sábado, 31 de janeiro de 2015

Mulher publica fotos suas em que aparece nua para combater a humilhação


Durante dois anos, um ex-namorado da jornalista dinamarquesa Emma Holten publicou na Internet fotos em que ela aparece nua, o que levou a que ela recebesse no Facebook e correio electrónico inúmeras mensagens de rebarbados do género: "Os teus pais sabem que és uma prostituta? Qual é a história por trás desta foto? Manda-me mais fotos nuas ou vou enviar isto para o teu patrão". Vai daí, decidiu ela própria colocar fotos que mostram as suas mamocas e assim aproveitar para lutar contra a objectificação do corpo feminino. Contactou uma fotógrafa profissional e decidiu mostrar que não é errado tirar fotografias e partilhá-las, mas sim a usurpação.


Mas espera lá, Emma, uma pessoa que veja as tuas fotos não tem como saber a motivação por detrás delas. Em termos práticos nada mudou. Tu continuas a poder ser vista como um objecto sexual.


E olha lá, Emma, quando namoravas com o gajo que publicou as tuas fotos na Internet, não partilhavas fotos com ele? Quem é que te mandou não teres fotos em que ele aparece nu??

As mulheres traídas são as que inventam mais desculpas para não ter sexo

 
Uma confirmação que não constitui nenhuma novidade: um inquérito do site Victorian Milan, um portal de relacionamentos para mulheres e homens comprometidos, indica que a rejeição sexual por parte de um dos membros do casal, geralmente mulheres como é óbvio, é uma das principais razões que conduzem à traição. Além disso, o inquérito diz também que as dores de cabeça são a pior e a mais frequente desculpa que as mulheres usam quando não querem fazer sexo. Também aí não há novidade nenhuma.
O sexo é mesmo muitíssimo importante, vital mesmo, num relacionamento, né?? Sem sexo não há amor que resista.

Ex-basquetebolista massacra família por ciúmes


Jonathan Walker, antigo basquetebolista americano do Sangalhos, de Anadia (Aveiro), matou a sua família no bairro nova-iorquino de Queens. Jonathan abateu a sua mulher, filha mais nova, de sete anos, e a sogra a tiro antes de se matar. Na origem está a desconfiança de que a mulher o traía com outro homem e o crime surpreendeu todos os que o conheciam. "Fiquei chocado. Já falei com outro treinador e atletas da mesma altura e estamos todos em choque", afirmou Emanuel Seco, antigo treinador do Jonathan em Portugal. Segundo ele, Jonathan era "pacato, afável, educado, metido consigo mesmo e alguém que nunca causou problemas." Do massacre apenas sobreviveu a filha mais velha, de 12 anos, que alertou as autoridades.

«A minha vida terminou»

 
O futebolista Hugo Vieira, que pertenceu aos quadros do Benfica, perdeu a sua noiva, Edina Carvalho, vítima de cancro, no passado dia 24 de Janeiro. O jogador de 26 anos, que representava os russos do Torpedo de Moscovo, escreveu no Instagram que "A vida roubou-me o maior 'troféu'. Obrigado pelas milhares de mensagens de apoio. Parte da minha vida terminou hoje, senão a vida inteira... A pessoa que mais me mudou e melhor me compreendeu! És a única razão da minha existência, amor da minha vida! Descansa em paz e até já". A doença de Edina, que tinha 31 anos e era professora de Educação Física, foi diagnosticada há cerca de dois anos. Hugo sempre a apoiou, tendo inclusivamente chegado a rescindir o contrato com os espanhóis do Sporting Gíjon em 2013 para poder regressar a Portugal e acompanhar o início dos tratamentos da namorada.
Requiescat in pace.

Risco de pobreza aumenta e atinge quase dois milhões de portugueses



♪ Grândola, Vila Morena 
♪ Terra da fraternidade 
♪ O povo é que mais ordena 
♪ Dentro de ti, ó cidade 
♪ ... ♫

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Criança de 9 anos ganha mais de 1 milhão

 
Este é mais um caso de sucesso fabricado pelo Youtube: o puto Evan, de apenas nove anos, tem mais de um milhão de seguidores e fez mais de um milhão de dólares por causa das visualizações que tem os seus vídeos de análise e críticas a brinquedos (já atingiu mais de mil milhões de visualizações). A fortuna chega em forma de cheque no final do ano. Tudo começou quando o seu pai, Jared, que tem uma empresa de produção de vídeo, resolveu partilhar os vídeos do Evan no Youtube porque este queria que os seus amigos pudessem vê-lo a brincar em frente à câmara. Foi assim que nasceu o EvanTube há quatro anos atrás. Agora, para além do Youtube, Evan tem um site próprio e está também em força no Facebook, Twitter e Instagram. O seu negócio envolve uma equipa de vendas que negoceia anúncios e outros acordos com várias marcas como a Lego ou a Kinder. Jared, que diz que os lucros do EvanTube vão para poupanças e investimentos para Evan e a sua irmã, tenta manter a privacidade ao não revelar nunca o apelido ou a morada da família nas entrevistas.

Amai a pátria, jovens!

 
Vai avançando o (natural e esperado) processo de chinesificação imposto aqui em Macau: o director do Gabinete de Ligação do Governo Central em Macau, Li Gang, apelou às escolas do território para reforçarem a educação sobre a cultura chinesa porque é importante que os jovens tenham "valores correctos" e "reforcem os seus conhecimentos sobre a pátria" para se identificarem com ela.
Por falar nisso, em Hong Kong houve uma iniciativa governamental em 2012 que visava a "educação patriótica" e que consistia na implementação de uma disciplina obrigatória sobre a educação nacional no currículo escolar, o que motivou manifestações e obrigou o governo a retirar a proposta. Em Macau tal coisa dificilmente aconteceria, pois o povo chinês de Macau é mais cordeirinho.
Seja como for, de certeza absoluta que até 2049 Macau já estará completamente chinesificado, contra a vontade dos parolos e utópicos, como alguns portugueses aqui radicados e habituadíssimos ao modo de vida ocidental que ainda por cá vai havendo enquanto a China permitir, que acreditam que a grande mãe China é que devia aprender alguma coisa com o exemplo de Hong Kong e de Macau.

