terça-feira, 31 de maio de 2016

China: milhões de crianças rurais crescem longe dos pais

A mega-rápida urbanização em curso, como nunca antes visto na história do mundo, está a separar milhões de famílias. As difíceis condições no campo obrigam as pessoas a irem para a cidade. Para trás ficam os filhos. Muitos não aguentam a pressão e suicidam-se. Os casos são mais frequentes do que se pensa.


Yang Jie, trabalhadora migrada em Pequim, admite sentir “muitas saudades dos filhos”, que vivem com os avós numa aldeia da província de Henan, mas sabe que a vida na China é feita de escolhas difíceis. 
“Claro que tenho saudades, mas tem que ser assim. Na aldeia, não há como ganhar dinheiro”, diz à agência Lusa Yang, em tom de palavra de ordem. 
Mãe de três filhos, esta chinesa de 40 anos ganha a vida a fazer ‘Jianbing’, um tradicional crepe chinês preparado em pequenas bancas, normalmente montadas junto às estações do metropolitano de Pequim. 
O seu caso personifica um fenómeno de consequências sociais imprevisíveis e que “coloca grandes desafios à gestão social” do país mais populoso do mundo. 
Segundo dados recentes citados pela imprensa estatal, a China tem quase 100 milhões de “crianças deixadas para trás”, filhos do vasto exército de trabalhadores migrados nas cidades. 
As últimas décadas foram de transição de uma sociedade maioritariamente agrária para uma urbano-industrial a um ritmo ímpar na história da humanidade. 

Milhões de separações

A referida estimativa, feita por Song Yinghui, professor da Beijing Normal University, aponta para um terço do total da população chinesa menor de idade que cresce sem acompanhamento dos pais. 
O académico detalha que 60 milhões permanecem nas suas casas, normalmente no campo, devido ao alto custo de vida nos centros urbanos ou a restrições na autorização de residência, que limita o acesso a vários serviços básicos, como a educação e saúde pública. 
Já 36 milhões, apesar de terem partido com os pais para as cidades, vivem separados destes, segundo Song. 
No caso de Yang Jie, apenas o filho mais velho, de 16 anos, foi com ela e o marido para Pequim, “onde frequenta um curso profissional e em breve começará a trabalhar”. 
Os outros dois, um menino e uma menina, de 13 e cinco anos, ficaram em Henan, a cerca de 700 quilómetros da capital. 
Quando o casal reencontra os filhos - apenas uma vez por ano, “durante as férias de Verão” - os miúdos estranham, mas “apenas por pouco tempo”, antes dos afectos virem ao de cima. 
“O elo entre pais e filhos é resistente”, diz Yang.

Pequim estuda

Ainda assim, as autoridades chinesas têm dado crescente atenção a este grupo de crianças, que dizem apresentar riscos mais elevados de serem vítimas de abusos físicos ou sexuais e maior incidência de delinquência juvenil e desempenho escolar inferior. 
Em Março passado, Pequim anunciou que vai fazer um levantamento para saber o número exacto de “crianças deixadas para trás”. 
O Conselho de Estado chinês ordenou ainda os governos locais a construir um banco de dados com um ficheiro por cada menor de idade nesta categoria, que deve ser regularmente actualizado. 

Tragédias frequentes

A ocorrência de tragédias envolvendo estas crianças é frequentemente notícia na imprensa chinesa. 
Em Janeiro de 2014, um menino de nove anos, natural de Anhui, província do sudeste da China, enforcou-se quando soube que a mãe não voltaria a casa durante a passagem do Ano Novo Chinês. 
No ano passado, quatro irmãos chineses, com idades entre os cinco e os 14 anos, abandonados pelos pais durante meses, morreram depois de terem ingerido pesticida em Bijie, na remota província de Guizhou. 
O incidente levou o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, a pedir “o fim destas tragédias” e a prometer castigar responsáveis incapazes de ajudar famílias com problemas semelhantes. 
Para Li Ying, conhecida activista que fundou uma organização não-governamental destinada a ajudar estas crianças, o apoio do Governo é importante, mas o mais crucial é encorajar os pais a voltar a casa. 
“Depois de muitos anos a prestar apoio, penso mesmo que nada consegue substituir os pais”, afirmou Li ao South China Morning Post. 
“As autoridades deviam focar-se em criar condições para que os pais regressem a casa, gerando postos de trabalho e melhorando o sistema de segurança social”, acrescentou. 
Até lá, qualquer argumento parecerá inválido face ao sentido prático de Yang Jie. 
“Nós somos diferentes de vocês [residentes urbanos]. Vocês vivem bem, mas nós temos de lutar para sobreviver. Onde é que há tempo para pensar no bem-estar psicológico das crianças?”, questiona.


Lusa via Hoje Macau
30 de Maio de 2016

Tubófilo

Algures na China, um homem foi captado a ter "relações sexuais" com um tubo de drenagem. O momento, filmado por uma câmara de vigilância (CCTV), tornou-se viral, como não podia de ser, na Internet. No vídeo pode-se ver o homem a abordar o tubo, posicionado na parede exterior de um apartamento, e a introduzir o Bernardo no seu interior.
Este chinês já deve estar a preparar-se para o futuro agravamento da falta de mulheres no seu país...

O homem das bandeiras


O indiano Har Parkash Rishi, de 74 anos, tem 366 bandeiras tatuadas no corpo. Obstinado por recordes, este homem de Nova Deli entrou pela primeira vez no Guinness em 1990 quando, juntamente com dois amigos, conduziu uma scooter durante 1001 horas. Entre outras coisas, Har Parkash Rishi, que por acaso até já tem um outro nome, Guinness Rishi, também já chegou a entregar uma pizza a partir da capital indiana a São Francisco, nos EUA, e engolir o ketchup de uma garrafa em menos de quatro minutos...

Deputada extremoesquerdista alemã foi atacada com uma tarte de chocolate...



É só aparecer alguém que consegue ter alguma lucidez, mesmo no meio de extremoesquerdistas, para se tornar logo num alvo a abater. Não é por acaso que o partido da Sarah Wagenknecht, Die Linke, se distanciou dela. Talvez seja um sinalzito de esperança...

Morreu português que combatia o EI


Informa o Correio da Manhã que morreu um dos poucos portugueses que combatem o Estado Islâmico na Síria: Mário Nunes, um jovem de 22 anos que foi militar da Força Aérea e que juntou-se às forças curdas, foi executado pelos jihadistas algures junto à fronteira do país de Bashar al-Assad. O seu pai, um militar da GNR, está agora a ver se consegue localizar o cadáver para o trazer para Portugal.
Que este herói português descanse em paz.

Portugal dá 3 à Noruega


A selecção de Portugal ganhou no dia 29, no Estádio da Dragão, à Noruega por 3-0. Foi um bom teste para os pupilos de Fernando Santos que ainda não tem o grupo reunido. Quaresma foi o melhor em campo, ele que abriu o marcador aos 13', Raphael Guerreiro converteu superiormente um livre directo aos 65' e o já muito contestado Éder fechou a contagem aos 71'. Em declarações à RTP, o seleccionador nacional disse que "sim, nós fomos eficazes. Entrámos bem no jogo e tivemos bons 20 minutos, tendo apenas faltado um pouco de objectividade, porque controlámos as segundas bolas e o adversário não conseguiu jogar. Apenas faltou um pouco de profundidade, mas os jogadores realizaram uma longa temporada. A partir dos 25 minutos baixámos muito as linhas e perdemos posse de bola, algo que temos de rectificar. Agora, não é por ganhar por 3-0 que pensamos que está tudo bem. Na segunda parte melhorámos e tivemos mais velocidade na frente".

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Garage-punk de Portugal


A banda portuguesa The Dirty Coal Train é uma banda de garage, post-punk e blues e já existe desde 2010. Fundada pelo viseense Ricardo Ramos, a banda já chegou a contar com cinco membros e lançou sete álbuns, mas agora parece que já só conta com dois elementos: o próprio Ricardo Ramos e a luso-francesa Beatriz. O actual baterista é capaz de ser contratado.

Benfica perde com o fcp no básquete e no hóquei


Antes que me acuseis de só falar de futebol e do Glorioso nas modalidades quando este ganha, é com um profundo pesar que aqui escrevo o seguinte: o Benfica perdeu o campeonato de básquete para o "Basquetebol Clube do Porto" no sábado passado, depois de perder o terceiro jogo na melhor de cinco no Pavilhão Dragão Daixa, e perdeu também no hóquei em patins com o "Hóquei Clube do Porto", também na cidade invicta, para a 24.ª jornada. 
No básquete, o Benfica, 26 vezes campeão nacional, foi rei e senhor da modalidade enquanto o "Basquetebol Clube do Porto" desapareceu e voltou a aparecer nos escalões inferiores, o problema esta época é que a direcção achou por bem investir pouco no plantel porque deve ter pensado que seria mais do mesmo, o que levou este "Basquetebol Clube do Porto" a surpreender-nos a todos com um regresso triunfante. Mesmo depois de ter perdido com o Benfica para o campeonato no passado dia 17 de Outubro, o fcp conseguiu conquistar, de forma algo merecida, o seu 12.º título de campeão nacional.
Quanto ao hóquei em patins, a goleada por 2-6 sofrida com o fcp foi apenas um mero percalço irrelevante, pois o Benfica já tinha garantido o bicampeonato, já conquistou a Liga Europeia que é a competição mais importante da época e está agora à procura de conquistar também a Taça de Portugal. A final four da Taça de Portugal realiza-se em Ponte de Lima nos próximos dias 18 e 19 de Junho e o Benfica poderá ter a oportunidade de se vingar desta goleada se calhar jogar novamente com o fcp. As restantes equipas na prova são o Óquei de Barcelos, o vencedor da Taça CERS, e o Sporting.
Mas como nem tudo é mau, entretanto o Sport Macau e Benfica, já tricampeão macaense, está apenas a uma vitória de fazer história no futebol local (o pleno de vitórias) depois de ter vencido ontem o Chao Pak Kei por 2-0, golos de Niki Torrão e Leonel Fernandes, na penúltima jornada da Liga de Elite. Na derradeira jornada o Benfica de Macau vai defrontar o Sporting, a única equipa a conseguir marcar um golo ao Benfica este ano, ainda por cima de penálti.


Que a secção de basquetebol do Benfica reflicta bem em relação ao que aconteceu esta época, que a equipa de hóquei em patins ganhe também a Taça de Portugal para culminar uma época em cheio e que o Sport Macau e Benfica conquiste igualmente a Taça de Macau e a Bolinha, além de fazer uma boa figura na Taça AFC! Carrega, Benfica!!

Nanquim deve ser mais lembrada que Hiroshima!


A República Popular da China reagiu à visita do Barack Hussein Obama a Hiroshima, cidade destruída pela bomba atómica a par de Nagasaki. O ministro dos Negócios Estrangeiros Wang Yi disse ontem que "Hiroshima merece atenção, mas Nanquim deve ser ainda mais recordada", sublinhando que o Japão tem culpa das bombas atómicas lançadas pelos americanos. Os bombardeamentos foram "justificáveis" porque foram uma tentativa de "pôr fim à guerra mais cedo e evitar que esta destruísse ainda mais vidas" e "foi a agressão que o Governo militarista japonês lançou contra os seus vizinhos e a sua recusa em aceitar o seu fracasso que levou os EUA a lançar as bombas atómicas". Nanquim, antiga capital da República da China, foi palco de um horrível massacre em 1937, com os chineses a dizerem que morreram 300 mil pessoas e os historiadores a ficarem por um número bem inferior (cerca de 40 mil). Ainda hoje em dia a China, que pediu ao G7 para não se intrometer nas disputas territoriais no mar do sul da China, lembra frequentemente os seus cidadãos o comportamento desumano dos soldados japoneses durante a ocupação ao país e acusa Tóquio de tentar encobrir a história, coisa que, por acaso, os comunistas chineses muito bem sabem fazer.
Já que falámos da República da China, a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, também pediu ontem aos militares para "fazer avançar a reforma" para "defender a pátria" e "proteger a democracia e a liberdade" durante uma visita que fez a uma base militar em Hualien. A mulher prometeu "recursos suficientes para apoiar" o avanço dos militares, intensificando a investigação e o desenvolvimento da indústria militar, com produção de armamento mais avançado e tecnologia própria e importada. O ministério da Defesa de Taiwan anunciou, na passada quinta-feira, um plano para criar uma unidade de guerra cibernética, que complemente os três exércitos, dada a crescente importância da guerra electrónica e informática. Este "quarto exército" vai reforçar a capacidade de dissuasão e de ataque com estratégias de guerra assimétrica, afirmou o ministro da Defesa insular, Feng Shih-Kuan, na quinta-feira no parlamento. Isto tudo acontece porque Taiwan e o continente comunista chinês mantêm uma paz armada, com um crescente desequilíbrio no poder militar a favor dos comunistas, mas com promessas de apoio dos EUA a Taiwan em situações de ataque chinês do continente.

Semana negra para os imigrantes clandestinos


De acordo com o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), morreram afogados pelo menos 700 refugiados na costa da Líbia, que fica em África ao contrário da Síria que está no Médio Oriente (e falo da Síria porquê? Porque andaram muito tempo a enganar-nos com a história de que os refugiados fogem da guerra da Síria, mas todos eles mesmo...), em três naufrágios na semana passada. Federico Fossi, porta-voz do ACNUR, disse mesmo que "a situação é caótica", mas ainda assim 13 mil pessoas conseguiram ser resgatadas numa só semana.

Islão: o que os outros dizem

O Ouriço: a foto de baixo demonstra bem a relação entre a esquerda e o islão. No caso dos "refugiados" muçulmanos que levam para a Europa a sua cultura, é só dar-lhes, segundo os refugees' lovers, toda a assistência humanitária da qual eles carecem...

Já tinha colocado esta foto aqui, mas em versão norte-americana
UK Express: sim, porque, na sequência do ponto anterior, é mesmo toda a assistência humanitária que os europeus têm que dar sem cessar aos "refugiados". Na Dinamarca, o "migrante" sírio Daham Al Hasan, de 47 anos, alegou estar "demasiado doente para trabalhar" e conseguiu, ele que já tinha uma mulher e oito filhos a viver com ele às custas do Estado Social no país há já alguns anos, autorização para trazer mais duas mulheres e 12 filhos! Hasan chegou mesmo a dizer que não ser sustentado pelos contribuintes dinamarqueses é contra os seus... direitos humanos! O porta-voz conservador dinamarquês para a integração, Naser Khader, ele próprio de origem síria e muçulmano, disse que é "altamente problemático que um refugiado sírio diga que está doente para não trabalhar nem estudar dinamarquês para que possa sustentar... 20 crianças".

