quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

A Finlândia também já é um país perigoso para as mulheres!

E tudo isto graças à - claro, que mais haveria de ser? - imigração islâmica! E se pensais que isto é mais uma notícia mentirosa proveniente de mais uma daquelas fontes tendenciosas conotadas com a extrema-direita, pois tirai o cavalinho da chuva! A informação é-nos dada pelo jornal mais popular da Finlândia, Helsingin Sanomat, secundado por vários outros jornais do país que abordaram casos de violação contra finlandesas nativas cometidas por "refugiados" muçulmanos nas últimas semanas. Este é um dos motivos, senão mesmo o principal motivo, que estão a levar os finlandeses a rejeitar "refugiados" muçulmanos em barda!

O An Ilta-Sanomat afirma que os crimes relacionados com os "refugiados" aumentaram drasticamente
Uma tarja que diz "O islão está a destruir a Finlândia" (Suomi, em finlandês)
Segundo o Instituto de Criminologia e Política Legal da Universidade de Helsínquia, as violações cometidas por imigrantes são oito vezes superiores às dos finlandeses nativos. Estes imigrantes são principalmente do Médio Oriente e do Norte de África. O problema é que a coisa está tão preta que os polícias finlandeses estão proibidos de os identificar para não serem acusados de racismo! É preciso fazer de tudo para proteger a honra e a dignidade dos "refugiados", não é mesmo? O que é que são as vidas das inocentes finlandesas perante tamanho ideal? É que é preciso conter a raiva e a revolta dos finlandeses, não vão estes tornar-se "extremistas", "racistas", "xenófobos" ou "islamofóbicos"!

Em 2014 foram reportados 488 casos em 940; este ano já vão nos 864
Muitos imigrantes procuram a Finlândia por causa dos seus generosos apoios sociais. A questão é: como é que pessoas com valores culturais e civilizacionais diferentes dos da Europa conseguem nela encaixar-se? Uma das partes tem necessariamente que ceder e parece que os muçulmanos não estão lá muito interessados nisso, antes pelo contrário: querem que os países ocidentais empestados de "infiéis" que os acolhem adoptem também a sharia.


Voltando aos "refugiados", consta que um deles, Fahad Firas, até conseguiu enganar o próprio primeiro-ministro finlandês, Juha Petri Sipilä, dizendo-lhe que era um órfão iraquiano de 17 anos quando na verdade é um antigo soldado que por acaso até postou mensagens ameaçadoras nas redes sociais! Sipilä ficou tão emocionado durante o diálogo com o alógeno que decidiu oferecer a sua própria casa em Kempele, do município perto de Oulu, aos "refugiados".



É melhor converterem-se ao islão, como a Noor que se casou com um marroquino
Parece que a Viivi Pumpanen, uma ex-Miss Finlândia, agora é musla
Podemos ver no vídeo que se segue o caso patológico duma finlandesa que se converteu ao islão depois de ter sido atacada por muçulmanos...


E os homens que sigam o exemplo de Pia Jardi...
... isso enquanto as escolas públicas fazem lavagens cerebrais com uma versão favorável do islão
Na Finlândia até existe uma associação islâmica composta por finlandeses convertidos e que quer alcançar o estatuto de partido político registado, o Partido Islâmico Finlandês (Suomen Islamilainen Puolue).


A alternativa que resta aos finlandeses são os nacionalistas do Partido dos Finlandeses, ex-Verdadeiros Finlandeses (Perussuomalaiset, PS), co-fundado em 1995 e liderado pelo católico devoto Timo Soini (converteu-se ao Catolicismo, pouco representado na Finlândia devido à enorme tradição protestante luterana, depois de várias idas à Irlanda). O Partido dos Finlandeses tem vindo a crescer de forma vistosa, conseguindo este ano nas eleições parlamentares 17,7% dos votos e 38 assentos. Foi mesmo o terceiro partido mais votado e o segundo nos assentos parlamentares. Por algum motivo assim foi.

Sem comentários: