quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Mais consequências da crise dos refugiados (V)

Pat Condell, bem ao seu estilo, fala da invasão da Europa dizendo que se os europeus não fizerem o mesmo que a Austrália, a invasão ilegal dos refugiados não acabará nunca.


E, se a invasão dos refugiados não acabar nunca, também não acabarão nunca os problemas relacionados com eles na Europa, como por exemplo a criminalidade alógena:


Estupros e pedofilia são apenas alguns dos maravilhosos contributos do islão no Ocidente. Trata-se de enriquecimento cultural desejado pelos multiculturalistas apátridas e traidores da civilização ocidental. Os próprios muçulmanos admitem que é legal violar mulheres brancas na Europa no dia em que eles mandarem no velho continente.


O antigo presidente polaco e Prémio Nobel, influente na queda do muro de Berlim e ícone da liberdade, Lech Walesa (na foto), afirmou que se a Europa abrir as portas para os muçulmanos haverá decapitações no continente. O católico devoto e assumido "homofóbico" chama-se a si próprio enfant terrible da Polónia. "Eu compreendo por que a Polónia e a Europa temem o influxo (de refugiados). Eles vêm de lugares onde as pessoas são decapitadas. Estamos preocupados que o mesmo aconteça connosco", disse Lech Walesa sem papas na língua.

No Reino Unido, um hospital de Kent, Queen Elizabeth The Queen Mother Hospital em Margate, recusou-se a receber um sargento ferido que cumpriu serviço militar no Iraque e no Afeganistão porque o seu uniforme estava a ofender "as pessoas de diferentes culturas"! O militar acabou por ser transferido para outro hospital. Escusado será dizer de que seita religiosa são essas pessoas ofendidas com o raio de uma farda militar, quase que aposto até que são iraquianas ou afegãs...

Também no Reino Unido, os militares fardados queixaram-se de terem sido vítimas da ira de muçulmanos que lhes atiraram ovos e também excrementos nas ruas!

Na Alemanha, uma enfermeira nativa de 51 anos e de nome Bettina Halbey foi expulsa da sua própria casa, onde já vivia há 16 anos, para que nela fossem instalados refugiados! "Fiquei completamente em choque e nem consigo sequer encontrar palavras para descrever como esta cidade (Nieheim) me tratou", lamentou Bettina.

E como se tudo isso não bastasse, os refugiados ainda têm a lata de reclamar, com a maior das caras podres, das condições que os países acolhedores lhes oferecem! Em baixo podemos ouvir o que é que os refugiados - ou melhor, migrantes económicos - que fugiram da merda das suas terras dizem sobre a qualidade da comida que lhes é oferecida:


Uma ucraniana que sabe falar a língua árabe diz o que é que os refugiados dizem acerca dos "infiéis".


Entre os "infiéis" estão também os refugiados cristãos - esses é que devem ser ajudados e só eles é que deveriam ser os refugiados! Nos centros de acolhimento de refugiados na Alemanha, os refugiados cristãos estão a ser vítimas de ameaças por parte dos seus compatriotas muçulmanos, ou seja, os cristãos estão a passar pelo mesmo que passam nas suas terras, motivo pelo qual eles se tornaram verdadeiramente refugiados!


O problema é que todos aqueles que se opõem à invasão islâmica são logo catalogados de "racistas", "xenófobos", "islamofóbicos", etc. Enfim, os chavões do costume. Ainda assim ainda bem que há sempre gente que vai resistindo, como por exemplo os polacos.


Logo, não é de admirar que partidos dos "racistas", "xenófobos" e "islamofóbicos" continuem a crescer saudavelmente um pouco por toda a Europa. Para além da Frente Nacional em França, Partido da Liberdade na Holanda, UKIP no Reino Unido ou os Democratas Suecos na Suécia, na Áustria o Partido da Liberdade (FPÖ) viu os seus votos dobrados nas eleições regionais de último domingo.


Na Roménia, foi colocado um letreiro que diz o seguinte: "Bem-vindos à Roménia! Aqui não há trabalho, dinheiro, hospitais e escolas para vocês. Voltem para casa!"


E pronto, foram mais algumas notícias do quotidiano europeu que não são relatadas pelos principais meios de comunicação porque não convém que o Zé Povinho da Europa saiba da verdade nua e crua...

2 comentários:

Anónimo disse...

Centro de refugiados em choque na cidade de Hamburgo, afegãos e sírios andam se enfrentando (conflitos da religião da paz) e piora à cada dia. Toda a Europa, com seu pioneirismo em direitos LGBT, para mulheres, liberdade religiosa e de crença, verá suas conquistas (depois de séculos de persistência) irem para o ralo em nome da culpa branca e do polioticamente correto!

FireHead disse...

Para além de divergências religiosas há também outras questões. Por exemplo: confrontos entre turcos e curdos na Europa, como eu falei aqui no meu blogue em tempo oportuno. Fugiram das terras deles para levarem os confrontos também para a Europa. Chama-se a isso enriquecimento do velho continente.