Hasan com parte da sua prole que é sustentada pelos contribuintes dinamarqueses
Face of a dying Nation: a deputada da AfD (Alternativa para a Alemanha) Christina Baum, de Baden-Württemberg, disse abertamente que está a haver um genocídio do povo alemão devido à política de imigração, sobretudo a imigração islâmica.

O quê, genocídio do povo alemão? Ha ha ha, vê-se mesmo que a mulher é nazi,
islamofóbica, xenófoba, racista, retardada mental, mentirosa e estas coisas todas

UK Mirror: quem estiver em Londres, capital de Inglaterra cuja população "ainda" não é maioritariamente muçulmana (por este andar para lá caminha ou não?), e noutras principais cidades britânicas como Glasgow, que se cuide: a viúva britânica convertida ao islão Sally Jones, uma das mais procuradas terroristas do Reino Unido e da qual eu cheguei a falar aqui em 2014, disse no Twitter que o melhor é não andarem de metro porque pode haver atentados terroristas. E citou a sura 3:151 do Alcorão: "Infundiremos terror nos corações dos incrédulos".

Uma convertida ao islão a fazer ameaças destas? Ha ha ha, tem que misturar mais tabaco!

The Blaze: em 2014, o senhor Graham Noakes, de 41 anos, ficou estupefacto por não lhe terem dado, num restaurante da KFC no centro comercial de St. George, em Inglaterra, papel húmido porque isso ia contra a "política halal". "Eles disseram-me que eu podia ofender os outros clientes. Nunca tinha passado por isso antes, nem conseguia acreditar no que me estavam a dizer", desabafou Graham.

O papel húmido contém álcool e os muçulmanos não podem
ingerir álcool... Esta agora, os muçulmanos comem papel húmido?!
The Telegraph: a secretária de Estado britânica Theresa May afirmou que os tribunais da sharia no Reino Unido beneficiam grandemente o país!!

Apedrejamento de adúlteras, mãos de ladrões cortadas, "crimes de honra", etc. já para o UK!
Pamela Geller: e quando vemos alguém dizer que os tribunais de sharia podem beneficiar alguma coisa, não podemos deixar de nos lembrar dos "grandes contributos científicos do islão", que proporcionaram a tal "era dourada islâmica" que nos ofereceram coisas como a álgebra (sim, há sempre gente que confunde árabes com muçulmanos). Agora um "clérigo" islâmico do Gana, Mallam Abass Mahmud, disse que a homossexualidade provoca terramotos! Ah, mas isso não é nada, os gays que não vivem no mundo islâmico, ou mais precisamente no Gana, vão poder continuar a fazer a vidinha deles sem problemas, isso claro, até ao dia (tipo se não passarem por bairros dominados por muçulmanos ou assim)...

A malta da LGBT não vai dizer nada sobre este nova descoberta científica islâmica?
UK Daily Mail: na Alemanha, um "refugiado" iraquiano de 23 anos vestiu uma camisola com a frase "Eu sou muçulmano. Não entre em pânico" escrita e acabou por levar tanta porrada dos seus camaradas "refugiados" que até baixou ao hospital. E porque é que os oprimidos dos "refugiados" que merecem muito ser ajudados pelos europeus fizeram tamanha maldade? Simples: a camisola insulta o islão, ou seja, é uma coisa haram. Dois dos agressores, um sírio e um libanês, já foram detidos... mas recambiados para a terra deles que é bom e dá saúde é que nem pensar.

Eis a camisola islamofóbica
UK Express: o primeiro-ministro da Eslováquia, Robert Fico, deve ter desiludido deveras a maçónica União Europeia depois de ter dito que o islão não tem lugar no seu país semanas antes da Eslováquia assumir a presidência da maçónica organização. "Falei sobre isso diversas vezes com o primeiro-ministro maltês e ele disse que o problema não é os imigrantes entrarem no país, mas sim o facto deles mudarem a face do país", disse Fico referindo-se às tradições cristãs que fundaram a Eslováquia.

Fico, um islamofóbico filho da mãe que deve também ser racista e xenófobo ao mesmo tempo
RT: o grupo patriota francês Génération Identitaire (Geração Identitária) saiu às ruas de Paris no sábado em protesto contra a islamização. O grupo defende, entre certas coisas, que a migração está a trazer o islão (já trouxe...) e que isso nutre o cocktail explosivo de uma sociedade multicultural. "Existem múltiplas ameaças e consequências diárias disso. As mulheres são as principais vítimas".

Cambada de desocupados que alimentam teorias conspiratórias, irra...

domingo, 29 de maio de 2016

A velha história do atraso dos países de cultura católica


Hoje, a propósito da velha história do atraso dos países de cultura católica, demonstro como a tese de Weber que tem grandes adeptos, ainda que não totalmente original, já tinha sido antecedida cerca de trinta anos pela tese de Antero de Quental com o sugestivo título de "Causas da decadência dos povos peninsulares" (mas claro, como é português a relevância é menor). Ambas as teses estão viciadas, mas não cabe aqui discutir isso (1). 
É interessante como mesmo catedráticos e estudantes quase divinizem uma teoria que várias vezes já foi refutada pela historiografia. Talvez porque a tese de Weber pareça elegante a olhos deslumbrados, principalmente a povos como os de cultura católica que sempre desprezaram a sua identidade para preferir imitar o estrangeiro (i,e., os povos protestantes). E não é de admirar que um professor de Direito se sinta tentado a preferir o protestantismo ao Catolicismo, o próprio Direito português é muitas vezes copiado de países protestantes (a Alemanha principalmente).
O trauma em questão vem a propósito do suposto atraso das nações católicas em relação às nações protestantes, um velho estribilho oitocentista que ganhou raízes profundas nas nossas academias. O argumento é falso e já o demonstrarei. Ofereço a proposta de Hayek que no discurso perante a Academia Sueca citou dois escolásticos ibéricos: Luís de Molina e Juan de Lugo, afirmando que a análise económica austríaca não era uma novidade, já tinha sido formulada nos século XVI e XVII e tinham origem católica e espanhola. 
Exactamente, as ideias do capitalismo emergiram da Europa mediterrânica, herdeira da tradição grega, romana e tomista (3), influência muito mais decisiva do que na tradição dos filósofos escoceses do século XVIII (Adam Smith e David Hume). O mesmo Hayek cita diversas vezes Molina, sim, Luís de Molina, um padre jesuíta espanhol, a propósito da ideia do equilíbrio natural do mercado na formação do «preço natural» ou do «preço justo». 
Aliás, foram dominicanos e jesuítas, professores de Moral e Teologia em universidades, como a de Salamanca e a de Coimbra, que constituíram os focos mais importantes do pensamento durante o Século de Ouro espanhol, antecedendo Smith e antecipando em séculos a Escola Austríaca. E mesmo as teorias do protestante John Locke sobre o consentimento popular e a superioridade popular no governo já tinham encontrado fundamento num escolástico de Salamanca chamado Juan de Mariana, embora também descritas por Suarez, outro grande teólogo (e o fundador do Direito Internacional moderno). 
Quanto ao capitalismo das nações protestantes, tanto Hugh Trevor Ropper, como Michael Novak (4), tinham já explicado que «a ideia de que o capitalismo industrial de larga escala era ideologicamente impossível antes da Reforma é negada pelo simples facto de que ele já existia» (ROPPER). Aliás, Michael Novak descobre o desenvolvimento do capitalismo em cidades como Antuérpia, Lisboa, Milão, Lucena, refutando assim a tese de Weber da "ética protestante". 
E vem acrescentar ainda Henri Pirenne, uma década depois da publicação do livro de Weber ("A Ética protestante e o espírito do capitalismo"), baseando-se em documentação anterior à Reforma, de que "os aspectos essenciais do capitalismo - iniciativa individual, avanços no crédito, lucros comerciais, especulação, etc. - se podem encontrar a partir do século XII nas cidades-república da Itália - Veneza, Génova e Florença". 
Como explicar então o declínio peninsular? O que aconteceu deve-se aos ciclos históricos de ascensão e decadência dos povos. Simplesmente, aproveitando as palavras de Rodney Stark, os países protestantes do norte ocuparam o lugar outrora "ocupado pelos velhos centros capitalistas do Mediterrâneo". Depois os países mediterrânicos, Portugal e Espanha, falharam em deduzir o sistema económico para o qual tanto contribuíram e perderam o passo do tempo. Tragicamente, também povos que passaram os últimos duzentos anos a copiar instituições contrárias à sua cultura, o que resultou em guerras e revoluções constantes ao longo do século XIX até ao século XX. 
Mas não perdendo o fio ao pensamento. O ciclo dos pensadores da escolástica da Salamanca teria ainda um novo fôlego com o catalão Jaime Balmes (1810-1848), que além de teólogo foi economista e político católico, foi ele quem elaborou a lei da utilidade marginal vinte e sete anos antes de Carl Menger. 
Sim, é verdade que o capitalismo tem origem religiosa, mas não é protestante, mas católica. 

