domingo, 13 de dezembro de 2015

Os homossexuais são muito mais violentos que as pessoas normais

“The Centers for Disease Control’s “National Intimate Partner and Sexual Violence Survey” (NISVS) has found that homosexuals disproportionately suffer violence, and inflict violence on one another. 

The CDC survey is the first of its kind to present comparisons of victimization by sexual orientation for men and women. Its data indicate that homosexuals experience sexual violence at much higher rates than heterosexual men and women. 

Twenty-six percent of homosexual men and 37% of bisexual men experienced rape, physical violence, and/or stalking by an intimate partner. 

Forty-four percent of lesbians and 61% of bisexual women experienced rape, physical violence, and/or stalking by an intimate partner in their lifetime. 

Half (48%) of bisexual women who have been raped experienced their first completed rape between the ages of 11 and 17 years”. 


Os factos estatisticamente demonstrados estão aí, para quem quiser ver. E perante os factos, fica a pergunta: ¿o que justifica a protecção política do estilo de vida e da cultura homossexuais? A Comissão Europeia dá o exemplo: 

“La Commission plaide en faveur du renforcement de l’arsenal juridique et d’une surveillance accrue des droits des LGBTI. Elle propose d’intégrer la question de ces droits dans les négociations avec les pays candidats à l’UE, notamment dans les rapports d’accession. 

Ce plan évoque des campagnes de propagande sur les droits des LGTBI pour « changer positivement le regard des citoyens européens sur les LGTBI » et, plus concrètement, un soutien financier aux associations militant dans ce domaine ou envers les acteurs privés investis dans ces sujets”. 


Portanto, é a própria elite política que promove a violência da cultura gay. E por que razão? Resposta: porque a normalização cultural da homossexualidade é do interesse da plutocracia internacional anglo-saxónica que faz do neo-malthusianismo a sua base ideológica de acção. 

As famílias numerosas sempre incomodaram os poderosos. Neste sentido podemos afirmar que a Esquerda — que defende a normalização cultural da homossexualidade, como se isso posse possível — é a “serva da gleba” do poderosos do mundo. 

Vemos por exemplo, o que aconteceu na Áustria. A imagem abaixo é a de um sinal de trânsito para peões existentes nas cidades de Viena e de Linz, apesar dos protestos das populações.


Faz algum sentido que um sinal de trânsito para peões represente especificamente dois gays ou duas lésbicas?! 

Claro que faz sentido! A ideia é a de tentar promover, na cultura antropológica, o estilo de vida gay. A elite política, controlada pela plutocracia internacional (o grupo dos trezentos) pretende normalizar a sodomia e lesbianismo como formas de controlo populacional (as outras formas são o aborto e a eutanásia).


Fonte: perspectivas

4 comentários:

Lura do Grilo disse...

Mas isso é mais que sabido. Mas ninguém na comunicação social se atreve a apresentar estes dados. Agora imagine-se esta gente a adoptar crianças e o exemplo que dão.

Afonso de Portugal disse...

Mais uma confirmação daquilo que os "homofóbicos" sempre suspeitaram!

FireHead disse...

Lura dos Grilo,

As crianças? Bem, que direitos é que elas têm? O que importa é que eles sejam bem tradados, sejam por um homem e uma mulher, dois homens ou duas mulheres, defendem os mongas. Afinal de contas não são eles próprios o objecto das experiências.

FireHead disse...

Afonso de Portugal,

A violência faz parte do "amor". Quando mais porrada um gay dá no seu companheiro, mais o companheiro deve gostar dele. :)