quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Cristianismo em risco de desaparecer no Médio Oriente


A religião cristã poderá deixar de ser professada no Iraque no prazo de cinco anos se não houver uma “ajuda de emergência a nível internacional”, alerta um relatório da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) divulgado esta terça-feira. O relatório “Perseguidos e Esquecidos?”, sobre “os cristãos oprimidos por causa da sua fé” relativo ao período entre Outubro de 2013 e Julho de 2015, refere que o número de cristãos no Iraque passou “de cerca de um milhão em 2002-2003 para cerca de 700 mil em 2006 e para menos de 300 mil” no período em análise. 
A “população cristã tem vindo a sofrer uma verdadeira hemorragia no Iraque, a um ritmo de 60 a 100 mil por ano”, assinala o estudo. “Estas estatísticas sugerem que, a não ser que haja uma mudança para melhor, o Cristianismo será totalmente extinto no Iraque no prazo de cinco anos”. 
Organização da Igreja Católica que depende directamente do Vaticano, a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre tem como missão “ajudar os cristãos onde quer que eles se encontrem perseguidos, refugiados ou em necessidade”. 
Além do Iraque, o relatório refere que “um enorme êxodo de cristãos de outras regiões do Médio Oriente, como por exemplo da Síria, combinado com um aumento das pressões sobre os fiéis na Arábia Saudita e no Irão, significam que a Igreja está a ser silenciada e expulsa do coração da sua antiga região bíblica”.

Fonte: Ponto Final

4 comentários:

Anónimo disse...

No Oriente Médio, na Europa e na América do Norte também, aliás, em todo Ocidente...

FireHead disse...

Em todo o Ocidente sim, mas em África e na Ásia Oriental, pelo contrário. Quanto menos Cristianismo, mais ruína civilizacional, mas mesmo assim os anticristãos ainda vão ter de esperar muito tempo para verem um mundo sem o Cristianismo.

Anónimo disse...

Eu já havia lido algo a respeito, de que em 2050 haveriam ao menos 500 milhões de cristãos pela África (eles são mais conservadores e têm em média mais filhos) fora o que não vai ter na China (estudiosos arriscam a dizer que a China será a maior cristã do mundo em algumas décadas). Mas sabes, eu não acredito que o Cristianismo vá desaparecer, vai é crescer noutros países que antes eram comunistas, e o curioso é que a China é o país que mais cresce, quem sabe não é um sinal.
O mundo pode até dar uma modificada geral, mas não a ponto dos cristãos desaparecerem. Mas vai ser estranho ver as principais potências europeias como sendo islâmicas (segundo as tendências) e o Brasil pelo andar da carruagem, com maioria evangélica (incluindo todas as seitas) ou pior, até espírita!
Teremos de aguardar para ver qual o caminho que Deus traçará à humanidade!

FireHead disse...

É de salientar o número considerável de bispos e cardeais africanos que dão autênticas lições de Cristianismo a muitos membros ocidentais do Clero. Assim de repente estou-me a lembrar do cardeal nigeriano Francis Arinze, do cardeal ganês Turkson ou do cardeal guineense Robert Sarah.

Na China o Cristianismo cresce, silenciosa e explosivamente, mas o que interessa mesmo aí é que o Vaticano se entenda com o governo comunista. Quando isso acontecer, o Catolicismo não mais parará de crescer entre os chineses. Neste momento a região mais católica da China é Wenzhou, de onde se destaca a "Jerusalém Chinesa" e a Virgem de Donglu, a "Nossa Senhora Chinesa". Gostava de ter a oportunidade de um dia poder visitar o santuário mariano de lá.

Segundo as estatísticas, o Brasil continua a ser o maior país católico do mundo. Mas isso, claro, é apenas a nível nominal. Em termos de prática católica mesmo, creio que em primeiro lugar deverão estar as Filipinas - que fica no sudeste asiático - com os seus quase 100 milhões de habitantes. Até porque no Brasil há muita gente que se diz católica mas que depois apoia o aborto, a contracepção não-natural ou que crê em palermices como a reencarnação, o karma, etc.

A apostasia e o arrefecimento da fé foram profetizados. O Anticristianismo também. O que eu sei é que o importante é preserverar na fé. O futuro a Deus pertence.