesmo deve-se observar quanto às superstições. As superstições medievais eram, muito frequentemente, velhas crenças anticristãs, datando do paganismo bárbaro. O hábito dos povos medievais, de praticarem durante séculos a fio uma religião supersticiosa em extremo, como era a que eles professavam antes de se cristianizarem, fez com que o Cristianismo tenha encontrado uma dificuldade imensa em desalojar do espírito dos homens da Idade Média a tendência para a superstição, tendência esta peculiar às religiões pagãs, e combatida constantemente pela Igreja. Conhecem-se inúmeras actas de concílios, realizados na Idade Média, em que todas as superstições são energicamente condenadas em nome da Igreja, afirmando-se serem vãos os velhos fantasmas da religião bárbara, os seus amuletos e os seus ritos grotescos, devendo o cristão crer tão somente na religião católica, que é incompatível com tais rebaixamentos do espírito humano. 
Com isto, fica claramente estabelecido que, se bem que a Idade Média realmente mereça censura quanto aos dois pontos de que tratei, esta censura não se deve à influência cristã, mas aos restos de paganismo que, laboriosamente, a Igreja foi extirpando. Eram bem menores do que nos primeiros séculos que se seguiram às invasões dos bárbaros.


Plínio Côrrea de Oliveira

31 comentários:

CENSURADO AGAIN disse...

TA MAS OS BARBAROS SEMPRE RODEARAM ROMA POR QUE DE UMA HORA PRA OUTRA ELES CONSEGUEM VENCER ROMA SE NUNCA TINHAM O FEITO NO AUGE DE ROMA?SIMPLES O CRISTIANISMO

wind disse...

Amanhã temos aqui um feríado:)

FireHead disse...

CENSURADO AGAIN,

Sim, simples, o Cristianismo. Se não fosse o Cristianismo continuariam a ser bárbaros. Sem Cristianismo não haveria uma verdadeira superior civilização. Engole essa.

FireHead disse...

Wind,

Eu sei, é o feriado do Corpo de Deus. Onde é que andam os hipócritas e incoerentes de esquerda para protestarem contra esse feriado católico num país laico que é Portugal, hã?????

Anónimo disse...

O pessoal do BE gosta de receber o subsídio de Natal! :D

Ivan Baptista disse...

Pá, até podiam ser uns selvagens e primitivos, mas enquanto se utilizava o Bronze na dita civilização, os povos celtas já tinham o uso do ferro por exemplo.
De todos os povos bárbaros, eu cá acho que os Hunos foram os mais temíveis de todos, penso eu de que.. Os Hunos tinham um império do extremo oriente ao extremo ocidente :|

Anónimo disse...

errado ! Roma se enfraqueceu e caiu por conta da miscigenacao . durante a decadencia romana ,roma era composta por uma elite ,e consequetemente ,uma populacao descendente de escravos libertos e de soldados de exercitos estrangeiros.


Queda de roma e a miscigenaçao:

"I wonder what the world be if Rome just maintained it's Racial purity and no civil war happened after Augustus
Rome depended too heavily on slaves for all menial and hard work. Indeed it was said that economically Rome was a system that produced wine and exchanged it for slaves at its ever enlarging frontiers. It failed once these frontiers stopped growing. When you have a 50-50 rate of slaves to citizens miscegenation is absolutely inevitable

we will quote from the foremost historian on the economic history of Rome before his death in 1939,Professor T. Frank. His monumental five-volume work on Roman Economics and Social Life is the recognized authority on the subject. He, probably more than any other person, has studied at length the native Roman records, epigraphical information and archaeological finds relative to his subject.
The Cambridge Ancient History consistently refers to his works.
Now, let us notice what Professor Frank says about the race question in the American Historical Review, vol. 21, July 1916, p. 689. The information he records is illuminating:

"There is one surprise that the historian usually experiences upon his first visit to Rome. It may be the Galleria Lapidaria of the Vatican or at the Lateran Museum, but, if not elsewhere, it can hardly escape him upon his first walk up the Appian Way. As he stops to decipher the names upon the old tombs that line the road, hoping to chance upon one familiar to him from his Cicero or Livy, he finds prenomen and nomen promising enough, but the cognomina all seem awry. L. Lucretius Pamphilus, A. Aemilius Alexa, M. Clodius Philostosgas do not smack of freshman Latin. And he will not readily find in the Roman writers now extant an answer to the questions that these inscriptions invariably raise. Do these names imply that the Roman stock was completely changed after Cicero's day, and was the satirist (Juvenal) recording a fact when he wailed that the Tiber had captured the waters of the Syrian Orontes?
If so, are these foreigners ordinary immigrants, or did Rome become a nation of ex-slaves and their offspring?