DS 

(1) uma desmistificação da tese de Weber: "Max Weber: The Lawyer as Social Thinker" Frank Parkin,Stephen P. Turner,Regis A. Factor (pp.162, 164, 165). 
(2) "The Victory of Reason - How Christianity Led to Freedom, Capitalism and Western Success", Rodney Stark (pp.11-12) 
(3) "As raízes escolásticas da Escola Austríaca e o problema com Adam Smith", Jesús Huerta de Soto 
(4) mais uma desmistificação de Weber: "The Spirit of Democratic Capitalism", Michael Novak (pp.276-277) 


O mito do colonizador protestante
Fonte: O Tradicionalista

160 ataques contra a Igreja em Espanha no ano passado


Sim, é isto que afirma o Alerta Digital. Este número de ataques, mais do dobro em relação a 2014, perfaz 86% de todos os ataques movidos pelo ódio religioso no país vizinho de Portugal. A Espanha, que nasceu católica e, tal como Portugal, tem o Catolicismo como parte da sua identidade, é o reflexo fiel actual de um país ocidental empestado de traidores e anormais. Mais do que a dita islamofobia, parece que existe uma fobia bem mais forte que esta, contra o Cristianismo (sim, mesmo e precisamente no Ocidente, não é só no mundo islâmico), mas disso ninguém fala porque já deve ter virado uma coisa normal, uma norma, além de que até já tinha sido profetizada. E é assim que a superior civilização ocidental vai continuando a ir pelo ralo abaixo...

35 detidos em protesto contra Donald Trump


Na Califórnia, milhares de adeptos do clube dos anti-Donald Trump saíram às ruas para protestarem contra o magnata candidato republicano a presidente daquele que é ainda o país mais poderoso do mundo dizendo que não querem um "racista" (mas o Donald Trump é "racista" porquê?). As manifestações, que começaram por ser pacíficas, terminaram com a detenção de 35 pessoas.
Já estamos bem fartinhos de saber como é que as coisas funcionam com a carneirada: quando a democracia assusta é porque é "populismo". No caso do Trump, que tem vindo a subir nas sondagens depois de no início da sua campanha várias vozes de supostos entendidos terem garantido que ele não iria longe, até já há lá nos EUA quem defenda que o voto deve ser restrito a uma "elite esclarecida" que é para evitar que os "americanos ignorantes" votem! E depois os tipos da extrema-direita, frequente e estupidamente conotados com o nazismo pela burrice do politicamente correcto, é que são os mauzões...

Deputado "nacionalista" escocês fez o juramento de tomada de posse em urdu


Na Escócia, o deputado Humza Yousaf, um muçulmano de origem paquistanesa que por acaso é do Partido Nacionalista Escocês (já tinha chegado a falar dele aqui), que reclama a independência do Reino Unido, fez o juramento de tomada de posse do cargo no parlamento local na língua... urdu, a língua oficial do Paquistão. Refugees' lover convicto apesar de ser "nacionalista", Humza Yousaf afirmou que eles, os nacionalistas escoceses, valorizam a integração das suas comunidades e a aceitação da diversidade cultural por parte dos escoceses...


No further comments because Allahu Akbar!

Inglaterra: adolescente fica cego de um olho num acto de racismo


Em Essex, na capital de Inglaterra, um jovem negro atacou uns adolescentes brancos com ácido enquanto estes esperavam pelo comboio na estação de South Ockedon, no passado dia 22, resultando na cegueira de um dos olhos das vítimas. A polícia está agora a ver se caça o criminoso, que até ver agiu por racismo, através das imagens captadas pelas câmaras de videovigilância. O chefe da investigação, Gail McKemmie, qualificou o crime de "extremamente cruel e alarmante", lamentando as "sequelas físicas e psicológicas" que ficaram nos menores.

Real Madrid é campeão da Europa pela 11.ª vez


Depois da final da Liga dos Campeões realizada há dois anos no Estádio da Luz, o Real Madrid conquistou o seu 11.º título de campeão europeu (la undécima) depois de voltar a vencer, desta vez na lotaria das grandes penalidades por 5-3, o Atlético de Madrid após um empate a uma bola ao fim de 120 minutos de jogo no Estádio San Ciro, também conhecido por Giuseppe Meaza, em Milão. O capitão merengue Sergio Ramos, eleito o melhor em campo, apontou o golo do Real aos 15' e Yannick Carrasco empatou a partida aos 79' numa final épica em que os pupilos de Zinédine Zidane jogaram até à exaustão. Ronaldo, autor do penálti decisivo, foi o melhor marcador da competição com 16 golos e é o primeiro jogador português a sagrar-se tricampeão europeu a nível de clubes.