3 toneladas de gatos chineses apreendidas no Vietname


A polícia vietnamita apreendeu três toneladas de gatos importados ilegalmente da China que vinham dentro de um camião e que eram destinados ao consumo humano na capital do país, Hánoi. O "pequeno tigre", como é conhecido o gato no Vietname, é um prato típico muito apreciado pelos vietnamitas apesar do seu consumo ser oficialmente proibido. Dezenas de restaurantes de Hánoi ainda hoje em dia servem essa "iguaria nacional" e não é por acaso que na capital do Vietname vê-se poucos gatos vadios e mesmo os donos dos gatos têm medo que estes sejam roubados e vendidos aos restaurantes. A escassez de gatos (e também de cães, outra carne muito apreciada pelos vietnamitas) faz com que exista o tráfico ilegal destes animais, geralmente provenientes da China, da Tailândia ou do Laos. O condutor do camião, que confessou que foi comprar os gatos à província chinesa de Quang Ninh, acabou preso. Os gatos, porém, não deverão ter muita sorte, pois apesar de não virarem iguarias, deverão ser destruídos porque assim exige a lei vietnamita em relação aos produtos contrabandeados...

A pena de morte é a vontade do povo

Mais de 80% da população japonesa votaram a favor da manutenção da pena de morte no país do sol nascente na última sondagem efectuada, afirmou a ministra da Justiça nipónica, Yoko Kamikawa (na foto), à imprensa local. "A maioria das pessoas acredita que (a execução) é inevitável para aqueles que cometeram crimes extremamente graves", frisou, citada pelo jornal Asahi.
Com a chegada ao poder do actual governo, em Dezembro de 2012, já foram executadas no Japão 12 pessoas. Trata-se, para Yoko Kamikawa, de uma questão associada à identidade japonesa. "(A pena de morte) é um assunto que diz respeito ao povo japonês".
O Japão é juntamente com os Estados Unidos, ainda que apenas em alguns Estados, os únicos países democráticos do mundo que têm a pena de morte.

Homem armado invade estúdio de TV na Holanda


 
Um homem armado invadiu o estúdio de uma estação pública holandesa, a NOS1, e exigiu tempo de antena. Identificando-se como sendo de um "colectivo de hackers" que foi "contratado por agências de espionagem", garantiu que não é "má pessoa" e que o que estava a fazer era "pelos cidadãos". Poucos minutos depois, a polícia interrompeu o directo e deteve o homem. O director do NOS, Jan de Jong, disse à rádio pública que não sabe como é que ele conseguiu entrar nas instalações, em Hilversum, a 30 Km de Amesterdão, pois estas têm "um elevado nível de segurança".
É engraçado como pelo menos o Diário de Notícias se esqueceu de dizer que o homem é muçulmano e chama-se Tariq Zahzah. Se calhar não convinha...

O PS pode ter começado a perder as eleições

A reacção da esquerda portuguesa à vitória do Syriza ficará na história da política portuguesa como o dia de todos os disparates. Entende-se que o Bloco de Esquerda celebre a vitória do Syriza, dada a proximidade entre os dois. As celebrações do PS e do PCP são incompreensíveis. O “PS grego” (o PASOK) teve cerca de 5% dos votos. Alguém consegue perceber o que celebrou o PS? Quanto aos comunistas gregos (ideologicamente muito próximos dos portugueses) alcançaram 5,5%. Será que o PCP comemorou o facto dos comunistas gregos terem mais 0,5% do que os socialistas gregos?
 
Alguns dirigentes do PS encontraram rapidamente argumentos para justificar a sua dupla alegria: a vitória do Syriza e a derrota do PASOK. O deputado João Galamba excedeu-se no disparate. Notem o raciocínio. A derrota do PASOK resultou da sua coligação com a direita, a Nova Democracia. Eis assim a lição grega: se um partido de esquerda se alia à direita, corre o risco de extinção. O que acontecerá então a um partido de esquerda, o Syriza, que se alie a um partido de extrema direita, como os Gregos Independentes? Estará Galamba, com a sua esperteza fulgurante, a anunciar já o fim do Syriza? Pode ter mais razão do que julga. Ou, pelo contrário, para Galamba, a aliança com a extrema direita constitui a receita para uma vida política cheia de sucesso? Se o pensamento de Galamba fizer doutrina por essa Europa fora, ainda nos arriscamos a ver o PS francês aliar-se à Frente Nacional ou os trabalhistas britânicos ao UKIP.
 
Com a mesma tese, Galamba ataca as opções políticas de uma série de partidos socialistas europeus, parceiros do PS no mesmo grupo político do Parlamento Europeu. Na Áustria, na Alemanha, na Irlanda, na Holanda, os respectivos partidos da família socialista estão aliados a partidos de direita. O deputado socialista renega ainda a história do seu partido, que se aliou aos PSD e ao CDS durante momentos de crise, e não consta que tenha desaparecido. O objectivo desta linha do PS é impedir uma coligação do PS com o PSD (ou o CDS) após as eleições deste ano, e legitimar o BE como um parceiro de coligação.
 
António Costa tem que ter cuidado com a tentação fácil de procurar créditos políticos nas vitórias de outros. O fracasso e a divisão do Syriza é o cenário mais provável. A associação da sua credibilidade política ao futuro do novo governo grego parece um acto de quase suicídio. Daqui a uns meses, poderá arrepender-se desta onda de entusiasmo grego e de ter dado uma imagem de precipitação e irresponsabilidade aos portugueses. Se a receita do Syriza fracassar, os portugueses poderão deixar de olhar para o PS como uma alternativa de governo credível. Se os socialistas se associam a projectos políticos que fracassam, por que razão os portugueses iriam votar no PS? As vozes sensatas do PS, como Francisco Assis ou Vital Moreira ou outros, não têm nada a dizer? Vão assistir à “blocalização do PS” em silêncio?
 
 
João Marques de Almeida
in Observador

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Αλέξης Τσίπρας (Alexis Tsipras), o espartano

The Rock terá provocado Ronaldo

 
O actor e lutador profissional de Wrestling Dwayne Johnson, um americano mestiço afro-samoano mais conhecido por The Rock, foi acusado por alguns meios de comunicação de ter provocado Cristiano Ronaldo depois de ter aparecido em fotos com uma t-shirt com o número 7, o número que o madeirense usa. Segundo rumores, The Rock poderá ser o responsável pela separação de Ronaldo e Irina Shayk depois de ter contracenado com a russa no filme 'Hércules', provocando ciúmes ao jogador do Real Madrid. De acordo com o Correio da Manhã, o número 7 para The Rock é um número simbólico, pois ele tinha apenas sete dólares no bolso quando em 1995 teve que voltar falido para a casa dos pais. 20 anos depois, juntou-se à marca Roots of Fight e criou uma linha de t-shirts com o logotipo People's Champ (Campeão do Povo) e o número 7 em referência ao dinheiro que tinha na pior fase da sua vida.

Ilegais e traficantes detidos no Fogueteiro

 
No Fogueteiro, Amora, concelho do Seixal, a Esquadra de Intervenção e Fiscalização Policial da Divisão Policial do Seixal, em conjunto com a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), realizou, no dia 26, uma operação de fiscalização num estabelecimento de restauração e bebidas na sequência de diversas reclamações por ruído e distúrbios diversos. Resultado: suspensão temporária da actividade por desrespeito das normas de higiene e segurança alimentares, detenção da exploradora do estabelecimento que é uma mulher de 35 anos que está no país de forma ilegal e por traficar cocaína, e de dois homens, de 23 e 25 anos, um deles por permanência ilegal em Portugal e posse de 372 doses de cocaína e o outro por posse de 42 doses de haxixe. Os detidos ficaram com a medida de coacção termo de identidade e residência, com os dois ilegais a terem que se apresentar mensalmente no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).
Apresentações mensais? Mas que merda é esta, pá?? Os gajos estão ilegais! É mandá-los embora e pronto! Eles que vendam droga na terra deles! Enfim, é a justiça abrilesca uma vez mais no seu melhor...

Portugal, aprende com a Eslováquia, ou pelo menos com a Itália!

Conjunto de edifícios da Rua da Palma que vai abaixo por causa da nova mesquita
Vai haver uma nova mesquita em Lisboa, a Praça da Mouraria, que deverá custar cerca de três milhões de euros aos contribuintes. Este avanço na islamização em Portugal surge após um acordo firmado há dois anos entre a Câmara súcia de Lisboa liderada pelo futuro primeiro-ministro português, o lisboeta de origem goesa António Costa, e o Centro Islâmico do Bangladesh - Mesquita Baitul Mukarram, que sabe perfeitamente que essa zona em questão é uma "zona cuja história remete para a manutenção da presença islâmica na cidade após a Reconquista Cristã".
 
Estimativa da população islâmica na União Europeia
Este é um projecto que vai servir de plataforma para o avanço da islamização primeiro em Lisboa, a cidade da "tolerância", e depois o resto do país. Portugal infelizmente não quer aprender a lição através dos seus congéneres europeus que já estão a arcar com as consequências da invasão islâmica. De facto Portugal ainda é um dos países com uma pequena comunidade muçulmana em relação a muitos outros países europeus, mas estes também começaram precisamente com uma pequena comunidade muçulmana antes de terem hoje as cada vez mais influentes e potencialmente perigosas resistências hostis às suas nações e civilização. Porque é que a Câmara de Lisboa, com tanta obra mais importante para fazer, tanto património para recuperar e manter, assistência social para colmatar, etc., vai financiar a merda duma mesquita? Porquê mandar abaixo um conjunto de prédios integrados na malha urbana e ainda por cima bem conservados? Isto não é gozar com os portugueses?? Pior: isto não é trair a História de Portugal?? Quantas igrejas é que estão actualmente a ser construídas em países islâmicos como o Bangladesh?
 
O primeiro-ministro eslovaco
Por falar na traição à História cristã de Portugal, a Eslováquia admitiu, através do seu primeiro-ministro, Robert Fico, que o país é dominado pela Igreja Católica e, como tal, "não podemos tolerar o influxo de 300 a 400 mil imigrantes muçulmanos que construiriam mesquitas em todo o país e empenhar-se-iam na mudança da natureza, cultura e valores do Estado" e admitiu que certas pessoas de determinadas etnias estão a ser monitorizadas com muito cuidado. "Muitas dessas pessoas destes grupos são de origem estrangeira, mas também há pessoas que são cidadãs do nosso país e que agem duma maneira que levanta suspeitas de que no futuro possam fazer algo de mal ao país (como já vimos acontecer na Europa ocidental), pelo que temos que estar preparados. Nós não vamos tolerar a imigração muçulmana em massa e a construção de mesquitas", garantiu. Também o ministro dos Negócios Estrangeiros eslovaco, Miroslav Lajčák, qual Cameron, Sarkozy ou Merkel, advertiu que o multiculturalismo falhou. Apesar de tudo, defendeu o ministro que todas as pessoas são bem-vindas à Eslováquia desde que venham por bem, respeitando a cultura, os valores e as regras dominantes do país.
 
"Não às mesquitas! Menos imigração muçulmana = menos doença"
Também em Itália, mais precisamente na Lombardia, está a surgir a reacção à islamização. Os políticos locais já acertaram a aprovação duma nova lei que vai dificultar, senão mesmo proibir, a construção de novas mesquitas e vai também passar a haver monitorização das actividades islâmicas nos lugares de culto ao deus da lua do paganismo árabe de Meca. A "reza" islâmica em público também vai ser proibida. Esta é uma das naturais consequências no país transalpino após o ataque islâmico à redacção do Charlie Hebdo. A título de curiosidade, apesar dos muçulmanos serem a segunda maior "religião" em Itália (2% da população, atrás do Catolicismo), o islão não é oficialmente reconhecido pelo Estado italiano, sendo, portanto, um "culto ilegítimo" (então porque é que existem mesquitas em Itália??). "Esta medida é o resultado da islamofobia", vociferou o histérico político esquerdista Roberto Bruni (coitadinho!). Já o político Roberto Anelli, dos nacionalistas da Liga do Norte (Lega Nord), foi peremptório: "A presença de muçulmanos na Lombardia não é indispensável. Eu digo assim a quem não gostar desta lei: volta para casa!"
 
 
Pelos vistos a Eslováquia e a Itália têm mais consciência de que a sua identidade se deve ao Catolicismo. Já Portugal, enfim, vai fazendo de tudo para cumprir a profecia de D. Afonso Henriques. Como faz parte da simbologia da nossa bandeira nacional, os besantes das quinas representam a fidelidade à cruz de Cristo ou a traição mesquinha apóstata. Já dizia muito bem o grande Salazar: "Português, logo católico". Em nome da "tolerância" e do multiculturalismo relativista, na sequência do abandono da fé cristã, Portugal agora colhe os frutos da traição.

