quarta-feira, 6 de abril de 2016

O Bayern não ia golear?

Levantei-me esta madrugada de propósito para assistir ao jogo, que foi transmitido em directo na TDM, e, ao contrário do que as aves raras andavam a vaticinar, o colosso Bayern de Munique, o indiscutível grande dominador do futebol alemão que lidera actualmente a Bundesliga com mais cinco pontos de vantagem sobre o 2.º classificado, não só não nos massacrou como nem sequer teve um domínio avassalador. E apesar de termos perdido o jogo, a derrota foi tangencial (0-1), ao contrário do que aconteceu com todos os outros clubes que visitaram o Allianz Arena e que de lá não saíram com menos de quatro golos encaixados nesta edição da Champions.

Quatro portugueses no 11 inicial: André Almeida, Renato Sanches, Eliseu e Pizzi
O único golo da partida foi apontado logo aos 2', por intermédio do chileno Arturo Vidal, que deve ser um tatuado nojento até os tomates. Podia muito bem ter sido um prenúncio para uma cabazada, mas nós reagimos bem à desvantagem e não só não trememos como continuámos a acreditar. Rui Vitória arriscou, não abdicou do seu conceito de jogo, e podíamos e devíamos ter sido bafejados pela sorte, mas pronto, infelizmente tal não aconteceu. Lahm, com o braço, cortou a bola dentro da área num lance envolvendo Nico Gaitán, que eu até admito que possa ter sido casual, aos 29' e o mesmo jogador argentino, o nosso n.º 10, ainda chegou a assustar os bávaros, num remate que foi parado por Vidal. Ederson estava numa noite inspirada, apesar do golo sofrido em que nada podia ter feito, e depois do Bayern se ter retraído, na segunda parte, ainda dispomos de duas grandes oportunidades de golo, ambas desperdiçadas pelo goleador Jonas. Tudo em aberto para o jogo da 2.ª mão, no Estádio da Luz.

Eliseu falhou, Vidal não perdoou e o Bayern ganhou por 1-0 pela 6.ª vez em 67 jogos caseiros
Rui Vitória, orgulhoso com a prestação da nossa equipa, disse depois do jogo o seguinte: "A equipa esteve a um nível elevadíssimo, jogou com muita convicção e determinação. Sou um treinador orgulhoso por ver a equipa com esta personalidade e forma de estar em campo. Viemos aqui fazer o nosso trabalho, sem mudar a nossa estratégia. Acreditámos muito em nós e criámos dificuldades ao Bayern, uma equipa forte e poderosa. A eliminatória está em aberto. Quem vê a alegria dos benfiquistas e esta equipa a jogar tem de acreditar que é possível, mas sempre com os pés na terra. Não temi porque conheço muito bem a equipa que tenho, valoriza ainda mais o nosso trabalho. A equipa foi fantástica na interpretação do jogo. A responsabilidade para o segundo jogo será a mesma, o Bayern vence fora muitas equipas. Mas vamos estar dentro da eliminatória até final, posso garantir". Os nossos jogadores também demonstraram confiança: "A eliminatória está em aberto" (Ederson), "Temos de jogar em Lisboa como jogámos aqui na segunda parte" (Jiménez), "Continuamos na luta" (Renato Sanches), "Sobre a arbitragem não quero comentar nada... (Jonas, que não poderá jogar na Luz por ter visto cartão amarelo)", "Demérito do Bayern? De certeza que queriam ganhar por 5-0 mas o Benfica fez um grande jogo. Viemos aqui fazer o nosso papel e em nossa casa, com o apoio dos nossos adeptos, seremos muito mais fortes. Os que aqui estiveram fizeram-se ouvir, o que nos deu muita força" (Gaitán). Do lado alemão, o técnico Pep Guardiola elogiou-nos: "Era este o Benfica que esperava, não me surpreendeu nada".

Os nossos adeptos estiveram em grande e no final aplaudiram, e bem, a nossa equipa
Se temos ou não hipóteses de seguir para as meias-finais da maior competição de clubes europeus, isto agora fica para o dia 13. O mais importante neste momento é vencermos a final de Coimbra, para a 29.ª jornada da Liga NOS, já no sábado que vem. Carrega, Benfica!

6 comentários:

wind disse...

Yeahhhhhhhhhhh:)

FireHead disse...

Yeahhhhh?? Mas nós... perdemos... :/

Anónimo disse...

O Benfica so jogou com dois africanos?
Já está melhor que a seleção... kkkkkkkkkk....

FireHead disse...

Na verdade africanos de naturalidade não havia nenhum na equipa principal: o Renato Sanches nasceu em Lisboa e o Eliseu é um mulato nascido nos Açores e filho de pai branco.

Entendo, no entanto, que para totós tudo o que é preto é automaticamente africano, como se os brancos nascidos em África, como é o caso dos Boer sul-africanos, não são, também eles, africanos. Pelo menos eles dizem que são, portanto basta a opinião deles, que para mim prevalece sobre a de gente como tu.

wind disse...

Yeahhhhhhh ao carrega Benfica:)

FireHead disse...

Ah, assim está melhor. Vamos lá ver o que é que acontece na Luz. Eu por acaso não espero seguir em frente... acho que já fizemos uma excelente campanha na Liga dos Campeões. Mesmo que é para sermos eliminados, que sejamos eliminados de cabeça erguida. :)