O Real Madrid terminou assim esta época em grande, depois de muita gente ter pensado, após a saída do treinador Carlo Ancelotti, que já tudo estava perdido. Apesar de na Liga BBVA o Real ter encetado uma espectacular recuperação, tendo até ultrapassado o Atlético de Madrid na classificação, acabou por ficar apenas a um ponto do Barcelona, que fez a dobradinha, mas ganhou agora a Liga dos Campeões que é o título mais importante de clubes da Europa. Zinédine Zidane não cabia de si de contente: "Sempre sonhei com este cargo. Conseguimos este troféu com esforço e trabalho. Todos o merecem. Desde o início que os jogadores trabalharam para isto. Conseguimos aqui algo grande. Quero agradecer ao presidente por me dar esta oportunidade". Já o presidente madridista, Florentino Pérez, assegurou que quer que o Ronaldo fique no clube para o resto da sua vida e sublinhou que a Liga dos Campeões está no ADN do Real. Do lado do Atlético reinou, é claro, a desilusão pela terceira final perdida (os colchoneros, que desperdiçaram uma grande penalidade no templo complementar por Antoine Griezmanm quando perdiam por 0-1, nunca lograram ser campeões da Europa): o técnico Diego Simeone disse que o Real foi o melhor porque ganhou, Gabi garantiu que o clube vai voltar para ganhar a Liga dos Campeões e o português Tiago, que não saiu do banco, afirmou que o Atlético vai-se levantar para chegar novamente à final no próximo ano.


¡Hala Madrid!

sábado, 28 de maio de 2016

Notas soltas

O Special One José Mourinho sempre vai orientar o Manchester United. Classificando o Manchester United como "um clube gigante que deve estar reservado aos melhores treinadores", o treinador português de 53 anos afirmou que quer "ganhar. E preciso que os adeptos e os jogadores sintam isso também desde já". "Ser treinador do Manchester United é uma honra especial. É um clube conhecido e admirado no mundo. Tem uma mística e uma paixão que nenhum outro clube consegue igualar", disse ainda. "Estou pronto para este desafio. Estou orgulhoso. Honrado. Mal posso esperar pelo dia 7 de Julho para ir para o relvado trabalhar".

Está finalmente encontrado o sucessor à altura do sir Alex Ferguson
Vai haver amanhã (domingo) uma manifestação em Lisboa que vai juntar escolas, pais, professores e funcionários do ensino particular e cooperativo contra os cortes nos contratos de associação. Tudo gente que não quer pagar os estudos dos seus filhos do seu próprio bolso.

Mas que importa isso? A geringonça está a funcionar às mil maravilhas...
O Bloco de Esterco quer que a "mudança de sexo" possa ser feita a partir dos 16 anos e defendeu que não é nenhuma incoerência da parte do partido porque o mesmo defende que aos 16 anos uma pessoa já deveria poder votar. No entanto, para conduzir ou comprar cigarros só mesmo a partir da maioridade...

Quem quer mudar de sexo precisa de tratamento psiquiátrico, tal como a malta do Bloco
Em Almada, na zona dos Capuchos, uma jovem militar da GNR de 24 anos foi perseguida e esfaqueada por três homens (alógenos?) depois de ter saído do serviço, no passado dia 22. A militar ficou inconsciente depois do ataque, mas, segundo o comando da GNR de Setúbal, já está tudo bem com ela depois de ter sido transportada para o Hospital Garcia de Orta e os três larápios já andam a ser procurados.

Nos tempos doutra senhora é que estava-se mal e agora é que é fixe...
O parlamento japonês, Dieta, deu luz verde a uma lei com vista a combater o "discurso de ódio" e as "diatribes xenófobas" contra os estrangeiros, mais precisamente os coreanos. São qualificados como "discurso do ódio" todos "os propósitos públicos que se dirijam abertamente contra o corpo, os bens ou ainda as liberdades das pessoas originárias de países ou regiões outras que não o Japão, convidando a excluí-los da sociedade". "Os discursos de ódio, que negam a dignidade e a igualdade dos homens, fazem um número crescente de vítimas, crianças e adultos que são feridos para sempre", sublinhou o deputado que propôs o texto, Toshio Ogawa, eleito por um partido de centro-esquerda. Segundo consta, nos últimos anos Tóquio e outras cidades japonesas têm assistido a importantes campanhas xenófobas levadas a cabo por grupelhos de "extrema-direita" (ou antes se calhar da extrema oposta?). A nova lei vai agora proibir a segregação na entrada de clubes de karaoke, estádios ou outros locais públicos de diversão e lazer que ousam por vezes afixar à porta um "reservado a japoneses".

O "discurso de ódio" no Japão já chegou mesmo a preocupar a ONU
Wang Weixing, um estratega do Exército Popular de Libertação da República Popular da China (RPC), publicou na passada terça-feira um texto no jornal internacional Herald Leader que diz que a Tsai Ing-wen, a nova presidente de Taiwan, ou República da China (ROC), é uma "radical" por ser uma solteirona, ou seja, alguém que "carece de equilíbrio emocional pelo facto de nunca se ter preocupado com o amor da família e com o bem estar dos filhos". O mesmo artigo deixou, no entanto, de estar disponível por motivos desconhecidos. Segundo vários analistas, com a Tsai Ing-wen aumentará a tensão entre a RPC e a ROC, pois tanto a Tsai Ing-wen como o seu partido, Partido Democrático Progressista, não reconhecem o "Consenso de 1992" acordado entre o Partido Comunista e o Partido Nacionalista e que professa que existe uma só China, mas com duas diferentes interpretações desse princípio.

Tsai Ing-wen a fazer o juramento, na tomada de posse, perante a bandeira da
ROC e da foto do dr. Sun Yat-sen, o fundador da nação chinesa moderna
Há uns dias atrás, um professor fez sexo com uma aluna numa sala de aula da Universidade de Guangzhou, a capital da província chinesa de Cantão, em plena luz do dia. O acto foi filmado com um telemóvel através de uma janela da sala e acabou por ser divulgado na Internet. Não sabemos se o docente foi ou não punido por violação do código de conduta. Só sabemos que o estabelecimento de ensino investigou o caso...

O vídeo pode ser visto aqui
Na Índia, país que parece querer ultrapassar a China como o país mais populoso do mundo (já tem mais de 1200 mil milhões de pessoas), nasceu o bebé mais pesado do mundo: 6,8 quilos. A mãe da criança, que por acaso é uma menina, chama-se Nandini e tem apenas 19 anos, o que significa que ainda pode ter mais uns cinco ou seis filhos ao longo da sua vida, isso arredondando o número para baixo. Tanto o médico que fez o parto, Venkatesh Raju, como a ginecologista que acompanhou Nandini, Poormina Manu, ficaram admirados. Quem não ficaria?

"Ela nasceu grande e linda", disse Poormina Manu ao Metro UK
No Brasil, a mãe duma estudante denunciou nas redes sociais um caso em que a sua filha teve zero numa pergunta de um teste por ter defendido o capitalismo contra o esquerdismo! A pergunta tinha a seguinte introdução: "O processo de globalização, que vive o mundo de hoje, propõe como elemento de estabilidade social, económica e política, o velho paradigma das leis de mercado. (...) sobrevive só quem tem competência". Seguia-se a questão: "Considerando o texto acima, podemos afirmar que o capitalismo fundamenta a lógica imoral da exclusão. Justifique tal afirmativa". A estudante respondeu assim: "Não concordo que o capitalismo fundamenta a lógica imoral da exclusão. Muito pelo contrário. O capitalismo amplia empresas, gerando assim, empregos. O capitalismo dá oportunidades a todos, diferente do comunismo e socialismo que não deu certo em nenhum país. A exclusão não está relacionada ao capitalismo, porque ele não gera pobreza. Fica pobre quem quer, pois ele gera oportunidades. E também tem a meritocracia, que deve ser vista como um plus na sociedade, pois quando se recebe uma oportunidade é possível alcançá-la com mérito e dedicação".

