quarta-feira, 20 de abril de 2016

“Estamos a caminhar para um mundo dominado pela China”


O autor francês Patrick Deville passou por Macau onde esteve no sábado passado na Livraria Portuguesa a falar sobre o seu percurso enquanto autor, do seu trabalho e do projecto "Casa dos Escritores e Tradutores Estrangeiros", uma iniciativa promovida pela Alliance Française de Macau em conjunto com o Festival Literário Rotas das Letras. Ao jornal macaense Ponto Final, Patrick Deville falou da República Popular da China, vista por ele como uma força motriz que sucederá à europeização e à americanização, embora considerando uma incógnita a forma como Pequim se vai impor ao mundo. O ano 1860, o ponto de partida de todos os seus livros, é um ano em que o segundo império francês e o Reino Unido estavam no seu auge: "É o começo da europeização do mundo. Este processo terminou, como se sabe, da pior forma possível, com duas guerras mundiais, e abriu caminho à americanização do mundo. Agora é provável que tenhamos uma sinização do mundo...", referiu Deville. "É impossível conhecer o futuro, mas pelos indícios que nos são dados actualmente, parece-me que estamos a caminhar para um mundo dominado pela China. Repare que a China está em todo o mundo". A europeização, sob a forma de colonialismo, e a americanização, como imperialismo, "algo pouco melhor" que substituiu o colonialismo, são processos diferentes daquele que será com a China: "A China foi europeizada, primeiro, e depois americanizada. Se vier a existir uma sinização, ela não será estabelecida por uma China como a que existiu a determinada altura. Será conduzida, isso sim, por uma China completamente transformada pela Europa e pelos Estados Unidos", acredita. Quanto à língua oficial da China, o mandarim, não parece, segundo Deville, uma língua difícil de aprender. "Neste momento há muita gente em França a falar mandarim. Se fosse assim tão difícil, se calhar não havia tanta gente a falar a língua".
A ascenção da China é um facto incontornável. O futuro do mundo muito possivelmente será chinês e muito certamente asiático.

31 comentários:

CENSURADO AGAIN disse...

O LESTE SEMPRE FOI O CENTRO POR MILENIOS O OESTE SÓ SE TORNOU CENTRO EFEMERO JUSTAMENTE POR QUE BUSCOU TOMAR DO LESTE SUAS ROTAS RICAS EM DIU ETC NO INDICO E CATAI COMO PODER MOR DO LESTE NATURALMENTE TENDE A LIDERAR A ZONA IDEM MECA E TALVEZ RUSSIA SE ESSA SOUBER SOBREVIVER

CENSURADO AGAIN disse...

MEIOS PRA ISSO TEM OGIVAS ETC BASTA SÓ MANTER A VONTADE COISA QUE O OESTE PERDEU PELOS KALERGIS

Ivan Baptista disse...

" Quanto à língua oficial da China, o mandarim, não parece, segundo Deville, uma língua difícil de aprender. "

Credo !!! Falar mandarim não é difícil de aprender !?!
Não acredito nisso .

Kruzeskanhoto disse...

Antes chinês que muçulmano...

Saudações benfiquistas!

Diana Fonseca disse...

Por aqui também já se aprende Mandarim. Enfim, não se percebe.

FireHead disse...

CENSURADO AGAIN,

O leste sempre foi o centro?? Olha que os teus camaradas do supremacismo branco não gostas que tu digas destes disparates, pá! Para eles os amarelos são inferiores a eles... vá, quanto muito falam bem do Japão...

Kalergis não são coisas que assistem à Ásia. É só para o Ocidente mesmo...

FireHead disse...

Ivan Baptista,

Depende da perspectiva. O português também é uma língua difícil de aprender. Se formos por aí, se calhar só o inglês é que é fácil de aprender... e mesmo assim, não sei, não...

FireHead disse...

Kruzes Kanhoto,

Você pensa como eu. Antes chinês que muçulmano mesmo. Antes um mundo chinês que um mundo muçulmano. Porque pelo menos os chineses sabem muito bem lidar com os muçulmanos.

