terça-feira, 6 de outubro de 2015

Sequestrador entregou-se à PSP após 9 horas de cerco


No Algarve, um homem com uma caçadeira de canos serrados, uma pistola 7.65 e um punhal de mato manteve três pessoas reféns dentro da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Lagos (CPCJ) durante nove horas desde a manhã de ontem antes de se entregar "calmamente" à PSP. Durante esse tempo todo feriu um agente da PSP com um tiro de raspão na cabeça e exigiu falar para a televisão reclamando que queria ver os seus dois filhos que lhe foram retirados e que foram confiados a uma instituição para menores em Lisboa. O GOE (Grupo de Operações Especiais) da PSP esteve no local e tentou demover o homem, que se chama António Duarte, tem 40 anos, trabalhou na construção civil e tem em cima dele um processo por violência doméstica. Segundo consta, a mãe dos seus dois filhos - uma rapariga de 15 anos e um rapaz de 14 - era vítima de violência doméstica e os menores, contactados pelas autoridades por via telefónica para que estes pudessem falar com António Duarte, recusaram-se a falar com ele. O comandante da PSP Viola da Silva afirmou ao DN que a operação passava por "esgotar ao máximo toda a negociação" e só avançar para um eventual ataque "se a vida dos reféns estivesse em risco".

2 comentários:

wind disse...

Se fosse noutro país já estava morto:)
Somos um país de brandos costumes:)

FireHead disse...

Ainda bem! Os gajos da GOE só foram para lá mesmo naquela, para justificarem que existem. :P