«Stop Jihadisme»


 
Três semanas depois do ataque em Paris, e certamente cagado de medo, o governo súcia francês divulgou um vídeo que retrata cenas de violência para impedir o recrutamento jihadista. Segundo dados, mais de 1000 possuidores de nacionalidade francesa juntaram-se aos jihadistas na Síria e no Iraque.

EI ameaça EUA, Bélgica e França antes duma execução


 
O Estado Islâmico (EI) lançou um vídeo em que ameaça os Estados Unidos, a Bélgica e também a França antes da execução de um refém curdo, o líder dos militantes curdos Masoud Barazani. "Saiba, ó Obama, que nós vamos chegar à América. Saiba também que nós vamos cortar-te a cabeça na Casa Branca e transformar a América numa província muçulmana", pode-se ouvir no vídeo. "Nós avisamo-vos (franceses e belgas) que nós chegaremos até vós com carros armadilhados e cargas explosivas e cortar-vos-emos as cabeças. Quanto a ti, ó Masoud (Barazani), nós vamos decapitar-te e jogar-te no caixote de lixo da história. Sabei que nós não temos medo de ninguém. Nós instalaremos as leis de Alá, que ele seja exaltado e louvado".
Ainda bem que o EI não tem nada a ver com o islão, pois só o EI é que quer o alcorânico califado, exalta e louva Alá. E agora, Barack Hussein Obama e demais idiotas úteis do politicamente correcto?

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Da Igreja laxista à Igreja agnóstica

Um Deus que não pede mais nada aos homens é como se não existisse. Este é o desfecho trágico de uma Igreja pós-conciliar que, esposando uma visão mundana da misericórdia, chega a um agnosticismo prático. Sim, porque se é verdade que existe um ateísmo prático, aquele que vive como se Deus não existisse, apesar de não negar explicitamente a Sua existência, existe também um agnosticismo prático, aquele que fala de um Deus que permanece desconhecido, que não fala com clareza aos homens, de quem o homem consegue aquilo que quer dependendo da ocasião, um Deus que, no fundo, existe só para beneficiá-lo, sem pedir muito.

Parece ser justamente essa a situação de grande parte do Catolicismo hodierno, concretamente vivido pela maioria dos baptizados.

Prega-se um Deus puramente misericordioso, um Deus de consolação, que não pede a conversão pessoal, que não pede uma mudança de vida. Um Deus pronto para acolher os novos rumos da sociedade, pronto para declarar que as imoralidades, se vividas com o coração, no fundo não são propriamente imorais. Os debates em torno do último sínodo dão amplo exemplo disso. O matrimónio não existe mais no nosso Ocidente decadente, então vamos apressar-nos em dizer que Deus não pede uma indissolubilidade absoluta. As pessoas não se casam mais, então vamos apressar-nos em dizer que, se no convívio houver amor sincero, isso de alguma forma compensa o sacramento... E discursos como esses, não só referentes ao matrimónio, poderíamos citar vários.

No fim das contas, podemos dizer que estamos diante de uma nova mensagem de Deus, de um Deus que não pede nada aos homens, de um Deus que não proíbe nada. Na época da revolta estava em alta o termo “é proibido proibir”; hoje este slogan habita na Igreja renovada, na Igreja do pós-Concílio. “É proibido falar de um Deus que proíbe”: parece ser este o slogan com o qual se redesenhou os quadros dos católicos comprometidos e sobretudo do clero. Querem um clero que acolha, sem recordar o dever urgente da conversão. É proibido falar de castigo, de penitência, de temor de Deus. As pessoas necessitam de consolação, dizem, precisam de recuperar a confiança na Igreja — então, por favor, não proíbam! É um refrão maçante.

Com uma borracha se apaga toda a Sagrada Escritura, todo o Evangelho e todo o Antigo Testamento. Fala-se de um Deus que não cabe na Revelação, de um Jesus emprestado do laicismo maçónico, que não corresponde a nenhuma passagem do Evangelho. Um Senhor que não indica a estrada da vida, pedindo aos homens para se afastar do pecado — mas um Senhor que se apressa em contemplar o que os homens fazem em sua embriaguez de pecado.

Mesmo os esforços da hierarquia parecem destinados a controlar apenas aquela parte da Igreja que insiste em pregar um Deus que perdoa os pecados, que castiga o pecador, para que o homem possa se arrepender e voltar a uma vida santa. O “é proibido falar de um Deus que proíbe” transformou-se em “chega de uma Igreja que proíbe”. Com efeito, ainda há algo proibido em nossas paróquias e em nossas igrejas?

É de se perguntar o que pensam, fiéis e pastores, quando na Missa é proclamada a Palavra de Deus, quando escutam os profetas que anunciam os castigos de Deus e convidam à conversão, quando no Evangelho se fala dos últimos tempos, do Juízo Final e do retorno glorioso de Cristo.

Justamente nos anos em que se fala tanto, na Igreja, do diálogo com os judeus, o Antigo Testamento é censurado por completo. É um Deus moderno que está no centro de muitas igrejas, um Deus burguês que abençoa as escolhas emancipadas dos homens, em sintonia com os tempos, um Deus que não pede mais nada para ninguém.

Mas toda essa falsidade já está castigada. Sim, porque um Deus que não te pede nada é um Deus que, de facto, não existe. Isso é verdade também no dia-a-dia das pessoas: o que não faz o homem diante de um Deus que sempre lhe dá razão?

Nós cavamos o nosso próprio túmulo.

O Catolicismo modernizado cavou a sua própria cova: pregando um Deus que é pura condescendência, transformou-se num Catolicismo agnóstico, que apesar de não negar a existência de Deus, vive independente de Deus, porque para ele Deus é desconhecido. Se Deus sempre me dá razão, se sempre abençoa as minhas escolhas, se sempre se ajusta a mim e à minha vontade, Deus desaparece da minha vida. É a tragédia da Igreja pós-conciliar, que se tornou agnóstica.

É por isso que na Igreja de hoje se fala tanto da própria Igreja e do mundo, e quase nunca de Deus.

