segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

O cartaz do BE e a matriz civilizacional ocidental

O Partido Nacional Renovador (PNR), uma espécie de pesadelo para os idiotas úteis e islamófilos incorrigíveis que não merecem a nacionalidade portuguesa - seria um favor que fariam à nação portuguesa abdicarem da nossa nacionalidade já que não suportam o direito à liberdade de expressão quando não lhes agrada -, não perdeu a oportunidade de atacar o Bloco de Esterco por insultar os cristãos:

Artigo "Overdose do Bloco". Já agora, o líder do PNR, José Pinto-Coelho, é profundamente católico
O “berloque” de peito-cheio, por estar no poder, resolveu dar um ar de sua desgraça e insultar todos os cristãos. 
Sabemos que o “berloque” é uma manta de retalhos, em que várias tendências co-habitam em torno de causas fracturantes, procurando corromper valores, procurando denegrir as instituições na procura de uma sociedade, na qual valha tudo menos tirar olhos. 
Muitos portugueses foram enganados por este partido que, usando o engodo das causas sociais, visa sobretudo fazer passar a sua agenda degradante e degradada. 
O projecto de “outdoor” para agradar a uma das suas facções, talvez a mais provocadora e mais perigosa, já que junta gente sem o mínimo de valores, a saudosistas dos tempos da LUAR e das FP25, merece o repúdio de todos os portugueses. 
Não foi um tiro-no-pé do BE, mas sim o destapar da pele de cordeiro, deixando antever o lobo escondido, pronto a todas as perseguições dos tristes tempos do PREC. 
Não acreditamos que o projecto vá para frente, já que o “berloque” tem medo de perder ainda mais votos. Mas caso insistam na provocação, desafiamos os criativos deste partido a fazer umas imagens, nas quais retratem também o islamismo. Os temas a abordar são muitíssimos, desde a pedofilia, à violência sobre as mulheres.

Eu não sou militante do PNR, como os leitores deste blogue já devem saber, porque o PNR é também uma manta de retalhos, mas aqui não podia estar mais de acordo com o partido nacionalista português. Ainda assim, o cartaz do Bloco de Esterco, partido dos neotrotskystas de Portugal, foi mais positivo do que propriamente negativo. Pessoalmente não fiquei incomodado com o cartaz porque ele foi bastante útil ao Cristianismo, não tendo percebido isso quem anda completamente a leste - ou então sofre de perturbações anticristãs muito fortes, como por exemplo ateus que até são capazes de negar factos históricos como a existência de Jesus Cristo. Desde já porque o Bloco de Esterco reconheceu a existência de Deus e por conseguinte do Cristianismo, que é apenas algo que está intimamente ligada à nossa matriz civilizacional por muito que isto doa aos citados idiotas que sofrem de perturbações anticristãs. Segundo porque a fórmula falaciosa usada pelo Bloco de Esterco não passa disso mesmo: uma falácia. Jesus teve um pai humano adoptivo, São José, e tinha um Pai espiritual - que na verdade é Ele Próprio porque Deus é uma Trindade, mas deixemos as questões teológicas de lado -, algo que a nova lei não reconhece como existente, logo um pai espiritual não pode ser atribuído às crianças, além de que Deus e São José não formavam um "casal gay". Terceiro, o caso de Jesus na verdade nem sequer pode ser aplicado à nova lei, pois Jesus teve uma família tradicional, isto é, uma família verdadeira, composta pelo pai, pela mãe e pelo(s) filho(s) - o direito a ter um pai e uma mãe é um direito que não pode ser negado às crianças. Por fim, e aproveitando a deixa do PNR, porque é que o Bloco de Esterco não aproveita também para fazer o mesmo em relação ao Maomé para incentivar, por exemplo, a chamada de atenção para outras "causas fracturantes" como a pedofilia ou a poligamia que são permitidas pelo islão? Não nos podemos esquecer que, afinal de contas, o esquerdume é responsável por hoje em dia vivermos numa época tão oportuna à diversidade e à aceitação do que é diferente em nome da vaca sagrada que é o multiculturalismo...

Esta é a bandeira de Portugal dos que negam as suas origens
Não é por já termos passado do século XV que Portugal deixou de ter sido fundado graças ao Cristianismo. Não é por já estarmos no século XXI que a História se altera. Pelo contrário, esquerdismos como o agnosticismo, o ateísmo e mesmo o paganismo são coisas alógenas àquilo que é Portugal. O quê, o grande Viriato era pagão? Pois com certeza que era, e depois? Afinal de contas, o lusitano nunca chegou a conhecer a religião revelada por Deus que é o Cristianismo, e não importa se ela é ou não de origem semita como é a deliciosa alheira porque, se quisermos ir por aí, então também todos nós, seres humanos, somos de origem africana - ou se quisermos ir ainda mais longe, de origem extraterrestre, de acordo com o fenómeno da panspermia (um excelente argumento para o criacionismo!). E os lusitanos não são portugueses, mas sim os antepassados dos portugueses. Quando a nação portuguesa foi fundada, por D. Afonso Henriques, já o povo era cristão, excepto os muçulmanos que pululavam na Península Ibérica e que ainda hoje adoram o ídolo lunar árabe de Meca Alá.

Nas suas andanças pelo mundo - a descobrir, a mercadejar, a propagar a 
fé - impôs-se sem hesitações a conclusão: português, logo católico (Salazar)
Dizei-lhe que também dos portugueses alguns traidores houve algumas vezes! 
(Luís Vaz de Camões, "Os Lusíadas" Canto IV- 33)
De um lado os verdadeiros portugueses - católicos e patriotas - e de outro lado os falsos portugueses, os traidores. Sempre foi assim.

2 comentários:

Adilson disse...

Novamente.

Rapaz, sinceramente: a loucura está são às claras nas nações que já é praticamente impossível o fingimento! Eu não tinha ideia do que estava acontecendo na Europa em termos de bandidagem e loucura políticas! É como se um exército de loucos houvesse fugido dos manicômios e decidisse fazer política. Quem dera o fosse! E aí é que está a desgraça: essas pessoas passaram pelas escolas! Essa pessoas sabem usar até computadores e celulares, também sabem dirigir! Enfim, como nos disse o maior filósofo brasileiro, Mário Ferreira dos Santos: " é a invasão vertical dos bárbaros"!

Até!

FireHead disse...

Por muito que tentem arranjar mil e uma maneiras para negar a verdade, ela acaba sempre por vir ao de cima. Mas, para os outros, nós é que estamos mal, somos fanáticos, lunáticos e já chegámos ao ponto do sem retorno...