Unfortunately, most of the sociological and political data of the empire are provided by satirists.
When Tacitus informs us that in Nero's day a great many of Rome's senators and knights were descendants of slaves and that the native stock had dwindled to surprisingly small proportions, we are not sure whether we are not to take it as an exaggerated thrust by an indignant Roman of the old stock. . . . .


What Professor Frank did, besides referring to literary sources, was to study the epigraphical information on the various tombs and monuments in Rome and throughout Italy. He studied over 13,900 different names and found that about three quarters bore names of foreign derivation. The vast majority had Greek( In this epoch Greeks were already not white https://m.youtube.com/watch?v=0T7_pSJWw6o)
cognomina not Latin at all."

direita disse...

https://m.youtube.com/watch?v=MuOE3IJZoZU

jogo do "privilégio branco"

FireHead disse...

Anónimo das 20:27,

O pessoal do BE até ajuda a Igreja Católica, como aconteceu naquela campanha pela adopção por parte de pares de invertidos...

FireHead disse...

Ivan Baptista,

E os celtas fizeram-se valer da sua inteligência para se converterem ao Cristianismo. Muitos outros que eram burros tiveram que aprender a converter-se.

FireHead disse...

Anónimo das 02:46 (Direita detectado),

Sim, a culpa é toda da miscegeneção. Como se os romanos fossem puros. Aliás, continua a acreditar que existem pessoas que são de facto puras e quando digo puras refiro-me à pureza à 100% porque pureza a 99% não existe.

FireHead disse...

Direita,

«Kate Mayer 7 hours ago

privilegio branco : como o de pagar altos impostos para ver os mesmos serem usados pelo governo em beneficio das familias ( negras ,em sua maioria )daqueles que tiraram as vidas de nossos filhos ? como o de obrigado a sustentar(auxilio bandido ) na cadeia quem diariamente nos rouba ? como de ser obrigado a bancar do proprio bolso plano de saude , escola particular , etc enquanto favelados ( em sua maioria negros ) ,que nao pagam nem energia que consomem , tem tudo de mao beijada do estado ? como o de ver suas sociedades ,construidas a partir do nada , serem invadidas e destruidas por parasitas ,que se nao fossem pelo homem branco ,ainda viveriam em ocas forradas com bosta de gado ?
não temos culpa se temos uma genetica (essa sim !) privilegiada . nao vejo porque o branco tenha de se sentir culpado de ter uma capacidade cognitiva e pisicologica superior que lhe fez capaz de construir as nacoes e civilizacoes mais prosperas e INVEJAVEIS de toda historia humana .»

XDDDDD

CENSURADO AGAIN disse...

Pá, até podiam ser uns selvagens e primitivos, mas enquanto se utilizava o Bronze na dita civilização, os povos celtas já tinham o uso do ferro por exemplo.
De todos os povos bárbaros, eu cá acho que os Hunos foram os mais temíveis de todos, penso eu de que.. Os Hunos tinham um império do extremo oriente ao extremo ocidente

MENTIRA OS HUNOS VIERAM FUGIDOS DE XIONGNV PROTO MONGOL

CENSURADO AGAIN disse...

26 de maio de 2016 às 02:46

ISSO EXPLICA PARTE POIS VEJA OS ROMANOS JA SE MISTURAVAM ANTES DO CRISTIANISMO E POR QUE SÓ DECAIRAM DEPOIS?

CENSURADO AGAIN disse...

jogo do "privilégio branco"

26 de maio de 2016 às 03:42

É TIPO ASSIM ESCOLHA ENTRE SER ENRIQUECIDO OU TER A FILHA VIOLADA ACERTEI?

CENSURADO AGAIN disse...

Sim, a culpa é toda da miscegeneção. Como se os romanos fossem puros. Aliás, continua a acreditar que existem pessoas que são de facto puras e quando digo puras refiro-me à pureza à 100% porque pureza a 99% não existe.

