quarta-feira, 14 de outubro de 2015

«Não respondem a nada»


Vladimir Putin arrasou o Barack Hussein Obama! Num fórum económico em Moscovo, o líder russo criticou o silêncio dos EUA sobre o combate ao Estado Islâmico (EI): "Como podemos cooperar? Pergunto o que têm na sua cabeça. Pedimos-lhes para nos darem os alvos que consideravam como 100% terroristas, nenhuma resposta. Reflectimos e perguntámos: 'onde não se deve atacar?'. Continuámos sem reposta. Dizem-nos que lançaram de paraquedas munições dirigidas ao Exército Sírio Livre. Mas onde está esse Exército Sírio Livre?", perguntou, considerando não existirem "garantias" de que essas munições cheguem aos rebeldes, mas antes às "mãos de terroristas".
O Ministério da Defesa russo anunciou entretanto que a sua aviação bombardeou "86 alvos terroristas" nas últimas 24 horas, um nível de intensidade nunca atingido desde o início da sua intervenção em 30 de Setembro. Nos primeiros dias da intervenção militar na Síria, o exército russo atingia 20 alvos diariamente, agora já vão nos 50 bombardeamentos diários. Os bombardeiros tácticos Su-34 e os aviões de apoio ao solo Su-24M e Su-25 SM realizaram oito saídas aéreas dirigidas a alvos nas províncias de Raqa (leste), Hama (centro), Idleb (noroeste), Lattaquie (noroeste) e Alepo (noroeste), precisou o porta-voz do ministério, general Igor Konachenkov. A Rússia afirma que os raides da sua aviação têm por objectivo prioritário destruir o EI, mas os idiotas úteis ocidentais acusam antes os russos de estarem a atacar a "oposição moderada" e a Frente Al-Nursa, o ramo da Al-Qaeda na Síria. O próprio líder da Al-Nusra, Abu Mohammed al-Jolani, já pediu aos jihadistas no Cáucaso para atacarem civis e soldados russos em retaliação pelos bombardeamentos aéreos: "A nova invasão russa é a última seta na aljava dos inimigos dos muçulmanos. Se o exército russo mata pessoas na Síria, então matem os seus. E se eles matam os nossos soldados, então matem os soldados deles. Olho por olho". O líder terrorista anunciou também um prémio de três milhões de euros pela morte do presidente sírio, Bashar al-Assad. "Não deve o governante ser morto? O veneno está na cabeça da serpente". Horas depois do apelo da Al-Nusra, dois obuses atingiram a embaixada da Rússia em Damasco, a capital síria, no momento em que nas imediações começava uma manifestação a favor de Moscovo pelo seu apoio aéreo ao regime para combater EI. Nenhum dos funcionários ficou ferido e o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, já considerou o ataque um "atentado terrorista" que visa "assustar" quem combate o terrorismo internacional.
Arrebenta com todos eles, Putin! Vai tudo: EI, Al-Nursa e os rebeldes anti-Assad! Todos para a casa do alho!

4 comentários:

Anónimo disse...

O Ocidente estará perdido quando os muçulmanos forem maioria, hoje sua força reside nos esquerdistas, que os protegem, pois na verdade eles não são de nada, se atitudes serias fossem tomadas em respostas aos abusos desta gente, eles já teriam se acovardado, e toda sua ameaça teria sido dissicipada.

FireHead disse...

Há esquerdistas e esquerdistas. Não é o Putin um socialista? Ou será que é de Direita? Olha também o exemplo da China, um Estado oficialmente comunista: não são os muçulmanos tidos como cidadãos de segunda, ainda por cima na terra onde eles são maioritários (Xinjiang)?

Há muita gente que se diz de Direita e que não tem nada contra o islão, apelando ao relativismo e à ideia errada de que todas as "religiões" são iguais. Muitos são como os esquerdistas que apressam-se logo a dizer que o islão é uma "religião da paz" sempre que acontecem atentados cometidos precisamente em nome do islão. O Estado Islâmico, por exemplo, e apesar do nome, não é, para os poliqueiros correctos, islâmico... Com certeza que nem as fatwas, a jihad, a jizya, o halal, a sharia porque tudo isso deve ser invenções anti-islâmicas, né?

Fábiodc79 disse...

Para um esquerdista o Putin está indo muito bem. Defendendo o Cristianismo, atacando o terrorismo islâmico. Precisamos de mais esquerdistas como Putin.

FireHead disse...

Fábio,

Ser de Direita não é sinónimo de ser "conservador". A prova disso é por exemplo a homossexualidade ser uma bandeira dos esquerdistas e em países esquerdistas como a Rússia ou a China ela não ser tolerada.