Um abraço benfiquista.

FireHead disse...

Diana Fonseca,

Trata-se de preparar-se para o futuro. :)

Eu também já ando a aprender o mandarim... já há alguns anos... Vou aprendendo a língua aos bocados. :)

Beijinhos.

CENSURADO AGAIN disse...

O leste sempre foi o centro?? Olha que os teus camaradas do supremacismo branco não gostas que tu digas destes disparates, pá! Para eles os amarelos são inferiores a eles... vá, quanto muito falam bem do Japão...

Kalergis não são coisas que assistem à Ásia. É só para o Ocidente mesmo...

21 de abril de 2016 às 12:34

SIM A MISS ALOGENA NO JAPÃO NÃO ERA KALERGI NÉ

CENSURADO AGAIN disse...

21 de abril de 2016 às 12:34

FILHO SOU UM REALISTA RACIAL NÃO UM DOGMATICO SEI ONDE A RAÇA AMARELA EVOLUIU MAIS

CENSURADO AGAIN disse...

Antes chinês que muçulmano...

AMBOS PARECEM ESTRANHOS QUANDO SE OLHA DE FORA

CENSURADO AGAIN disse...

TALVEZ O DIZES POR QUE CATAI TENDE A SER MENOS EXPANSIVA QUE MECA E MECA TENDE A SER MAIS COMBATIVA

FireHead disse...

CENSURADO AGAIN,

É kalergi?? Kalergi destina-se a fazer com que o europeu se torne com aspecto de egípcio. Os japoneses não são europeus e a Miss Japão, a tal Ariana, é uma mistura de japonesa com negra. Se tu a achas feia, o problema é teu. Ela de certeza que se está a cagar para o que tu achas dela.

Sim e falta-te dizer que a raça amarela é superior à raça branca, hehehe.

Mas o muçulmano não é nenhum raça, filho... Não existem muçulmanos brancos para ti, né?

Sim, sim, por isso que o Tibete é da China, Xinjiang é da China, as ilhas Diaoyu são da China, Taiwan é da China... Combativa?? O que é que são os países muçulmanos todos unidos a nível militar contra a China???

CENSURADO AGAIN disse...

21 de abril de 2016 às 23:14

BURRINHO O PROJECTO INICIAL ERA DESTRUIR A ALEMANHA DEPOIS A EUROPA VÃO EXPANDINDO O ALVO VC QUE NÃO VE OS PADRÕES

CENSURADO AGAIN disse...

raça amarela é superior à raça branca

NÃO CONTES VANTAGEM ASSIM MESMO COM CEREBRO MAIOR POR QUE ENTÃO OS BRANCOS CRIARAM MUITO MAIS COISAS?

FireHead disse...

«BURRINHO O PROJECTO INICIAL ERA DESTRUIR A ALEMANHA DEPOIS A EUROPA VÃO EXPANDINDO O ALVO VC QUE NÃO VE OS PADRÕES»

Ai é? Foi isso que disse o Kalergi, destruir a Alemanha?? LOL.

«NÃO CONTES VANTAGEM ASSIM MESMO COM CEREBRO MAIOR POR QUE ENTÃO OS BRANCOS CRIARAM MUITO MAIS COISAS?»

Queres comparar o nível de desenvolvimento do Japão ou da Coreia do Sul com o da generalidade dos países europeus, queres?

Douglas Sulzbach disse...

Pois que assim seja, milhões de vezes uma China do que uma Arábia Saudita ou qualquer outro paraíso islâmico conquistar o mundo.
Assim são as coisas, passou-se o tempo da Europa, agora está a passar o dos Estados Unidos e está chegando o tempo da China e Ásia, até já penso em providenciar um curso de mandarim!

FireHead disse...

Douglas Sulzbach,

É isso enquanto esperamos que o comunismo da China continue a afrouxar e o Catolicismo continue a expandir-se de forma notável. Já que o Ocidente parece não ter futuro, pois que seja então a China a tê-lo.