NISSO VC ERRA SE VC OLHAR A TABELA DE QI NOTA QUE HA MAIS PUROS E MENOS PUROS E QUANTO MENOS PUROS MENOS QI E QUANTO MENOS QI MENOS CIVILIZADO O POVO

FireHead disse...

«MENTIRA OS HUNOS VIERAM FUGIDOS DE XIONGNV PROTO MONGOL»

https://pt.wikipedia.org/wiki/Hunos

"Recentes pesquisas genéticas mostram que a maioria das grandes confederações de guerreiros não era inteiramente da mesma etnia, mas provavelmente uma mistura entre clãs euro-asiáticos. Outro exemplo são as múmias de Tarim descobertas em Taklamakan, na Ásia Central, que datam de 1 800 a.C. a 200 d.C. A característica mais notável dessas múmias é o seu tipo físico caucasóide. Entretanto, mais testes genéticos mostraram uma complexidade nessa teoria. Segundo ela, aparecem características europeias e do leste asiático.

Além disso, muitos clãs podem simplesmente ter se autodenominado hunos em razão do prestígio e da fama do nome, ou terem sido assim chamados pelos outros povos por causa de características comuns, lugar de origem, ou reputação. Igualmente, crônicas gregas e latinas podem ter usado "hunos" num senso mais geral, para descrever características étnicas ou sociais ou reputação. "Tudo que podemos seguramente dizer", disse Walter Pohl, "é que o nome ’hunos’, na antiguidade clássica, designava prestigiosos grupos de guerreiros das estepes". Antigas visões apareceram no contexto de um ensino nacionalista e etnocêntrico de gerações passadas, que comumente presumiam que homogeneidade étnica devia interligar povos social e culturalmente homogêneos. Pesquisas modernas mostram que cada uma das grandes confederações de guerreiros das estepes (tais como citas, xiongnu, hunos, ávaros, casares, cumanos, mongóis, etc.) não eram homogeneamente iguais, mas uniões de múltiplas etnias como as de turcos, ienisseianos, tungúsicos, úgricos, irânicos, mongólicos e muitos outros povos.

Evidências de pesquisas genéticas e etnogênicas contrastam com teorias tradicionais baseadas em relatos chineses, arqueologia, linguística e outras evidências indiretas. Essas teorias contêm diversos elementos, como que o nome "huno" primeiramente descrito como um grupo nômade de guerreiros cujas origens étnicas eram a Ásia Central, mais próximo de onde hoje é a Mongólia, e que eles eram possivelmente ligados, em parte, aos Xiongnu (匈奴), derrotados pelo Império Han chinês, e que isso provocou a saída deles da Mongólia em direção ao oeste, invadindo a Europa 200 anos depois. Evidências indiretas incluem a transmissão de suporte em madeira para arco composto da Ásia central para o oeste."

FireHead disse...

«ISSO EXPLICA PARTE POIS VEJA OS ROMANOS JA SE MISTURAVAM ANTES DO CRISTIANISMO E POR QUE SÓ DECAIRAM DEPOIS?»

https://pt.wikipedia.org/wiki/Queda_do_Imp%C3%A9rio_Romano_do_Ocidente

"Outra vertente que contribuiu para a sua queda foi a diversificação cultural que Roma se tornou após o contato com as colônias e com a naturalização dos bárbaros, fato que possibilitou à população insatisfeita duvidar da influência dos deuses nas decisões políticas, explicação que legitimava o poder do imperador.

O exército descobriu sua importância no sistema romano e passou a exigir status e melhores remunerações, exigências que o Império não tinha condições de corresponder. Razões tais nos levam a concluir que a queda do império foi ocasionada por fatores internos do próprio Império.

(...)

A tentativa de responsabilizar o cristianismo pelos fortes problemas vividos em Roma durante os séculos II e III fica bastante enfraquecida quando se percebe que mesmo no início do século IV apenas cinco a sete por cento dos romanos tinham se tornado cristãos; quase todos eles na parte Oriental do império, exatamente o lado que permanecera mais forte e estruturado durante a crise.

Além disso, mesmo na época da queda definitiva de Roma, o lado oriental continuava sendo o mais cristianizado. E foi esse lado mais cristão que sobreviveu na forma posteriormente conhecida como Império Bizantino.