Vivendo o Santo Natal recordamos, porém, que Deus veio ao mundo, se fez Homem, mostrou o Seu rosto, falou-nos através dos séculos no Antigo e no Novo Testamento, nos ensinou e nos pediu, e nós devemos escutá-Lo e obedecê-Lo. E a Igreja deve ser simplesmente o eco fiel do Senhor que fala.


in Radicati nella fede (Dezembro de 2014)
Traduzido por Carlos Wolkartt in Renitência

“Dizer que estes fanáticos nada têm a ver com o islão é o cúmulo do politicamente correcto e é contraproducente”

 
O psicólogo e antropólogo franco-americano Scott Atran, um estudioso acerca do extremismo e do islamismo, concedeu uma entrevista ao esquerdista Público em que diz que os terroristas muçulmanos, como os que atacaram o Charlie Hebdo em Paris ou os marroquinos de nacionalidade espanhola que foram detidos por planearem "massacrar a Europa", têm como motivações a "aventura, glória, importância".
"Os atacantes franceses eram muito semelhantes aos bombistas de Madrid ou do metro de Londres. Inspiram-se nos líderes jihadistas, sentem-se atraídos pelo Estado Islâmico ou pela Al-Qaeda, mas não são estes grupos que os identificam, os criam ou lhes fazem uma lavagem ao cérebro", afirmou Atran, de 62 anos, que acrescentou que não existe "islão moderado": "É uma versão ocidentalizada do 'bom muçulmano'. Ouço frequentemente os políticos e a imprensa pregar o 'islão moderado' como sendo uma solução. É estúpido. Eu pergunto-lhes: 'Não têm filhos adolescentes? Desde quando é que eles querem coisas moderadas? Querem heróis, querem ser importantes, querem aventuras, glória, a realização de ideais jovens. E o que é que as nossas democracias lhes oferecem? O sonho dos centros comerciais. A jihad é a única ideologia 'anti-establishment' sistémica que está a crescer no mundo. E uma reacção idiota a essa realidade, associada à publicidade histérica e ao medo, garante o seu crescimento continuado".
E o que dizer daqueles que têm medo de ser acusados de islamofobia se ligarem a jihad ao islão? "Que se pensam isso, nem a lógica nem os factos os conseguirão ajudar. Dizer, como François Hollande, que estes fanáticos nada têm a ver com o islão, é o cúmulo do politicamente correcto e é contraproducente. Em vez de encarar esta tendência brutal do islão radical e as razões pelas quais ela é tão atraente, nega-se simplesmente a sua existência, à maneira de uma avestruz. Considera-se que se trata de niilismo, de fanatismo ou de um disparate desse género. É ser-se deliberadamente cego ao que está a acontecer e ao que é preciso fazer. O que é preciso fazer? Primeiro, perceber que o jihadismo, tal como o nazismo, é motivado por um real sentido de virtude moral. Porque sem virtude, não seria de todo possível fazer o voto de matar tanta gente que nunca fez mal a ninguém. Em segundo lugar, as pessoas mais ameaçadas pelos jihadistas devem ser encorajadas e capacitadas para se rebelarem contra eles".
O Scott Atran é apenas mais um que sabe o que é que é verdadeiramente o islão. Os jihadistas são os verdadeiros muçulmanos e os "muçulmanos moderados" não são verdadeiramente muçulmanos, e ainda que felizmente os primeiros sejam muito menos que os últimos, eles é que representam verdadeiramente o islão (imaginemos agora que todos os que se dizem muçulmanos cumprissem de facto o que pede o islão!). Negar esta evidência é papar grupos do politicamente correcto.

«A diferença entre Paris e Hong Kong é a educação»

Protesto muslo contra as caricaturas do porco e pedófilo do Maomé em Hong Kong (2006)
O líder da União Islâmica de Hong Kong, Rahmatullah Mohamed Omar, disse à agência Lusa que o ataque ao Charlie Hebdo em Paris e o clima de tensão que se sente na Europa em torno das comunidades muçulmanas são fruto de um "conhecimento deficitário" sobre o islão. "A diferença entre Paris e Hong Kong é a educação. Depende de quem ensinar sobre o islão. Aqui, os nossos imãs falam de moderação", garantiu. Em Hong Kong, uma região administrativa especial da China que conta com cerca de 7,5 milhões de habitantes, vivem à volta de 300 mil muçulmanos, grande parte deles proveniente do Paquistão, mas também há muitos da Índia, da própria China (das regiões muçulmanas de Xingjian ou Ningxia), da Malásia ou da Indonésia. É a União Islâmica de Hong Kong, situada em Wanchai, que mantém activa a mesquita de Macau, localizada no Ramal dos Mouros, fornecendo apoio financeiro, além de quatro das seis mesquitas existentes no território vizinho e as 15 madrassas onde por exemplo se "ensina" o Alcorão às crianças após o horário escolar. "O governo sabe que não somos extremistas e que estamos a promover o islão como algo pacífico e tolerante", acrescentou Rahmatullah que até estudou num colégio católico e diz perceber bem a importância do diálogo interreligioso. Já o imã Uthman Yang reconhece que "é verdade que alguns muçulmanos são muito agressivos" (só alguns??), mas o Alcorão "ensina-nos a ser pacientes e tolerantes" (ai ensina? Onde está isso escrito?). "O Estado Islâmico, por exemplo, é contra os ensinamentos do islão", sublinhou.
300 mil em 7,5 milhões é uma minoria. Logo, os muçulmanos de Hong Kong fazem uso da taqiyya, que significa dissimulação religiosa, tal como faz qualquer comunidade muçulmana que é minoritária num país. A táctica islâmica é a seguinte e isso a História não nos deixa mentir: quando eles são muito poucos, pregam e clamam pela tolerância e pela igualdade de direitos; quando são uma minoria mais composta, começam a exigir coisas, como novas mesquitas, alimentação halal, etc.; quando já forem uma minoria significativa, aí fazem o que já fazem em zonas por eles controladas dos países cada vez mais islamizados como a França, a Bélgica, a Alemanha ou o Reino Unido, isto é, introduzindo de forma ilegal a lei da sharia e as patrulhas islâmicas para garantir o funcionamento da sharia, e fazendo aumentar a possibilidade de haver atentados terroristas.
É verdade sim senhor que nem todos os muçulmanos são terroristas e que há muito deles que até são pessoas de bem. Mas o islão não é de maneira nenhuma uma "religião da paz". O islão é na verdade um culto de morte que tem como divindade o ídolo lunar de Meca do antigo paganismo árabe, sendo um paganismo refinado que valoriza preceitos tipicamente pagãos como a morte em forma de sacrifício e a "guerra santa" juntamente com a matança ou a imposição da conversão aos "infiéis" como forma de expansão. A História da Europa que o diga. Ou basta-nos a nossa própria História, lembrando-nos como é que Portugal nasceu.