Depois da denúncia, o professor esquerdista foi "cobrado" pelo director...
E já que falamos do esquerdismo como o comunismo e o socialismo, então não é que até o jornal socialista de língua portuguesa aqui de Macau, o Tribuna de Macau, reconhece que, graças ao socialismo/comunismo, a Venezuela passou de um país rico a um país de rastos onde abunda o crime, a violência, a corrupção, a fome e a miséria? Vede lá mas é se a geringonça, que conta com adeptos dos regimes venezuelano, cubano e norte-coreano, não vai fazer o mesmo com Portugal...

Infelizmente nada disto é suficiente para que os esquerdistas que vivem bem abram a pestana...

Há orgulhos e orgulho

Qual é a diferença entre o nazismo, o comunismo e o islamismo?

Imagem retirada da página do Facebook da Liga de Defesa Portuguesa:

Áustria e o Partido das Melancias (por fora são verdes mas por dentro são vermelhos)

A Áustria acaba de eleger um esquerdista como presidente: Alexander Van der Bellen. É uma história que tem tudo para não acabar bem. 
Uma frase estampada num cartaz do ex-partido de Van der Bellen produzido em 2007, época em que ele era seu líder, dizia "qualquer um que diga que ama a Áustria é uma merda". O Partido Verde da Áustria é conhecido por ser contra a própria existência do país como entidade autónoma e soberana. Outro líder do partido recentemente declarou que "a Áustria é um detestável pedaço de merda e isso não é uma questão subjectiva, é facto". 
Van der Bellen e seus ex-correlegionários acreditam que a Europa deveria ser integrada num único grande país, fazendo com que a Áustria e os seus vizinhos se tornassem meros Estados de uma grande federação, algo como os Estados Unidos da Europa. 
O novo presidente é filho de russos e mostra pouca afinidade com o país. Ele é, evidentemente, um defensor ferrenho da imigração em massa de refugiados do Médio Oriente que são chamados por ele de "jovens e inteligentes trabalhadores". 
É para estes radicais do Partido Verde austríaco que toda a imprensa ocidental torceu como louca, jogando seu jogo habitual de chamar de extremista o outro lado. Com o medo despertado pelas posições dos verdes, a resposta de muitos é diminuir o papel do presidente já que a Áustria é parlamentarista, mas é inegável que Van der Bellen terá densidade política e poderá influenciar directamente os rumos do país. 
O resultado desta eleição é um país dividido por duas razões realmente preocupantes: 
  1. Numa eleição com 4,6 milhões de votos, Van der Bellen venceu Norbert Hofer por míseros 31 mil votos. Como 700 mil votos foram enviados pelo correio, há fortes suspeitas de fraude eleitoral envolvendo estes votos, o que tira ainda mais a legitimidade do vencedor. 
  2. 81% dos austríacos com nível superior votaram em Van der Bellen, enquanto 86% dos trabalhadores sem diploma votaram em Norbert Hofer. Traduzindo: enquanto a elite vota num comunista que quer literalmente acabar com o país e encher o seu território de imigrantes do Médio Oriente, o trabalhador médio está aterrorizado com a invasão e em total oposição à elite. A Áustria virou uma panela de pressão. 
O mais preocupante é que qualquer partido político na Europa que ouse emitir uma opinião contra a invasão indiscriminada de imigrantes do Médio Oriente é tachado pela imprensa e pela academia de "extrema-direita xenófoba e racista", o que pode indicar um caminho sem volta para a Europa. 
Enquanto a imprensa comemora a vitória do seu comunista (A.K.A. "ambientalista") de estimação, a Áustria começa a flertar com a ruptura do tecido social. Quem ainda não conhece a Europa, recomendo que vá logo. Em alguns anos, o velho continente que você conhece dos livros pode virar apenas uma vaga lembrança.

AB


Uma mesquita na Mouraria

A primeira notícia que li sobre o assunto saiu no PÚBLICO do passado dia 18, mas a desatenção é minha: em Outubro de 2015 já vários jornais haviam dado conta da intenção da Câmara de Lisboa em construir uma nova mesquita na Mouraria. Deixem-me sublinhar logo à cabeça, que é para não pensarem que receio a infiltração do Daesh na Baixa de Lisboa, que nada me move contra mesquitas. Aliás, se há sítio onde faz sentido construí-las é na Mouraria, como o próprio nome indica. A minha questão é muito mais comezinha, e não tem nada a ver com o papão do terrorismo islâmico. Ela resume-se a duas breves palavras e um ponto de interrogação: quem paga? 
A notícia do PÚBLICO centrava-se em António Barroso, proprietário de dois edifícios que a câmara decidiu expropriar e demolir para a construção da mesquita e requalificação da Praça da Mouraria. António Barroso quer mais dinheiro pelos imóveis – a câmara oferece 530 mil euros, ele pede dois milhões. Se valem isso ou não, não faço ideia, mas consigo identificar-me com parte das suas queixas. Argumenta o senhor Barroso que quando avançou com a recuperação dos prédios, em 2006 e em 2009, foi obrigado a cumprir uma longa lista de exigências e restrições para respeitar os traços arquitectónicos originais. Agora, que é para deitar abaixo, a câmara argumenta que os edifícios “não apresentam especial interesse arquitectónico”. Eis, em todo o seu esplendor, o típico duplo critério da burocracia pública nacional. 
Mas por muito injusta que seja a situação do senhor Barroso, a questão fundamental para o erário público não é quanto dinheiro vai ele receber, mas quem é que lho vai pagar. Todo o artigo está escrito no pressuposto de que é a própria câmara, até porque foi ela que assinou a “declaração de utilidade pública de expropriação com carácter de urgência”. Ora, vão desculpar-me: eu percebo com muita dificuldade que o mesmo Partido Socialista que no país é tão lesto na defesa da laicidade – como ainda recentemente se viu a propósito dos contratos de associação com escolas católicas –, seja tão lento na defesa da laicidade em Lisboa quando se trata de construir uma mesquita. 
Eu sei que dá certa panache percorrer a Mouraria de tuk tuk enquanto se escuta o muezim no alto do minarete. É um espectáculo bonito, sim senhor, e até poderia ser patrocinado pela Associação Turismo de Lisboa. Mas a laicidade não diz respeito apenas ao Catolicismo, pois não? É que às vezes parece. Quando se fala em católicos, a esquerda é toda laica – e quer a Igreja longe dos dinheiros públicos. Quando se fala em muçulmanos, a esquerda é multicultural – e chega-se à frente com o cheque. Alguém me consegue explicar a lógica disto, se faz favor? Ou é uma situação habitual, e a câmara também patrocina igrejas, sinagogas e templos de Shiva? 
Infelizmente, a câmara não esclareceu o PÚBLICO sobre o tema. E também não esclareceu a Lusa: “As questões têm de ser analisadas por diferentes serviços, tendo em conta a complexidade do assunto”. Contudo, em Outubro, o vereador Manuel Salgado esclareceu, ao menos, os números: 2,9 milhões de euros para expropriar, requalificar o espaço e construir a mesquita. A cargo da comunidade muçulmana ficariam apenas “os acabamentos”. O presidente da câmara celebrou o facto como uma “marca de abertura e de que todos são bem-vindos”. Eu, claro, também acho óptimo que todos sejam bem-vindos. Só acho péssimo que sejam os meus impostos a subsidiar o culto de Alá.

