sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Religião e espiritualidade previnem doenças mentais


É isto que afirma a Associação Mundial de Psiquiatria num documento divulgado no início deste mês. Nas últimas décadas houve uma crescente consciencialização sobre a relevância da espiritualidade e da religião nas questões da saúde mental e os mais de 3000 estudos analisados sobre o assunto indicam que a religião e a espiritualidade têm de facto um impacto na qualidade de vida e na sociabilidade, o que ajuda no combate ao stress causado pelo luto, à depressão, na prevenção do suicídio e na recuperação de pessoas que tentaram o suicídio. Por outro lado, a falta de espiritualidade ou visões fanáticas de espiritualidade e religião podem piorar os quadros depressivos e aumentar o risco tanto de transtornos mentais quanto de abuso de drogas. Há dois anos, a publicação de outra pesquisa da Universidade de Columbia (EUA) e publicada no periódico JAMA Psychiatry ajudou a ciência a entender um pouco melhor a influência espiritual na espessura do córtex, que é a membrana que reveste o cérebro: quando o córtex é mais fino, maiores são chances de se desenvolver a depressão; e quanto mais se nutre a religiosidade e a espiritualidade, mais espesso tende a ser o córtex, diminuindo, por conseguinte, o risco de depressão. Também estudos anteriores já tinham demonstrado que, nas pessoas com histórico familiar de depressão, a espiritualidade reduz em até 90% o risco de desenvolver o transtorno.

2 comentários:

wind disse...

Isto tudo é muito subjectivo, pois uma depressão pode vir quando uma pessoa menos espera:)

FireHead disse...

Se é subjectivo ou não o melhor é deixarmos a quem percebe melhor isso que nós, como é o caso da Associação Mundial da Psquiatria. :)