Eu bem que já gostaria de saber falar mandarim e já foram algumas tentativas, mas aqui em Macau acontecem coisas verdadeiramente surreais: sendo Macau um território onde o português e o chinês são as línguas oficiais, ainda por cima tratando-se de uma plataforma que a China estabeleceu como uma ponte entre a China e os países lusófonos, como é possível ser tão difícil para alguém que não fale mandarim aprender mandarim? E também muito difícil para quem não sabe falar português aprender português?? Macau é uma comédia...

CENSURADO AGAIN disse...

Queres comparar o nível de desenvolvimento do Japão ou da Coreia do Sul com o da generalidade dos países europeus, queres?

BEM AQUELES ARRANHA CEUS DE TOKYO NÃO EXISTIAM ANTES DA OCIDENTALIZAÇÃO DUH

CENSURADO AGAIN disse...

POR SORTE NÃO SE OCIDENTALIZARAM AO NIVEL DA DETROITICE

CENSURADO AGAIN disse...

Catolicismo continue a expandir-se

KK DAI VIRAM MOLENGAS OCIDENTAIS E MORREM NA MESMA

FireHead disse...

«BEM AQUELES ARRANHA CEUS DE TOKYO NÃO EXISTIAM ANTES DA OCIDENTALIZAÇÃO DUH»

Sim, sim, e depois essa ocidentalização da Ásia superou a ocidentalização do próprio Ocidente. Irónico, né??

«POR SORTE NÃO SE OCIDENTALIZARAM AO NIVEL DA DETROITICE»

A cidade de Guangzhou já é conhecida como a cidade do chocolate. Então, é agora que vais deixar de acreditar também nos chinocas, é??? Vais chorar agora, vais??

http://bloguedofirehead.blogspot.com/2014/09/a-maior-comunidade-africana-da-asia.html

«KK DAI VIRAM MOLENGAS OCIDENTAIS E MORREM NA MESMA»

Não, assim salvam-se. Ao contrário de alucinados como tu que não só morrem "na mesma" como de qualquer maneira. KKKKKK.

Anónimo disse...

O meu medo da sinização do mundo é um possível retrocesso em termos de direitos humanos em todo o mundo, sobretudo no Ocidente, porque os direitos humanos (os verdadeiros direitos humanos, e não aqueles "novos" direitos inventados por abortistas e pessoal adepto da teoria do género), os direitos humanos têm como fundamento e raiz na nossa crença na dignidade da pessoa humana, enquanto ser criado à imagem e semelhança de Deus, que nos amou. Esta crença e ideia, que surgiu no Ocidente, marcado por séculos de Cristianismo, é um dos valores distintos da civilização ocidental... Um valor que não podemos encontrar na actual "civilização" chinesa (nem na actual, nem na antiga). E com a sinização do mundo, tenho medo que os resquícios deste valor (já fortemente atacado pelos defensores do aborto e da eutanásia) desapareceram... A noção de dignidade humana, como um valor que deve ser reconhecido pelo Estado e não um valor criado ou decretado pelo Estado, é uma ideia estranha à mentalidade chinesa... Para a China, os direitos são outorgados pelo Estado (ou seja, o Estado tanto pode dar, como retirar), enquanto que no Ocidente temos uma peculiar noção de que os nossos direitos são inerentes à pessoa humana, porque possuiu dignidade. E isto introduz-nos numa segunda questão, também pertinente: se é inerente à pessoa humana, isto quer dizer que esses direitos não dependem do Estado, das culturas, das sociedades e não são apenas uma "invenção" a aplicar nas sociedades ocidentais, mas sim, são universais! Para todos os povos! Não sei até que ponto num mundo "sinizado" haverá algum lugar para a preservação ou difusão dos valores humanistas ocidentais, que acreditamos serem universais! O meu medo da sinização (e também da islamização) do mundo resume-se basicamente a este aspecto central da nossa condição humana: a dignidade da pessoa humana.

