terça-feira, 24 de maio de 2016

«Fátima ensinou-me a amar»

A fadista Mariza era uma de muitas pessoas que, por serem ignorantes ou devido à má fé, acham que Fátima é um "negócio" e que o santuário "era uma realidade comercial". Hoje, porém, confessa que essa ideia "desapareceu completamente" após o nascimento do seu filho, dizendo que houve mesmo uma "conversão" da sua parte, como fez questão de escrever num texto publicado na recente edição da Fátima XXI, a revista cultural do santuário. "Com o nascimento prematuro do meu filho, deparo-me com uma situação muito grave: o Martim tinha um problema pulmonar; se não evoluísse favoravelmente no prazo de duas semanas, diziam-me, teria de se desligar a máquina que o ajudava a respirar! Nesse momento, não sei por que razão, telefonei à minha mãe e disse-lhe: 'vamos para Fátima'", pode ler-se no texto. Uma semana depois de ter ido a Fátima, e "contra todos os prognósticos", o Martim melhorou, indo mais tarde para casa, embora tivesse de recorrer a uma botija de oxigénio até completar doze meses. "Quando fez um ano, o Martim ficou completamente livre de perigo. Eu peguei no meu filho e, logo no dia a seguir, fomos a Fátima... ele é tão meu filho como o é de Nossa Senhora de Fátima. É de nós as duas. Agora, o santuário tem para mim um valor muito, muito, muito especial. Passei a olhá-lo de uma forma completamente diferente", sublinha. "Naquele episódio que aconteceu por causa do meu filho, no Santuário de Fátima, senti que estava a falar com uma mãe, e de mãe para mãe. Eu dizia: 'tu, que és mãe, percebes o que me está a acontecer'. Com tudo isto, descobri que não sabia amar! Tinha tudo como garantido: eu não sabia amar! Mas, depois, descobri a importância do amor; eu podia querer muito e podia ter todo o dinheiro do mundo, podia ter todos os médicos do mundo, mas não estava na minha mão! Acho que nunca na vida quis tanto uma pessoa como quis o meu filho! E Nossa Senhora de Fátima atendeu-me. Fátima ensinou-me a amar".

8 comentários:

Anónimo disse...

Tantos peregrinos que têm morrido a caminho de Fátima...

FireHead disse...

Pois, muitos também se põem a jeito. Não sabem que todo o cuidado é pouco.

CENSURADO AGAIN disse...

FATMA NÃO É UM NOME MOURISCO?

FireHead disse...

Fátima é um nome de origem persa e árabe. E o problema é...?

Dylan disse...

Achar que Fátima é um "negócio" e que o santuário é "uma realidade comercial" é uma opinião, não concordo que seja ignorância ou má fé.
O próprio padre Mário da Lixa tem uma opinião parecida.

FireHead disse...

É uma opinião mas ninguém está livre de ser criticado. Se não fosse esse "negócio" ou "realidade comercial", o que é que seria de Fátima? Pensa também no país, quanto é que Portugal não lucra com esse "negócio" que é o "turismo religioso"? Pensam nas famílias que vivem à pala desse "negócio". Pensa nos hotéis, na restauração...

Quanto ao Mário da Lixa, não é padre, já foi, é um proscrito. E a opinião dele vale tanto como a opinião, seja ela contrária ou favorável, de qualquer outra pessoa, até mesmo de um aldeão ignorante. Os argumentos dele são ridículos: faz basicamente uma cópia do Genésio Boff e nem sequer usa as falácias "científicas" que nunca conseguiram desqualificar as aparições.

Já agora, a Igreja não nos obriga à adesão a revelações particulares como a de Fátima.

Anónimo disse...

E não é um negócio de milhões? Onde está a mão humilde de N.Sra aqui?

E ela converteu-se.... mas caso o filho não ficasse bem será q se convertia? lol....

FireHead disse...

Não fosse esse negócio e Fátima seria o que hoje é?? E depois, qual é o problema, Deus é contra o negócio de milhões? Vais-me agora dizer que o futebol também é amaldiçoado ou algo assim do género?

Pois não sei. Se o filho dele tivesse batido as botas possivelmente ela diria que Deus não existe e estas coisas todas. Não há gente que passa a vida a dizer que Deus não existe porque se Deus existisse não existiriam guerras, fome, miséria, enfim, o mundo seria um verdadeiro paraíso na Terra? Há pessoas que precisam sempre de motivos para se converterem ou reconverterem.