sábado, 19 de dezembro de 2015

EUA vendem armas a Taiwan e China protesta


Os EUA confirmaram, através do seu Departamento de Estado, que vão vender armamento - duas fragatas de mísseis guiados, mísseis anti-tanques e outro equipamento militar - no valor de 1,8 mil milhões de dólares a Taiwan, o que enfureceu a China. Pequim considerou isto uma violação da lei internacional, o que "prejudica gravemente" a soberania e segurança da China e já convocou o encarregado de negócios da embaixada dos EUA em Pequim para protestar. "Taiwan é parte inalienável do território da China. A China opõe-se veementemente à venda de armas dos EUA a Taiwan", disse o vice-ministro chinês dos Négócios Estrangeiros, Zheng Zeguang, citado pela agência noticiosa chinesa Xinhua. "Para salvaguardar os nossos interesses nacionais, a China decidiu tomar as medidas devidas, incluindo aplicar sanções às empresas envolvidas na venda das armas", acrescentou Zheng, apelando aos EUA para que cancelem o negócio de forma a "evitar danos maiores nas relações sino-norte-americanas e na cooperação bilateral em áreas importantes". Apesar das boas relações em áreas como a cooperação económica, os EUA e a China estão profundamente separados na questão da política regional: Washington está preocupado com a cada vez maior agressividade de Pequim na reivindicação de ilhas no Mar do Sul da China que são disputadas com outros países, por exemplo as Filipinas, o Japão e o Vietname, e Taiwan é um caso particular, pois é um território gerido de forma soberana desde 1949. A ilha é desde essa altura controlada pelo Partido Nacionalista, derrotado na guerra civil chinesa pelos comunas liderados pelo tirano Mao Tse-tung, e ainda hoje reivindica ser o verdadeiro governo da China e não o comunista de Pequim, o problema é que não é reconhecido internacionalmente como um país independente excepto por um pequeno grupo de países como São Tomé e Príncipe (razão que o leva a estar fora do grupo dos Países de Língua Portuguesa que têm relações com a China, logo não está representado aqui em Macau no Fórum de Cooperação). As autoridades de Taipé agradeceram ao governo norte-americano a autorização que deu na quarta-feira para a venda deste armamento e vai assim poder reforçar as suas capacidades de defesa.
Foi uma tragédia os comunas terem vencido os nacionalistas. A China estava tão bem quando era governada por estes últimos... Com os recursos que o país tem, a esta hora poderia perfeitamente ser a potência dominante em vez de se ter destruído toda uma geração devido às falhadas políticas comunas... Se a China hoje está como está, a crescer e a caminhar a passos largos rumo à dominação mundial, é porque deixou de ser efectivamente comunista (excepto na parte da ditadura e mesmo ela está já a virar uma "ditamole") e abriu-se ao exterior, adoptando a economia de mercado própria da Direita... Ainda assim o PIB da população de Taiwan continua a ser superior ao do da China. Porque o democrático Taiwan é a herança da China que o grande fundador da nação chinesa moderna, Sun Yat-sen, sonhou construir.

Sem comentários: