terça-feira, 13 de outubro de 2015

A esquerda pode vir a mandar em Portugal??


Hoje, logo pela manhã, um colega meu disse-me no serviço que teme que Portugal vire à esquerda. Disse-me ele que basta para isso que o António Costa, o grande derrotado das últimas eleições legislativas em Portugal - que ditou, como todos nós sabemos, a vitória da coligação PSD/CDS-PP sem a maioria absoluta - se entenda com os restantes partidos de esquerda com assento parlamentar (Bloco de Esterco e comunas; o patétito PAN não conta para nada) para se tornar primeiro-ministro devido à maioria dos deputados que uma inédita coligação de toda a esquerda daria. A coligação vencedora - venceu por vontade soberana do povo - parece que não consegue encontrar quem a apoie. Assim não haverá aprovação do Orçamento de Estado. Seja como for, não seria, todavia, caso virgem um governo mandar sem ter maioria absoluta (o caso do PS, durante nove anos).
Súcias, bloquistas e comunas não ganharam as eleições. Súcias, bloquistas e comunas não se entendem nem nunca se entenderam. Mas em comum têm um objectivo: derrotar a Direita. Súcias, bloquistas e comunas deviam ter-se coligado antes de se apresentarem às eleições, como o PSD e o CDS-PP já estavam coligados, e não andarem agora com filhodaputices e quererem lixar todos aqueles que votaram na coligação porque querem que esta continue a governar em Portugal que é, supostamente, um Estado democrático. Eu lembro-me que o PSD já chegou a juntar-se ao CDS-PP para obter a maioria absoluta depois de umas eleições, mas isso aconteceu porque o PSD tinha sido o vencedor das eleições, o que não é o caso do PS, do BE ou da CDU. Não me cabe na cabeça que em democracia não mande aquele que ganha as eleições. Se Portugal vier mesmo a ter um governo composto pelos partidos dos derrotados então o melhor mesmo é matarem a democracia duma vez por todas. Só mesmo numa república das bananas, que afinal de contas é aquilo que Portugal é, é que tal pode mesmo vir a ser possível. É por isso que o meu colega até já me disse para não pensar em voltar a viver em Portugal nos próximos 10 anos.

8 comentários:

wind disse...

Não acredito que o PS se una ao PCP. Eles não se podem ver nem pintados:)

FireHead disse...

Nem eu quero acreditar que o esquerdalho unido possa dar uma facada à democracia, ou seja, fazer com que o partido (ou a coligação, neste caso) vencedor não governe! Seja como for, o PS está enfraquecido e por este andar pode ser que vai perdendo cada vez mais força, o que é bom. O lado mau é que os de extrema-esquerda vão crescendo! Ai se fosse da extrema oposta!

Anónimo disse...

O PS pode não unir-se ao PCP, mas ao BE sim.

dvr disse...

Situação engraçada a actual: PS dividido entre unir-se à coligação PàF ou dar a mão à esquerda radical; esquerda radical a salivar pelo poder e a verem o seu sonho a começar a ser concretizado, até irrita a alegria deles.

O artigo (187º) da CRP sobre formação do governo, como a maioria das leis, tem várias interpretações possíveis. Uns dizem que deve ser quem tem mais votos a governar, outros dizem que deve ser quem juntar mais deputados no mesmo saco, isto é, cada um defende o que lhe interessa mais. A parte final do artigo, "tendo em conta os resultados eleitorais" é que provoca essa confusão.

Sempre pode ocorrer a possibilidade de a união esquerdista ser tão má que durante uns anos ninguém queira lá a esquerda. O pior é se destroem isto de tal maneira que tenha de voltar cá a troika ou que Portugal fique transformado numa Venezuela.

FireHead disse...

Anónimo,

E depois vai querer tirar Portugal da União Europeia e acabar com o euro? XD

Já estou como o outro: ou o PS fica como o PASOK ou fica como o Syriza.

FireHead disse...

Olha o dvr... XD

A Catarina Martins, que parece saída de um filme de terror (Chucky??), já até assustou os mercados, hehehe. Pudera, com aquela cara também não seria assim muito difícil. :)

Seria a primeira vez que em Portugal não governaria o partido que vence as eleições caso houver uma coligação de esquerda, né? Isso seria democrático? Eu tenho imensas dúvidas. Se isso acontecer é uma facada na democracia, pois não importa se todos os outros partidos juntos têm a maioria mas sim o facto de que houve um grupo maior de eleitores que votou no mesmo. Pelo menos é assim como eu vejo a democracia e um governo de derrotados não tem nada de democrático.

Se a esquerda realmente vier com esta filhodaputice, o melhor mesmo é vocês não estarem mais aí. Quero, no entanto, acreditar que tal não vai acontecer. O mais engraçado é que já andam a vaticinar eleições antecipadas caso a coligação se mantiver no poder. Assim, pode ser que os que apostaram novamente na abstenção levantem finalmente o cu da cadeira. Digo eu.

Ficar igual à Venezuela? Não... quanto muito a Grécia, com 40 euros para levantar no máximo no multibanco.

Ivan Baptista disse...

Não me lembro onde vi e li, mas numa dessas revistas tipo visão, vi o Passos e o Costa cúmplices de "Avental fora da cozinha" .
Não me parece que se encontraram com o chef Silva (R.I.P).
É tudo Maçon !

FireHead disse...

Serão eles maçons? Não sei... Ouvi dizer que no mundo da política em Portugal ou se é maçon ou se é... da Opus Dei. :)