Se a Igreja tivera reticências ao serviço militar nos tempos da perseguição, a partir do momento que o império se tornou cristão considerava um crime grave alguém furtar-se ao seu dever. A pena por deserção no exército era ser queimado a fogo lento. A Igreja tornou-se fervorosamente patriótica e romana a ponto de desgostar um neo-pagão como o imperador Juliano, o Apóstata que achava que os cristãos só deviam poder ensinar coisas relacionadas com o cristianismo e não cultura clássica. De alguma maneira, aumentou a consistência do império."

Culpa do Cristianismo, culpa do Cristianismo, culpa do Cristianismo, kkkkkk.

«É TIPO ASSIM ESCOLHA ENTRE SER ENRIQUECIDO OU TER A FILHA VIOLADA ACERTEI?»

Mas tu não és branco porque tens sangue judeu e de acordo com o "one drop rule" tu és judeu a 100%. XD

FireHead disse...

«NISSO VC ERRA SE VC OLHAR A TABELA DE QI NOTA QUE HA MAIS PUROS E MENOS PUROS E QUANTO MENOS PUROS MENOS QI E QUANTO MENOS QI MENOS CIVILIZADO O POVO»

Eu não nego que existem pessoas que são mais puras e outras que são menos puras, o que não é o mesmo que dizer que existem pessoas que sejam 100% puras porque isso é um mito. E eu não estava para aqui a falar do QI, mas já sei que para ti isso tudo encontra-se associado ao DNA e para tu explicares que um preto tem um QI elevado, como o caso do outro puto lá de Inglaterra, vens logo com a converseta de que ele só pode ter DNA branco, por muito que a fronha dele te contrarie à força toda.

CENSURADO AGAIN disse...

privilegio branco : como o de pagar altos impostos para ver os mesmos serem usados pelo governo em beneficio das familias ( negras ,em sua maioria )daqueles que tiraram as vidas de nossos filhos ? como o de obrigado a sustentar(auxilio bandido ) na cadeia quem diariamente nos rouba ? como de ser obrigado a bancar do proprio bolso plano de saude , escola particular , etc enquanto favelados ( em sua maioria negros ) ,que nao pagam nem energia que consomem , tem tudo de mao beijada do estado ? como o de ver suas sociedades ,construidas a partir do nada , serem invadidas e destruidas por parasitas ,que se nao fossem pelo homem branco ,ainda viveriam em ocas forradas com bosta de gado ?
não temos culpa se temos uma genetica (essa sim !) privilegiada . nao vejo porque o branco tenha de se sentir culpado de ter uma capacidade cognitiva e pisicologica superior que lhe fez capaz de construir as nacoes e civilizacoes mais prosperas e INVEJAVEIS de toda historia humana .»

PORRA DISSE TUDO KALERGI PAGO POR SI PRA SE GENOCIDAR ISSO É PRIVILEGIO ONDE?A UNICA RAÇA OU DAS POUCAS QUE FOI DEMONIZADA E PAGOU POR SER MELHOR E MAIS EVOLUIDA APESAR QUE NA HIERARQUIA DO PC MESMO AS RAÇAS DO MEIO TENDEM A SER DESTRUIDAS QUANDO INTERESSA A NEGROS E JUDEUS SE SUBSIDIAREM AS CUSTAS DELAS VIDE OS ZIMMERMANS

CENSURADO AGAIN disse...

Mas tu não és branco porque tens sangue judeu e de acordo com o "one drop rule" tu és judeu a 100%. XD

26 de maio de 2016 às 16:39

BABOSEIRA SE EU TIVER UMA GOTA NATIVA TAMBEM SOU 100% NATIVO E DAI?VOU TROCAR POCAHONTAS POR UM DEGREGADO POR QUE?

CENSURADO AGAIN disse...

Eu não nego que existem pessoas que são mais puras e outras que são menos puras, o que não é o mesmo que dizer que existem pessoas que sejam 100% puras porque isso é um mito. E eu não estava para aqui a falar do QI, mas já sei que para ti isso tudo encontra-se associado ao DNA e para tu explicares que um preto tem um QI elevado, como o caso do outro puto lá de Inglaterra, vens logo com a converseta de que ele só pode ter DNA branco, por muito que a fronha dele te contrarie à força toda.

