terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Socorro, selecção de arianos!


A selecção alemã de andebol conquistou o título de campeão europeu da modalidade recentemente na Polónia e está agora no centro de uma polémica que surgiu com o filósofo e editor da revista Philosophy Magazine, Wolfram Eilenberger. Então não é que este anormal veio dizer que o time, como dizem os brasileiros, da Alemanha é, e passo a citar, "demasiadamente alemão e até 'nórdico ariano'"? "A bem sucedida equipa não tem um só jogador com pele escura ou sequer de compleição mediterrânica. É, além disso, uma equipa sem quaisquer antepassados migrantes... Listámos os nomes dos jogadores (...). Isto deve ser difícil de alcançar em 2016 neste país. Aparentemente, este desporto ficou socialmente estagnado algures há 30 anos", disse Wolfram, que não poupou também o treinador, o islandês Dagur Sigurðsson, porque este "se adequa perfeitamente na imagem nórdica ariana" e também por ter deixado o único jogador de ascendência estrangeira de fora, não tendo feito um único jogo durante o campeonato. Para este suíno, o futebol é que é, apesar de o considerar "feminizado". Felizmente a sua observação foi devidamente criticada, tanto pelo sítio internético da Zeit como também pela própria Associação Alemã de Andebol, que considera aplicar uma acção legal contra Wolfram.
Mas que coisa, onde é que está o problema no facto de uma selecção desportiva alemã ser toda ela composta por brancos? Haveria de ter assim tantos negros como tem a selecção francesa de futebol, é? E as selecções africanas também têm muitos brancos, têm? E as selecções asiáticas também?

4 comentários:

Anónimo disse...

A compleição mrditerranea é quase a mesma que a nordica . a cor de pele e fenotipo comum a iker casilias ,fernando alonso e berluscini representa o habitante médio do mediterrãneo.

FireHead disse...

Tirando o facto dos nórdicos serem mais branquinhos que os mediterrânicos, talvez.

Anónimo disse...

E quem fala da França fala de Portugal. Vem tudo de Africa e do Brasil. Os colonizados voltam para colonizar ao contrário e responder na mesma moeda à história e o trouxa tuga pseudo patriota tem de bater palmas. É por isso que muitos nacionalistas deixaram simplesmente de apoiar a selecção, especialmente a de futebol porque nao se revêm nos espécimens que a representam.
É por isso que a Alemanha é superior com uma seleção composta por autóctones ao menos mantém a coexão e união. Fosse uma seleção de todas as cores e culturas nunca mais ganharia nada.

FireHead disse...

A selecção alemã de futebol foi campeã do mundo com jogadores como Özil, Boateng ou Klose. E, já que falaste na França, a França foi campeã do mundo em 1998 com muitas cores. Havia até entre eles um luso-descendente que era o Robert Pires. E agora?

Nos tempos do Estado Novo, em que tinha como lema "tudo pela nação, nada contra a nação", o povo vibrava com a selecção onde jogavam Eusébio, Coluna, Vicente e afins. O nacionalismo só tem necessariamente a ver com a raça ou a proveniência se estiver errado. E se os nacionalistas, como dizes, deixaram de apoiar a selecção então é porque não são verdadeiramente nacionalistas. Conheço casos extremos de gente que se caga literalmente para o seu país só porque vê a sua selecção com gente que não quer lá ver. Ora, colocar a raça acima da nação não é estupidez, é demência.