FireHead disse...

Anónimo,

Por isso que temos que ter esperança de que a China melhore neste aspecto, até porque o crescimento do Cristianismo na China é um facto incontornável e pode ser que isso mais cedo ou mais tarde resulte em algo civilizacionalmente positivo. Repara que a China tem também vindo a melhorar na forma como vê os próprios direitos e até te posso dar o exemplo dos dos animais, havendo já muitos chineses das gerações mais novas que até são contra o consumo da carne de cão ou de gato, algo que sempre foi tradicional na China, bem como a existência de muitas associações dos animais. Em relação aos direitos humanos, hoje em dia já há uma maior consciência na China em relação aos mais idosos e mesmo no que diz respeito à situação das mulheres os passos dados são significativos. A República Popular da China - não confundir com a República da China (Taiwan) que é um mundo completamente distinto, para melhor - apesar de ser uma das poucas ditaduras (comunistas) do mundo, é mesmo assim das melhores também (não se pode comparar a RP China com a Coreia do Norte, Cuba, Laos ou o Vietname!) e ainda por cima tem tudo para ser a principal super-potência mundial. Enquanto o Ocidente definha - envelhecimento da população, islamização, africanização, substituição demográfica, etc. -, a população da China continua a crescer e a economia, apesar de estar em abrandamento, também é pujante. E digo-te com toda a sinceridade: antes um mundo chinês que o califado global. Pelo menos os chineses já deram provas suficientes de quem com eles os muçulmanos não fazem farinha.

Anónimo disse...

Bom, ter consciência acerca dos direitos dos animais (que são apenas relativos, porque os animais não possuem dignidade) não é o mesmo do que ter consciência dos direitos da pessoa humana... Eu nem sei até que ponto na cultura chinesa existe o conceito de pessoa humana tal como nós conhecemos aqui no Ocidente... Eu bem sei que a China tem todo o potencial para ser uma super-potência mundial, com uma economia pujante e com grande potencial de desenvolvimento humano.
Mas, lamento não partilhar do seu optimismo, até porque no Ocidente foi necessário séculos para que a ideia da dignidade da pessoa humana entrasse definitivamente na consciência colectiva... Não sei se num espaço de 50 ou 100 anos a China consiga entender a ideia da dignidade da pessoa humana, que, como já referi, apesar de ter surgido no Ocidente, não é uma ideia exclusiva do Ocidente, mas sim uma ideia universal, porque todos (ocidentais e orientais) fomos criados por Deus. Ainda por cima, a civilização da China (refiro-me à China Continental) já não é o que era, já não é aquela civilização que tanto fascinou os jesuítas (ex: Matteo Ricci), mas sim uma cultura descaracterizada por sucessivos desastres civilizacionais e humanitários, como a Revolução Cultural (cujas consequências nefastas ainda se notam na mentalidade chinesa moderna) e o actual consumismo materialista desenfreado (aliado ao materialismo das elites do Partido, que ainda não conseguem ver o papel vital da liberdade religiosa no desenvolvimento da pessoa humana). E a tendência totalitária do Estado chinês, ainda profundamente marcado pelo materialismo marxista, assusta-me, porque o materialismo, no fundo, é incompatível com o Cristianismo...

FireHead disse...