26 de maio de 2016 às 16:46

FODA-SE ACHA MESMO QUE MUITAS RAÇAS INFERIORES QUE PARASITAM O MEIO CRIADO POR UMA RAÇA SUPERIOR A SUA TIPO O CASO BARIS NA ZONA WASP SERIAM NEM FRAÇÃO DO QUE FORAM SEM PARASITAR UM MEIO QUE NÃO PODERIAM GERAR?

FireHead disse...

«PORRA DISSE TUDO KALERGI PAGO POR SI PRA SE GENOCIDAR ISSO É PRIVILEGIO ONDE?A UNICA RAÇA OU DAS POUCAS QUE FOI DEMONIZADA E PAGOU POR SER MELHOR E MAIS EVOLUIDA APESAR QUE NA HIERARQUIA DO PC MESMO AS RAÇAS DO MEIO TENDEM A SER DESTRUIDAS QUANDO INTERESSA A NEGROS E JUDEUS SE SUBSIDIAREM AS CUSTAS DELAS VIDE OS ZIMMERMANS»

Hahaha, é a "melhor raça", mas mesmo a melhor que até esta própria raça a quer lixar. Tal como os impérios, também a "melhor raça" vai cair às mãos dos traidores da "melhor raça".

«BABOSEIRA SE EU TIVER UMA GOTA NATIVA TAMBEM SOU 100% NATIVO E DAI?VOU TROCAR POCAHONTAS POR UM DEGREGADO POR QUE?»

Cala-te, não contraries a magna inteligência dos racialistas brancos. Se tens uma gota de sangue judeu (na verdade até tens mais do que um simples gotinha, né???) então é porque tu és judeu e se tu és judeu então é porque tu não és branco! Esquece a Scarlett Johansson, o Ben Stiller ou o Mark Zuckerberg! Tu não és branco porque és judeu!

«FODA-SE ACHA MESMO QUE MUITAS RAÇAS INFERIORES QUE PARASITAM O MEIO CRIADO POR UMA RAÇA SUPERIOR A SUA TIPO O CASO BARIS NA ZONA WASP SERIAM NEM FRAÇÃO DO QUE FORAM SEM PARASITAR UM MEIO QUE NÃO PODERIAM GERAR?»

Não percebi nada do que escreveste aí, para não variar. Mas é normal: tens os neurónios todos queimadinhos, logo escreves assim.

CENSURADO AGAIN disse...

E NÃO FOI EM ZONA DE DIALECTO MERDIBA E SIM EM DIALECTO TUGA

CENSURADO AGAIN disse...

E OLHA QUE OS MOUROS NAS PIADAS DO MERDIL E DA MAITE PROENÇA TEM FAMA DE SEREM TAPADOS E VCS ASIATICOS O INVERSO MAS SINAE NÃO É CATAI

CENSURADO AGAIN disse...

ALIAS A MAITE É A TIPICA PORTUGUESA NASCIDA FORA E LOIRA E GALAICA OU GALINACEA COMO DIZ O CELSO DA ALDEIA OU SEJA LA O QUE FOR POIS ELA CONSEGUE FAZER PIADA COM OS PROPRIOS PORTUGUESES E O NUMERO DAS CASAS INVERTIDOS MAS ELA NÃO É UMA DELES?OU ERA POIS OS TUGAS A ACHAM BRASILEIRA POR QUE ELA É ANTI TUGA PRA NÃO VARIAR AFINAL GRAMSCI FEZ ESCOLA CA CONTRA A MOURARIA POR ISSO MESMO QUE O SUL SE ACHA TÃO SUIÇA POIS ACHAM QUE TER UM SOBRENOME ITALIANO MESMO JA DECAIDO E MOURARIA DE BARI É SER SUPERIOR AOS IBERICOS DIRÁ AOS BRASILEIROS

CENSURADO AGAIN disse...

MELHOR SÃO OS VIZINHOS TENTANDO PEGAR CARONA NO NORTE DA ZONA ALOGENA MAIS DECAIDO AINDA POS CAFEZIDEO

CENSURADO AGAIN disse...

COMO VC BEM DISSE É TIPO UMA DEMENCIA NO OUTRO TOPICO QUE O DIREITA É SÓ UM DELES MAS EXISTEM MUITOS COMO O DIREITA E ATE DE FENOTIPO QUE VC NEM ACREDITA COMO PODEM SE ACHAR SUIÇOS UMAS FUÇAS DE GUARANIS COM SOBRENOME DE GRINGO KK FAIL ATE SOCIALMENTE ISSO SE REFLECTE NO SALARIO SEGUNDO PESQUISA

CENSURADO AGAIN disse...

