sábado, 12 de dezembro de 2015

Há cada vez menos hindus na Índia


E isto, segundo os nacionalistas indianos que estão no poder, deve-se ao Cristianismo e ao islão! Na verdade, o número de cristãos também tem vindo a diminuir na Índia - a única religião que cresce é o islão -, inclusive na região de Kerala, o coração da Cristandade na Índia, uma vez que reza a tradição que o São Tomé, um dos 12 discípulos de Jesus, esteve lá a pregar o Evangelho. Os nacionalistas indianos acusam o Cristianismo e o islão de serem "religiões estrangeiras" - alógenas, segundo o ponto de vista desmiolado dos racialistas/etnicistas -, ainda que sejam capazes de, por mais estúpido que pareça, considerar o siqhismo, que é uma mistura do hinduísmo com o islamismo, como uma religião nacional (pelo visto basta ter surgido na Índia para automaticamente ser indiano....). A existência de indianos cristãos, por exemplo, é visto pelos nacionalistas como uma afronta à unidade, integridade e identidade da Índia, o que não deixa de ser estúpido, pois um indiano não deixa de ser indiano só porque é cristão em vez de ser hindu ou siqh.
O Cristianismo até pode estar a enfraquecer na Índia e mesmo no Ocidente, mas cresce noutros sítios, como na América do Sul, em África e até mesmo na China. O lado bom desta notícia é que o número de idólatras hindus está a diminuir. O lado mau, é claro, é o facto dos muçulmanos serem cada vez mais na Índia, a segunda maior nação islâmica do mundo atrás da Indonésia.

2 comentários:

Douglas Sulzbach disse...

Creio que será questão de tempo para que a Sharia se torne a lei oficial na índia e na Indonésia, não vejo possibilidade de cristãos e outros crentes tomarem a dianteira!

FireHead disse...

Na Índia é difícil porque os hindus apesar de tudo ainda continuam a ser centenas de milhões e a maioria lá. Quanto à Indonésia, apesar de tudo ainda é um país muçulmano dito "moderado". Resta é saber até quando, pois sendo a maior nação islâmica do mundo, mesmo que haja uma minoria de "radicais", trata-se sempre de uma conjunto de dezenas de milhões de pessoas. É este o mito da minoria radical islâmica. São minorias sim, mas são minorias de milhões.