Pedras contra a PSP em Chelas

 
A PSP recebeu a denúncia de que dois «jovens» estavam a roubar coisas num supermercado do Pingo Doce em Chelas, Lisboa. Depois de reagirem com violência, os dois acabaram por ser detidos, por volta das 23:00, mas quando estavam a sair do Pingo Doce, os agentes da autoridade foram atacados com pedras por um grupo de «jovens» amigos dos «jovens» assaltantes, tendo alguns deles sido identificados.
Só pode ter sido obra de gente pré-histórica.

Mas que raio de professores Portugal tem??

 
Em Portugal, 34,3% dos professores chumbaram na prova de avaliação docente de capacidade e conhecimentos (PACC) realizada em Dezembro, eis o triste resultado que o Instituto de Avaliação Educacional (IAVE) revelou. "Há um conjunto de professores que não reúnem condições para o ensino", criticou Hélder de Sousa, o presidente do IAVE. 20% dos docentes (498) deram respostas com cinco ou mais erros ortográficos. "Há uma incidência de erros cristalizados em regras básicas como a questão do a com ou sem h, ou quando se usa o c com cedilha. São erros que se perpetuam para os alunos", observou. Dos 2490 docentes que fizeram a prova, 29,1% (722) deram respostas com um ou dois erros ortográficos e 34,7% (871) não apresentaram erros nas respostas. O ministro da Educação, Nuno Crato, que defende a PACC como necessária para a escolha dos melhores professores, respondeu à comuna Rita Rato, no Parlamento, que disse que a PACC só serve para "achincalhar os professores contratados e dificultar o acesso à carreira", com a pergunta: "Temos um número de candidatos muito superior ao número de lugares. Há algo de errado em pensar do ponto de vista dos alunos e querer os melhores professores?" E disparou: "Não faz sentido que um professor dê 20 erros ortográficos numa frase".
Ó que vergonha, senhor ministro!! Tens que ter mais respeito pelos professores, principalmente por aqueles que dão aulas já à muito tempo! A gente vamos protestar e é já! Hádes ver o que é que é bom para a toçe! Começas-te com a guerra e agora os professores, que são licenciados (não se sabe é muito bem como), vão continuar na luta! 25 de Abril, sempre! Fassismo nunca mais!!

Tuga descobre novo sistema solar com cinco "Terras"

 
O astrofísico português Tiago Campante, da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, liderou um grupo internacional de 41 investigadores que descobriu um sistema solar com cinco planetas idênticos à Terra e que se formou numa fase ainda jovem do universo, há qualquer coisa como 13,8 mil milhões de anos (o universo ter-se-á formado há 13,8 mil milhões segundo os astrofísicos). "É o mais antigo sistema planetário com planetas do tamanho da Terra e um dos mais fascinantes sistemas planetários conhecidos até hoje", disse Tiago, que não tem dúvidas em classificar a descoberta como "espectacular" por mostrar que "a formação de planetas aconteceu mais cedo no universo do que até agora se supunha". E acrescentou: "até há cerca de dois anos, por exemplo, não esperaríamos encontrar algo assim".

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

O Benfica escorregou

 
Afinal o Benfica não cumpriu com a sua obrigação que era vencer o Paços de Ferreira no Estádio da Capital do Móvel, que dantes se chamava Estádio da Mata Real, para alargar a vantagem pontual na liderança para nove pontos. Numa jornada em que as equipas que ocupam o pelotão da frente perderam pontos à excepção do Sporting (o grande vencedor da 18.ª jornada), o Benfica quis ser solidário e deixar tudo na mesma que é para que certas equipas possam ainda sonhar em conquistar o título de campeão.
Levantei-me de propósito para assistir ao jogo, que passou na RTP Internacional às 4:00, na esperança de ver o campeão nacional cimentar ainda mais a liderança, mas acabei por ver um jogo em que o Benfica praticamente foi dominador mas que não teve sorte nenhuma na finalização (houve um penalty desperdiçado por Lima, que chutou à barra, e mais dois remates que foram igualmente à barra da baliza do guarda-redes Rafael Defendi). A equipa não soube arranjar motivação necessária para aproveitar a derrota do adversário directo na véspera e acabou por sofrer um golo que já não sofria há uma porrada de tempo (Júlio César tão cedo já não baterá o recorde do mítico Manuel Bento), ainda por cima de grande penalidade (bem assinalada) já depois dos 90'.
O Benfica perdeu por culpa própria. Acontece. Tudo na mesma, portanto. Depois do jogo voltei novamente para cima dela (cama) e dormi mais um pouco, pois só entro às 10:00. Infelizmente só tenho dado azar quando me levanto de propósito durante a madrugada para ver jogar o Benfica...

Armstrong admite que "provavelmente" voltaria a dopar-se

 
O antigo ciclista americano Lance Armstrong, irradiado do desporto por ter-se dopado, reconheceu, em entrevista à BBC, que "provavelmente" voltaria a dopar-se em 1995, "quando o doping estava completamente generalizado". Agora com 43 anos, Armstrong viu as suas sete camisolas amarelas serem-lhe retiradas e o seu nome apagado do livro da Volta a França por ter participado no "maior sistema de dopagem da história do desporto". "Gostaria de mudar o homem que fez aquelas coisas. Talvez não a sua decisão, mas sim o modo como actuou", confessou. "Quando tomei aquela decisão, quando a minha equipa tomou essa decisão, quando o pelotão completo tomou aquela decisão, foi uma má decisão e num momento inoportuno, mas aconteceu".

Miss Universo 2014 é colombiana

 
A colombiana Paulina Vega, de 22 anos, ganhou o concurso de beleza Miss Universo referente ao ano passado no domingo em Miami, nos EUA. Tratou-se da segunda vitória da Colômbia na história do concurso de beleza, sucedendo à vencedora de 1958, Luz Marina Zuluaga. Em segundo lugar figurou a norte-americana Nia Sánchez e, em terceiro, a ucraniana Diana Harkhusa.