Exactamente. O problema da China, meu caro, é mesmo isso, o comunismo. O comunismo está a corroer a China e os chineses por dentro e a destruir a sua própria civilização, as suas próprias tradições, culturas, etnias e dialectos em nome duma uniformização, uma remodelação identitária. Afinal de contas não é isso que consiste o comunismo, fazer do todo uma coisa comum? Muitos chineses que estão emigrados reconhecem que muito do que resta da memória colectiva da China já só se encontra praticamente em Macau, Hong Kong e Taiwan - terras onde o comunismo não é lei (embora Macau e Hong Kong, por já fazerem parte da China, estejam a sofrer um processo de... sinização). Com o comunismo a prática religiosa é controlada, os católicos são obrigados a designar-se como patrióticos e negarem a sua ligação espiritual ao Vaticano, mas acredito que estão a dar-se passos, pequenos mas firmes, rumo a uma mudança que, é claro, não será nunca assim tão vistosa. Mas pelo menos sempre seria alguma coisa. A liberdade de expressão é um bom exemplo. Hoje em dia o povo chinês já goza de muito mais liberdade. Afinal de contas, o comunismo chinês já não é o comunismo puro e duro de outrora, mas sim mais comodismo ou comunismo caviar, caso contrário como poderia a China hoje em dia ser a 2ª potência mundial, ter já um considerável número de ricos e permitir o investimento estrangeiro? Deng Xiao-ping abriu a China ao exterior afirmando uma mudança da política "Um País, Dois Sistemas", facto que acabou por ser benéfico para o país... Mas, lá está, ainda há muita coisa a fazer...

Pessoalmente eu distingo a China enquanto nação daquilo que a governa, que é o comunismo. Os chineses não são todos comunistas e os chineses também não são todos eles um povo sacana, porco, feio e mau. Até porque a Taiwan também é China e os taiwaneses pouco ou nada têm a ver com o grosso da população chinesa continental, têm outros valores (ocidentais), são livres para praticar as suas religiões e possuem a democracia. Afinal de contas, Taiwan é que é a verdadeira herança do cristão Sun Yat-sen, para mim é a verdadeira China em termos políticos e mesmo civilizacionais.

Voltando ao Cristianismo, felizmente na China continuam a existir verdadeiros católicos que, apesar das perseguições que sofrem, continuam a seguir o seu caminho em frente orgulhosos da sua fé. E o seu número não pára de aumentar. Vamos ter fé e acreditar.

Anónimo disse...

Pois é, gostaria de acreditar, porque a China é um grande país... Acredito que a maioria dos chineses não sejam comunistas, mas toda a sociedade chinesa (i.e. China Continental e até mesmo Macau, daquilo que sei) está minada pelo materialismo consumista... E enquanto a visão materialista do mundo e do Homem não for erradicado da consciência colectiva chinesa, acho que dificilmente a China será um grande país em termos civilizacionais... E este problema é mais profundo do que o problema do governo do país ser o Partido, cuja versão "soft" do comunismo partilha com o consumismo um fundamento comum: o materialismo. E o capitalismo que está a ser praticado pela China é apenas a forma selvagem do capitalismo, porque a essência do capitalismo, que é a liberdade individual, ainda não está a ser plenamente reconhecido na China... E um dos meus medos é que o actual Presidente queira apenas utilizar a forma do capitalismo (ou seja, os mecanismos capitalistas de criação de riqueza) para criar uma sociedade cuja essência seja socialista e estatizante... Ou seja, juntar o pior dos dois mundos: os mecanismos capitalistas (geradores de grande injustiça e desigualdade se descartarmos o fundamento moral do capitalismo, que é a liberdade da pessoa humana, que possuiu dignidade) e a essência socialista (cujo fundamento é o materialismo, que nega que o espírito seja substancialmente diferente da matéria, negando assim que Deus seja uma entidade espiritual e pessoal completamente independente e anterior à matéria). Se calhar estou a ser pessimista, mas algumas notícias que li sobre a actuação do Presidente deixa-me um pouco assustado sobre este meu medo e também sobre a possível deriva totalitária do Estado chinês...

FireHead disse...

O que é um facto é que o Xi Jinping entrou assim de mansinho, começou por conquistar a simpatia das pessoas... e não é que agora está finalmente a revelar-se??? É tão bonzinho como o Papa Francisco, estão bem um para o outro.

Anónimo disse...

Bom, também não podemos comparar o imcomparável...

FireHead disse...

E agora a nova: para além das religiões, o governo central comunista chinês também quer controlar as ONG's estrangeiras. Se a polícia não gostar delas, elas simplesmente terão que bazar.