26 de Maio de 2016

sexta-feira, 27 de maio de 2016

A quem de direito

Islão: o que os outros dizem

Sputnik e Pamela Geller: foram detidas quatro pessoas na Bélgica, na passada quarta-feira, por planearem um atentado terrorista islâmico. Os quatro muçulmanos foram detidos na Flandres e levados a interrogatório, tendo já dois deles saído em liberdade condicional (pois...). O grupo é ainda suspeito de recrutar jihadistas...

Como é que os "islamofóbicos" podem esperar mais atentados
terroristas se estes têm andado a ser impedidos pelas autoridades?
Sudinfo.be: já cerca de 7% da população belga é muçulmana (781.997 vivalmas) e 23% dos muçulmanos que estão na Bélgica vivem em Bruxelas. Esta é a conclusão de um estudo realizado pelo sociólogo Jan Hertogen, da Universidade Católica de Louvain.

Ainda bem que a islamização do Ocidente e a Eurábia são um mito...
Gatestone Institute: o Estado Islâmico (EI) está agora mais perto da Alemanha depois de se ter verificado mais casos de violência muçulmana no país da Angela Merkel. O primeiro caso inspirado no EI foi o de uma menina de 15 anos que é alemã apesar da sua ascendência marroquina, Safia, ter esfaqueado e ferido gravemente um polícia em Hanover em Fevereiro passado depois do agente lhe ter pedido que lhe apresentasse os seus documentos. "A criminosa não demonstrou nenhuma emoção", disse um porta-voz da polícia. "A sua única preocupação era com o seu véu. Estava preocupada em manter o véu correctamente após ser detida. Não queria sequer saber se o polícia tinha sobrevivido". A 3 de Março, o promotor público de Hanover, Thomas Klinge, revelou que Safia tinha viajado para a fronteira entre a Turquia e a Síria em Novembro de 2015 para se juntar ao EI, mas a mãe dela conseguiu convencê-la a regressar à Alemanha. O diário Die Welt reportou que Safia era membro do movimento salafista local desde 2008, quando tinha apenas sete anos, aparecendo em vídeos de propaganda islamista ao lado de Pierre Vogel, um alemão nativo convertido ao islão e um dos mais conhecidos pregadores salafistas da Alemanha. Nos vídeos, Vogel, também conhecido por Abu Hamza, elogia Safia por ela usar um véu na escola e por saber recitar versos do Alcorão.

Esta é a "nova alemã" Safia e, de novo, ainda bem que
a islamização do Ocidente e a Eurábia são um mito...
Merkur.de: ainda na Alemanha, a polícia da Baviera está a recrutar "migrantes" sem nacionalidade alemã! Segundo o ministro do Interior, Joachim Herrmann, os de origem imigrante têm mais experiência a lidar com os criminosos de origem imigrante, pois falam a mesma língua e conhecem melhor a mentalidade deles...

Ao que chega a demência na Alemanha...
Iraqi News: o EI executou cinco espiões iraquianos por imersão em ácido nítrico, em Mosul, no Iraque. Segundo uma testemunha, os 25 homens foram amarrados e imersos, vivos, numa grande bacia até se dissolverem. O EI pretende recuperar os territórios perdidos (quase 40% no Iraque e 10% na Síria) pela coligação internacional.

O mais fixe é que o EI acolhe a simpatia de uma grande parte
dos muslos (81%), diz uma sondagem da Al-Jazeera
Amigo de Israel: graças ao apoio do Barack Hussein Obama, o Irão pôde agora afirmar que pode destruir Israel, o "regime sionista", em apenas oito minutos se o ai-a-tola Ali Khamenei, o líder supremo iraniano, emitir a ordem. No início deste mês, o Irão, que tem vindo a aumentar a sua capacidade nuclear apesar do acordo nuclear assinado com as seis potências mundiais no Verão passado, testou um míssil balístico de alta precisão que pode atingir Israel.

O terrorista Obama deve estar radiante, ele que ainda não saiu do poder
mas há quem esteja a defender que ele já está a deixar saudades!
Newsweek: um clérigo saudita proibiu as pessoas de tirarem fotos com gatos. Sheik Saleh Bin Fawzan Al-Fazwan disse que os muçulmanos que fazem estas coisas estão a querer ser como os ocidentais. Para os que não sabem, o gato era o animal favorito do Maomé. Porque então é que continua a haver barbaridades contra gatos cometidos por muçulmanos que são fotografadas??

Muçulmanos algures em África crucificaram um gato para gozarem com Jesus Cristo
por causa de um filme anti-islâmico. Claro, a culpa só podia mesmo ser dos cristãos...
Totalitarismo Universalista: uma jovem muçulmana de 15 anos estacionada na Suécia há oito e de nome Sara é, pelo que podemos ver no vídeo, vítima duma tal "islamofobia" desde que chegou ao espectacular país progressista do norte da Europa. Não sabemos porque é que a Sara, que afirmou que nunca se integrará nem tampouco aceitará a democracia, ainda não bazou da Suécia. Ah, talvez saibamos sim, ela quer ajudar a fazer a sua parte para islamizar a Suécia, coisa que muitos alucinados insistem em acreditar que é um mito...

Este vídeo é do grupo islâmico Hizb ut Tahrir e tem como título 
"Juventude Muçulmana: Pioneiros da Verdadeira Mudança"

O Século das Nuvens: houve (mais) uma manifestação anti-islâmica na Polónia, mas precisamente em Wrocław. Mais uma de tantas evidências de que o povo polaco é "islamofóbico" por não querer muçulmanos na sua terra. O grande rei católico Jan III Sobieski deve estar orgulhoso, ele que certamente foi o primeiro grande "islamofóbico" polaco...

A Polónia insiste em não querer aderir à demência da maçónica União Europeia

Bare Naked Islam: e por falar em "islamofobia", ahá, eis aqui a solução para ela! O grupo terrorista islâmico norte-americano CAIR (Conselho para as Relações Islâmicas e Americanas) criou uma campanha em jeito de anúncio publicitário com o Islamophobin, o "medicamento" para a "islamofobia"! Isto só pode ser um bom sinal lá nos EUA, pois deve querer dizer que a "islamofobia" está em crescendo por lá...

Depois de curado, o ex-"islamofóbico" vai passar a querer decapitar pessoas,
praticar "crimes de honra", perseguir cristãos, queimar igrejas, violar "infiéis", etc.

As novas da engenharia social neomarxista no Ocidente...

Na Austrália, «o chefe do Executivo do estado da Victoria, Daniel Andrews, pediu oficialmente desculpas por leis antigas que criminalizavam a homossexualidade e que enviaram para a prisão milhares de pessoas.» 

No Reino Unido, uma mulher decidiu casar consigo própria: «Sophie Tanner tinha 36 anos e estava solteira. Desde criança que o seu sonho era casar e, mesmo sem namorado, a britânica não desmoralizou. No ano passado decidiu casar consigo própria.» 

