quarta-feira, 27 de abril de 2016

Famosa família de «refugiados perseguidos iraquianos» regressou voluntariamente ao Iraque depois de meio ano a viver na Alemanha


É isso mesmo, conforme se pode ler aqui. Laith Majid, a sua esposa Nada Abel e os seus filhos Moustafa, Ahmed, Taha e Nour chegaram à ilha grega de Kos em 2015, tornaram-se famosos graças aos mé®dia - que os elevaram à categoria de símbolo desta crise dos refugiados e da necessidade de acolher os refugiados que fogem da guerra e das perseguições -, foram para Berlim onde poderiam finalmente "viver em paz e trabalhar" mas acabaram por regressar ao Iraque sãos e salvos e estão agora a viver na cidade de Erbil. Parece que eles não gostaram da vida de refugiado na Alemanha e decidiram voltar para o buraco de onde vieram.

video

Ah, cagandas refugiados!!

4 comentários:

Adilson disse...

Provavelmente receberam o desprezo dessa mídia carniceira que adora o sensacionalismo para vender. Também podem ser percebido que problema mesmo não era a Alemanha, mas os "refugiados" com quem viviam na Alemanha. Penso. De qualquer forma, espero que regressem para a alegria dos alemães e desmoralização dos esquerdopatas!

J. Machado disse...

Esses refugiado é que merecem o meu aplauso. Signigfica que não fugiram do país para ir sugar os recursos de outros países. Deus queira que o refugiados e imigrantes honestos possam fazer como esta família e regressar aos seus países e digo o mesmo dos portugueses emigrados, e o mesmo dos imigrantes que vivem em portugal e os seus filhos que já nasceram cá. Nao existe nada como a nossa terra ou a dos nossos ancestrais e só como menos "enriquecimento", como dizem alguns nacionalistas, é que as nações poderão ter futuro.

FireHead disse...

Estes enganaram bem os totós dos refugees' lovers. Uma história comovente e pêras! Ainda assim aposto o que quiserem que os mesmíssimos refugees' lovers continuarão sem abrir a pestana.

FireHead disse...

Desculpe, J. Machado, mas está mais que visto que estes tipos nunca foram refugiados mas sim migrantes económicos. Passaram por tanta coisa até chegarem a um paraíso onde poderiam usufruir de comodidades para decidirem, meio ano depois, regressar ao Iraque??? Então, no Iraque já deixou de haver perseguições e guerra em meio ano?

Um refugiado é isso mesmo: é alguém que mais cedo ou mais tarde tem de voltar de onde fugiu. A sua situação é apenas temporária.

O mesmo não se passa necessariamente com os imigrantes. Há imigrantes que optam por permanecer para sempre nos países que os acolhem. Muitos filhos dos imigrantes não se identificam já com os países dos seus pais, mas sim com os países onde nasceram. Foi assim que o Novo Mundo foi povoado com europeus e descendentes de europeus, entre outros povos. Se pedissemos a todos os portugueses que não vivem em Portugal para ir/regressar ao país, como é que seria?? Não tem cabimento. Portugal não teria como os acolher porque nem tem as mesmas condições que muitos esses países podem dar aos portugueses que vivem fora.