AH TA MAS DEPOIS OS CABEÇAS DE JACA SÃO SÓ OS MENOS SUBTROPICAIS PRA VC VER

CENSURADO AGAIN disse...

E É TÃO ARRAIGADO NAS ULTIMAS DECADAS QUE ATE NIGGERS NO YT CHEGAM AO CUMULO DE TENTAR PEGAR CARONA NO SANGUE NOVO TIPO AQUELA ENCARDIDA NO MOVIMENTO DA ZONA ALOGENA ELA SE VE SUIÇA E DISSE QUE OS DA ZONA X CHAMARAM ELA DE AZEDA KK FAIL

FireHead disse...

«E NÃO FOI EM ZONA DE DIALECTO MERDIBA E SIM EM DIALECTO TUGA»

Dialecto tuga? Deixa-me cá ver... o mirandês?? Ou o barranquenho?

«E OLHA QUE OS MOUROS NAS PIADAS DO MERDIL E DA MAITE PROENÇA TEM FAMA DE SEREM TAPADOS E VCS ASIATICOS O INVERSO MAS SINAE NÃO É CATAI»

Vocês asiáticos, vocês os americanos, vocês os africanos... Sinae não é Catai, Dubai não é ai ai...

«ALIAS A MAITE É A TIPICA PORTUGUESA NASCIDA FORA E LOIRA E GALAICA OU GALINACEA COMO DIZ O CELSO DA ALDEIA OU SEJA LA O QUE FOR POIS ELA CONSEGUE FAZER PIADA COM OS PROPRIOS PORTUGUESES E O NUMERO DAS CASAS INVERTIDOS MAS ELA NÃO É UMA DELES?OU ERA POIS OS TUGAS A ACHAM BRASILEIRA POR QUE ELA É ANTI TUGA PRA NÃO VARIAR AFINAL GRAMSCI FEZ ESCOLA CA CONTRA A MOURARIA POR ISSO MESMO QUE O SUL SE ACHA TÃO SUIÇA POIS ACHAM QUE TER UM SOBRENOME ITALIANO MESMO JA DECAIDO E MOURARIA DE BARI É SER SUPERIOR AOS IBERICOS DIRÁ AOS BRASILEIROS»

A Maitê Proença não é portuguesa. É brasileira.

«MELHOR SÃO OS VIZINHOS TENTANDO PEGAR CARONA NO NORTE DA ZONA ALOGENA MAIS DECAIDO AINDA POS CAFEZIDEO»

Zona alógena?? Onde há invasores, como os brancos, né???

«COMO VC BEM DISSE É TIPO UMA DEMENCIA NO OUTRO TOPICO QUE O DIREITA É SÓ UM DELES MAS EXISTEM MUITOS COMO O DIREITA E ATE DE FENOTIPO QUE VC NEM ACREDITA COMO PODEM SE ACHAR SUIÇOS UMAS FUÇAS DE GUARANIS COM SOBRENOME DE GRINGO KK FAIL ATE SOCIALMENTE ISSO SE REFLECTE NO SALARIO SEGUNDO PESQUISA»

Tu e o Direita são todos da mesma espécie de bestas, lol. Ele acredita que é um dos poucos brancos puros à face da Terra e tu fazes de tudo para negar que és de origem judaica. Occam e Bacon respondem, pá!! XD

«AH TA MAS DEPOIS OS CABEÇAS DE JACA SÃO SÓ OS MENOS SUBTROPICAIS PRA VC VER»

A propósito, o Direita chegou a fazer uma análise da tua fronha e concluiu que tu não és branco, LOLOLOL!! Gol da Alemanha, não é assim o nome do blogue dele?

«E É TÃO ARRAIGADO NAS ULTIMAS DECADAS QUE ATE NIGGERS NO YT CHEGAM AO CUMULO DE TENTAR PEGAR CARONA NO SANGUE NOVO TIPO AQUELA ENCARDIDA NO MOVIMENTO DA ZONA ALOGENA ELA SE VE SUIÇA E DISSE QUE OS DA ZONA X CHAMARAM ELA DE AZEDA KK FAIL»

Pegar carona no sangue novo? Tu muito gostas de falar em sentido figurativo.