Ainda no Reino Unido, um professor universitário defendeu, numa entrevista, que os pais não devem poder ler histórias infantis aos seus filhos, porque «isso coloca em desvantagem as crianças cujos pais não lhes lêem as mesmas histórias». A conclusão do "professor" é a premissa central do marxismo cultural: «devíamos abolir a família» como forma de «resolver este problema de justiça social». Mas atenção, caros leitores, o marxismo cultural é uma teoria da conspiração perpetuada por extremistas de direita! 

O mais insólito é que todas as notícias anteriores parecem quase normais quando se lê a nova tara do Al-Guardian: defender o "estilo de vida alternativo" dos homens que escolhem viver como cães! Não, não estou a gozar, ora vejam só:


A "crónica" do Al-Guardian começa assim: «É fácil rir de um homem adulto dentro de um fato de cão feito de borracha que mastiga um brinquedo que guincha. Talvez fácil demais, porque rir é descartar, é denegrir, é ignorar o facto de que muitos de nós, em algum momento das nossas vidas, encontrámos conforto e alegria em fingir sermos animais.» 

... E este, por incrível que pareça, é o parágrafo mais normal do artigo. Porque depois encontram-se pérolas como esta: 

«Trata-se de nos darmos licença para nos comportarmos de uma forma que sentimos como natural, até mesmo primal. Quando somos cães, não nos preocupamos com dinheiro, comida ou trabalho. É simplesmente uma oportunidade de desfrutarmos da companhia uns dos outros de uma forma muito simples.» 

Eu cá desconfio que eles também devem cheirar o cú uns aos outros! E para aqueles que eventualmente ainda estiverem a esfregar os olhos de incredulidade:


Trudeaus caídos

Sabe quem é Justin Trudeau, o formoso, não sabe? Esse: o primeiro-ministro do Canadá. O que tem uma franja com os milímetros que cobre a testa tão detalhadamente calculados quantos os centímetros para a direita da cara de José Sócrates aquando do anúncio na televisão do resgate da troika. O que se tuitou numa imagem exibindo a sua força de braços ao suspender-se em prancha sobre uma mesa (chamam-lhe, li, a pose do pavão, que nunca ninguém disse que a realidade não tem um sentido de humor cáustico). E que oferece, com encenação de improviso que consegue convencer crianças de vinte meses e seis dias, lições de computação quântica (baralhando tudo, mas quem quer saber?) 
Justin é – como faz parte da descrição obrigatória do líder de esquerda – avassaladoramente maravilhoso. Bonito (ou assim o dizem), jovem, progressista, um coração de manteiga para os refugiados sírios. Com pedigree familiar (que a esquerda que se diz igualitária nunca deixa de apreciar): é filho de um outro ex-primeiro-ministro canadiano. Ah, claro, e com uma mulher gira, Sophie, que foi à Casa Branca rivalizar no guarda-roupa com a fashionista Michelle Obama, também nova, antiga estrela de televisão, mãe de família moderna. 
De acordo com a peculiar forma a preto e branco de ver o mundo do lado esquerdo da vida, o casal Trudeau não pode ser apelativo apenas politicamente. Por decreto é também bonito, sofisticado, culto, moderno, bem vestido, lido, uns pais formidáveis, arrebatadores, estonteantes, enfim, acrescentem aqui todos os adjectivos bons e cintilantes que há no mundo. Uma reedição dos santos de altar para a esquerda convencida que é iconoclasta. 
Mas a beatitude progressista transporta, helás, inúmeros perigos. Supor-se do lado do bem, das pessoas bondosas que transpiram justiça social, imaginar-se como colocando os interesses dos mais desfavorecidos à frente dos seus (enquanto aproveita, no casos benignos, todos os gastos sumptuários que o orçamento pago pelos contribuintes lhe permite; nos malignos trata de engordar a conta bancária nas Ilhas Virgens Britânicas) – e, por cima disto, ser apaparicado pela nata da esquerda da comunicação social, é um veneno poderoso para os egos por regra susceptíveis à lisonja e insuflados. A hubris trata do inescapável tropeção na natureza humana. 
Trudeau já sarapintou a sua reputação celestial. Vejamos. Há dias agraciou-nos com uma exibição deslocada do seu mau feitio – adorável, claro, que ele é um progressista de esquerda – ao puxar com violência um deputado no meio do parlamento. A agressividade foi tanta que deu uma forte cotovelada no peito de uma deputada, aparentemente sem intenção. A seguir fez aquele número em que os políticos se especializam: o de pedir desculpas sem efectivamente pedir. Em vez de se assumir que se fez mal, ponto, e se está arrependido, enrola-se um ‘Se ofendi/magoei/o-que-calhar alguém, peço desculpa’. 
Como os Trudeau são um casal cúmplice que gosta de disparatar junto, Sophie veio reclamar publicamente por um maior staff para se poder dedicar a fazer aquilo que ocupa todo o tempo das pessoas boas de esquerda de coração puro e alma cristalina: ajudar os que a solicitam. 
Quando li a notícia ainda pensei tratar-se de uma discussão relevante: como muitas mulheres conseguem conciliar família e profissão por terem a tremenda sorte (eu agradeço-a todos os dias) de contarem com uma boa estrutura familiar de apoio e empregada doméstica. E como as que não podem pagar pelo serviço doméstico, que outras mulheres lhes prestam, terminam com uma dificilmente ultrapassável barreira à progressão profissional – desde logo pelo cansaço acrescido da sobrecarga de tarefas e usufruírem de menos tempo de descanso. Por fugazes momentos pensei que Sophie Gregoire nos permitiria reconhecer, e conversar sobre isso, que a igualdade de oportunidades ainda só está disponível (e mesmo assim) para as mulheres das classes que podem pagar ajuda doméstica. 
A seguir veio o que a esquerda traz sempre: a desilusão. Afinal Sophie, apesar de não ter sido eleita para nada e de o seu marido não a ter nomeado para qualquer cargo público, entende que os contribuintes lhe devem pagar um staff para poder dedicar-se a uma vida de benemérita sustentada com o dinheiro alheio. 
Bom, podia aqui referir que a mulher do primeiro-ministro canadiano não tem (e muito bem), como ocorre pela maioria do mundo civilizado e até por civilizar, papel oficial a desempenhar. Pelo que este serviço de Gregoire seria só mais um exemplo da tendência da esquerda para se suportar em mecanismos políticos informais, com todos os abusos e cinzentos que estas ambiguidades trazem. Costa também tem o seu dilecto amigo a facilitar negócios, primeiro pro bono (e padeci agora de um ataque de tosse perante tanto altruísmo) e depois por um valor insignificante que é ainda mais suspeito. 
Mas vou ficar-me pela tão evidente traição ao progressismo dos Trudeau. Afinal uma mulher tão moderna e independente aceita ter uma carreira (no caso de benemérita profissional) à pendura do marido? Onde está a exibição orgulhosa de que valemos por nós em vez de pelos pais, irmãos, maridos, namorados? 
Um marido agressivo e uma mulher que depende profissionalmente dele. Que casal mais convencional e entediante. Em suma: um bom retrato da esquerda progressista. Ou dos caídos do Olimpo socialista.

Maria João Marques
25 de Maio de 2016