domingo, 3 de abril de 2016

Conhecido actor diz que o aborto é um pecado, logo foi criticado


O conhecido actor inglês Jeremy Irons, de 68 anos e que podemos ver no papel do mordomo Alfred no recente filme Batman v Superman, disse numa entrevista ao jornal britânico The Guardian que "o aborto causa dano à mulher, é um grave ataque mental e às vezes físico", agradecendo à Igreja Católica por considerar o aborto um pecado. A sua posição já foi, como não podia deixar de ser, fortemente criticada pelos desmiolados dos abortistas: a revista Marie Claire, premiada em 2008 pela maior multinacional abortista do mundo, a Planet Parenthood, e cuja presidente foi considerada pelo irracional do Barack Hussein Obama uma "super-heroína" - o Donald Trump prometeu acabar com a Planet Parenthood caso vença as eleições -, acusou o actor de ter feito "declarações gravemente irresponsáveis e longe da verdade", pois, alegou a revista feminista, o aborto "é um procedimento seguro e em muitos casos pode salvar uma vida". Por sua vez, a jornalista Madeleine Davies, do site Jezebel.com, do grupo Gawker Media que enfrenta um processo judicial nos Estados Unidos por difundir um vídeo sexual do ex-lutador Hulk Hogan, qualificou Jeremy Irons de "estúpido saco de peido".
Jeremy Irons, que se afirma católico apesar de já ter coleccionado um divórcio, reconhece, como qualquer pessoa com dois palmos de testa, que "a nossa sociedade está baseada numa estrutura cristã" e advertiu que "se tiramos esses valores religiosos, então, tudo seria válido e isto seria terrível, e com frequência estaríamos em sérios problemas". Quanto aos abortistas, não foram abortados pelas suas próprias mães em tempo oportuno e depois é isto...

6 comentários:

Lura do Grilo disse...

Parabéns ao actor. Grande coragem! Tem muito a perder em ser verdadeiro.

Adilson disse...

Eu acompanho, ainda de que de forma não constante, as filmografias de Jeremy Irons. Na verdade, ele faz parte de uma geração de atores sérios. Independentemente dos filmes em que atuam, Irons e esses atores são aquela espécie de pessoas que ainda possuem cérebro. Ainda se servem da lógica em seus discursos e não deixam a liberdade de falar em casa. Creio que os dias de pessoas como Jeremy Irons estão com os dias contados, pois essa corja vão atacá-lo sem piedade. Vão fazer com ele o que fizeram com Mel Gibson e Jim Cavizel. Estamos numa época em que tudo o que tem aparência de ser contra o politicamente correto deve ser extinto. Até Charlton Heston percebeu esse politicamente correto tenebroso estava em ascensão.
Rezemos por Irons.


Abraço.

FireHead disse...

Lura do Grilo,

Vamos esperar que o Trump cumpra com a sua promessa de acabar com a Planet Parenthood se vencer as eleições.

FireHead disse...

Adilson,

O Jim Caviezel realmente nunca mais foi o mesmo desde que fez o filme Paixão de Cristo. O filme acabou com a carreira dele. Bem lhe tinha avisado o Mel Gibson, mas mesmo assim o actor aceitou o desafio de interpretar Jesus Cristo e não se arrepende da decisão.

http://bloguedofirehead.blogspot.com/2011/05/paixao-de-cristo-arruinou-lhe-carreira.html

O mesmo actor chegou também a dizer que o aborto é o grande pecado da América:

http://bloguedofirehead.blogspot.com/2015/08/o-aborto-e-o-grande-pecado-da-america.html

Por fim, e como muito bem disse o Donald Reagan, "Percebi que todos aqueles que são a favor do aborto já nasceram". Logo, não reconheço moral nenhum nos abortistas.

Adilson disse...

Bem lembrado, nobre FireHead, bem lembrado. De certa forma tudo isso me deixa muito entristecido, pois tenho filhos pequenos e certamente eles hão de se deparar com tudo isso quando a idade adulta a eles chegar. Mas já os alertei: estejam prontos para tudo! Digo isso porque, eu mesmo já fui à escola deles reclamar de livros didáticos que ensinam a liberação sexual como algo normal para criança, e até escrevi meu blog sobre o assunto (http://agathon2009.blogspot.com.br/2015/08/a-revolucao-totalitaria-nas-escolas-e.html)

Aliás, qualquer pessoa que se oponha ao politicamente correto são atacados covardemente. Por mais que se aponte e se demonstre por meio de bons e rigorosos raciocínios que o aborto é uma prática monstruosa, nada parece convencer. Basta olhar teu blog que logo se vê o quanto já te perturbam em muitos outros temas. Ainda bem que tens fôlego, sabedoria e boas informações para lhe dá com as lutas. Enfim, rezemos pelas eleições dos EUA neste ano, e que Trump esmague!

Abraço.

FireHead disse...

Hoje em dia existe um fascismo muito bem disfarçado e que persegue com mais ou menos eficácia, qual PIDE + Gestapo + KGB (polícia do politicamente correcto), todos os que se atrevem a pensar de maneira diferente, ora porque são "retrógrados" ou "conservadores" (cristãos), ora porque são "extremistas" ou "radicais" (nacionalistas). É uma agenda maçónica que nos está a ser imposta, quer nós gostemos quer não. Quem no-la impõe acredita que isso é que está certo e é necessário, qual messianismo salvífico para a humanidade. A estratégia está muito bem montada e agentes para isso não faltam: esquerdistas e feministas, só para citar dois dos melhores exemplos na questão do aborto.

Os EUA precisam urgentemente de alguém como o Trump. Aliás, ele nem seria o primeiro "extremista" presidente. Muitos outros, como os primeiros presidentes já eram assim: "conservadores", "tradicionalistas", "religiosos". Afinal de contas, os EUA, apesar de serem de origem maçónica, contaram com um enorme contributo WASP (White Anglo-Saxon Protestant) na sua relativamente curta história enquanto nação.

Quanto ao fôlego, isso arranja-se. Afinal de contas nós temos a liberdade de fazermos o que bem queremos e entendemos nos nossos próprios blogues, ou não é assim?

Um abraço.