 
A Colômbia não é só cocaína...

Papa compara propaganda LGBT à propaganda nazi

 
O Papa Francisco é capaz de ser o Papa mais filtrado de toda a História. Depois de recentemente o terem acusado de ter dito que os católicos não precisam ou não devem procriar-se como coelhos, agora esqueceram-se de dizer que ele comparou, ainda na conferência de imprensa no avião durante o regresso da visita que fez ao Sri Lanka e às Filipinas, a propaganda LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros), que ele chamou "colonização ideológica" que ataca a família, com a propaganda nazi.
E com esta propositada omissão da verdade, os grande média vão conseguindo manter a imagem por eles criada do Papa que tanto agrada à escumalha anticristã, irreligiosa ou esquerdista. Portanto agora já sabeis: as palavras deste Papa passam ou não despercebidas conforme as conveniências e estas que Sua Santidade proferiu não convinha de modo nenhum ser realçadas.

A maior marcha de sempre contra o aborto

 
Decorreu em Washington, EUA, a maior marcha de sempre a favor da vida. O March for Life, que acontece todos os anos no dia 22 de Janeiro, aniversário do julgamento Roe VS Wade que estabeleceu o direito constitucional ao aborto nos EUA em 1973 e que já custou mais de 59 milhões de vidas, reuniu este ano cerca de meio milhão de pessoas. Entre os manifestantes havia pelo menos uma pessoa que levava uma imagem da Nossa Senhora de Fátima e uma faixa que dizia America needs Fátima (a América precisa de Fátima).
À excepção dos meios de comunicação católicos e conservadores como o National Catholic Reporter ou a Renascença, esta notícia passou propositadamente ao lado da imprensa. Para os grandes média a vida é uma banalidade e este tipo de coisas não interessa a ninguém, logo não convém chamar a atenção que é para continuar a influenciar a informação. Se fosse uma manifestação a favor do aborto, aí sim, seria manchete.

Aceitem já a Turquia na UE, seus islamofóbicos!

 
O presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan, que está apostado em trair o legado do laico Kemal Atartük e transformar a Turquia num verdadeiro Estado islâmico, puxou a cartada da islamofobia para forçar a União Europeia (UE) a aceitar a Turquia como membro. "Estamos a pôr a prova a Europa. Pode a Europa digerir uma Turquia cujo povo é islâmico? Poderá acolhê-la como membro? Está contra a islamofobia ou não? Se está contra deve aceitar a Turquia", disparou Erdoğan. "De outro modo, confirmar-se-ia a tese de que a UE é uma união cristã", acrescentou. Mesmo assim, fez questão de dizer que a Turquia "não está a bater à porta e pedir um favor" porque "não é importante se a UE aceita ou não a Turquia".
Deve ser, deve. Não é nada importante, mas a verdade é que a Turquia já pede a adesão à então CEE muito antes de Portugal ter formulado o pedido de adesão... E essa da "união cristã" realmente tem muita piada. Se a UE fosse de facto uma "união cristã" não haveria espaço para o secularismo e o laicismo, quanto mais para os conspiradores da Nova Ordem Mundial na cúpula. E como é que poderia existir a islamização se a UE fosse mesmo uma "união cristã"? Para problemas com os muçulmanos já bastam o que a UE, e a Europa em geral, tem, não é preciso acrescentar um enorme problema que seria a entrada da Turquia na comunidade. E, já agora, e só mesmo por acaso, quem é que fala da cristianofobia que é real e existe a nível alarmante em países islâmicos e também mesmo no seio da própria UE que é uma "união cristã" como ignorantemente disse Erdoğan??

Até quando vamos permitir?




 
in O Clarim

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Posta de José Pinto-Coelho no Facebook (21/01/15)

A Presidente da Câmara de Paris vai processar a Fox News por esta ter afirmado que há bairros em Paris onde não se deve ir pois parecem-se mais com Bagdade. Mas por acaso isso é mentira? É a pura verdade.
Estas fotografias tirei-as eu no centro-norte de Paris. Foi só sair do metro e voltar logo lá para dentro... Afinal, são ruas onde é impossível circular-se livremente.



Ah sim, mas a tal liberdade de expressão é só para o pasquim Charlie e outros que tais. Para quem profere verdades incómodas, a música é outra...

Notas soltas


O Marítimo derrotou o Futebol Corrupto do Porto por 1-0 no Estádio dos Barreiros, na Madeira, e ajudou o Benfica na luta pelo título. Bruno Gallo apontou o único golo da partida com um remate em vólei, o único remate enquadrado com a baliza adversária feito pelos insulares durante todo o jogo, ao minuto 32, e o guarda-redes da equipa da casa, o francês Salin, foi considerado o melhor em campo. O técnico dos corruptos, Julen Lopetegui, recusa-se a atirar a toalha ao chão e disse que o Marítimo era "um adversário muito mais difícil que o Benfica" (andou a beber, pobre coitado...).
Vamos lá ver se o Benfica logo cumpre a sua obrigação, isto é, vencer em Paços de Ferreira, para alargar a distância pontual para nove pontos.
 

Não jogou o Glorioso de Portugal mas jogou o de Macau. Na 2.ª jornada da Liga de Elite houve um sempre escaldante clássico entre o Sport Macau e Benfica e o Sporting Clube de Macau, as duas principais equipas de matriz portuguesa de Macau e também do próprio campeonato macaense, no Estádio da Universidade de Ciência e Tecnologia, na Taipa, que terminou com um empate a uma bola. Os encarnados do território adiantaram-se no marcador através de um penalty convertido por William mas os lagartos do território, apostados no jogo em contra-ataque, chegaram à igualdade já depois do minuto 90 através de Gaspard Laplaine.
 
 
Surpresa em Inglaterra: o Chelsea e o Manchester City foram despachados da Taça de Inglaterra pelos modestos Bradford City, com um dos golos a ser marcado pelo português Filipe Morais (na foto), e Middlesborough, da segunda divisão. Os blues, a jogar em casa, chegaram a ter uma vantagem de dois golos, mas acabaram por ser surpreendidos com quatro golos da equipa visitante. "Frustração não é a palavra certa, vergonha será mais apropriada", afirmou José Mourinho.
 

Hecatombe política já esperada na Grécia: os radicais de extrema-esquerda do Syriza (Coligação da Esquerda Radical) venceram as eleições sem maioria absoluta. É de esperar que os gregos se vejam mesmo gregos agora que deram uma resposta cabal aos poderes há muito instalados na política grega. Em Portugal, a ranhetice esquerdista, como a Ana Gomes, o António Costa, a Catarina Martins (Bloco do Esquerdume, irmão português do Syriza) e o PCP congratularam-se com o sucedido. Também em Espanha, o líder do Podemos (irmão espanhol do Syriza), Pablo Iglesias, vibrou com a vitória do partido que só tem 11 anos de existência e acredita que a "esperança está a chegar".
Tenho mesmo imensa curiosidade em ver a merda que o Syriza vai agora fazer na Grécia. Os restantes países do mundo que estejam atentos.
 
 
Um mega projecto turístico que envolve a construção de aterros na orla costeira de Malaca, na Malásia, está a ameaçar a subsistência dos pescadores e do próprio património histórico e cultural do país que é o Bairro Português de Malaca (Kampung Portugis). O Melaka Gateway, que pretende ser a maior marina privada do sudeste asiático, já mereceu um vivo protesto que reuniu cerca de 80 pescadores e a Associação Portuguesa Euro-Asiática de Malaca. "O encolhimento do mar poderá ter um sério impacto na nossa herança e na tradição de celebrar o São Pedro, que é uma comemoração intimamente ligada aos pescadores. Como o bairro também é uma atracção turística, o desaparecimento da orla marítima vai afectar o turismo", avisou Raymond Lopez, regedor do bairro. Segundo alegam, os representantes da "comunidade portuguesa" não foram ouvidos sobre os planos de desenvolvimento.
 
 
Na Nova Jérsia, EUA, o afro-americano Jerame Reid, de 36 anos, foi abatido pela polícia no passado dia 30 de Dezembro. Jerame estava num carro que não parou num sinal Stop e que foi mandado parar pela polícia. Os dois agentes que se aproximaram do carro - um deles também afro-americano, Braheme Days - repararam que havia uma arma no porta-luvas e disseram repetidas vezes a Jerame - que tinha cadastro criminal - para não se mexer, mas este, a dada altura, saiu do veículo de mãos vazias e foi logo abatido pelos dois polícias.
Como o agente Braheme Days também é afro-americano, parece que já não se pode falar de "racismo". Tivesse o Jerame acatado as ordens da polícia e ainda hoje estaria vivo...
 
 
O refugiado eritreu muçulmano Khaled Idris Bahray, de 20 anos, foi encontrado morto no dia 13 de Janeiro no pátio do edifício onde vivia em Dresden, palco das manifestações da PEGIDA, e o esquerdume alemão não perdeu a oportunidade de acusar os "racistas" anti-imigração da PEGIDA pelo "episódio de violência racista e islamofóbica". Afinal veio-se a saber que o homem que apunhalou Khaled até à morte é também um refugiado, ainda por cima um compatriota seu que também é muçulmano e que já confessou o crime, e ficou tudo caladinho...
 
 
Mais um português do Estado Islâmico (EI) que bateu as botas: Mikael Batista (à frente, à direita), que na verdade possuía também a nacionalidade francesa, na sequência de vários raides aéreos da coligação internacional em Kobane, na Síria. Mikael, de 23 anos e filho de flavienses, vivia em Paris, onde se converteu ao islão e adoptou o nome Omar al Fransi em 2009, antes de se juntar ao EI em 2013.
É menos um.
 

Em Itália, uma freira de 35 anos natural do Burundi deu entrada no hospital "com fortes dores abdominais" e acabou por dar à luz um filho por lá porque, dizia ela, "não sabia que estava grávida". É o segundo caso do género no país transalpino depois de no ano passado uma freira salvadorenha de 32 anos também ter dado à luz sem saber porquê (sim, sim...).
Apenas e só mais uma mulher - pois antes de ser freira é apenas uma mulher - inconsciente ou burra. Ou então é gozona.
 
 
O herege Pe. Anselmo Borges ("padre"??), conhecido pelo seu modernismo (é abortista, por exemplo), considera a Igreja Católica "a última grande instituição que continua machista e que discrimina as mulheres" e acredita que a ordenação de mulheres será "inevitável".
Seria mesmo muito bom que esse padreco da treta estudasse a doutrina da Igreja que supostamente deveria servir como "sacerdote". Que vá mas é repensar a sua ordenação, pois porque para ser padre é preciso defender a crença na qual acredita. Antigamente excomungava-se com mais facilidade os hereges...

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Às Vezes

O Blogue do FireHead não será actualizado este fim-de-semana porque eu vou estar em Zhuhai. Para celebrar o descanso do guerreiro, deixo-vos aqui a música Às Vezes, o novo som dos D.A.M.A., um trio musical português composto pelos jovens Francisco Pereira, de 25 anos, Miguel Coimbra, de 24, e Miguel Cristovinho, de 23. Eles são a banda do momento e possivelmente vão dar que falar.

Vimeo distingue beleza natural de Portugal

O vídeo do fotógrafo e realizador português Daniel Pinheiro, que mostra paisagens e espécies portuguesas únicas, foi distinguido pelo site de partilha de vídeos Vimeo com o prémio The Awarde Company.

video

Dez mudaram de sexo em 2014


Maioria dos casos é de cirurgias para mudança do sexo feminino para o masculino.
 
Dez portugueses mudaram de sexo em 2014. O Centro Hospitalar da Universidade de Coimbra, que possui a única unidade do Serviço Nacional de Saúde para este tipo de cirurgias, realizou sete faloplastias – mudança de sexo feminino para masculino – e três vaginoplastias.
 
O processo, que envolve várias operações, "pode demorar entre dois a quatro anos", refere Lígia Fonseca, directora da Unidade de Reconstrução Génito-Urinária e Sexual (URGUS) de Coimbra. Cada um dos protocolos custa ao Estado entre 40 a 50 mil euros e, desde 2011, foram gastos mais de um milhão de euros em mudanças de sexo.
 
As mulheres são quem mais procura o procedimento: representam 70% dos casos. Actualmente, são acompanhadas na URGUS 125 pessoas. Destas, 37 estão em fase de avaliação, 41 em tratamento hormonal e 25 em fase de cirurgias. A directora da unidade admite que a lista de utentes "tem vindo a aumentar", apesar de nem todos os casos avançarem para a cirurgia.
 
 
Fonte: CM