quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Mais consequências da crise dos refugiados (III)


O parlamento da Hungria aprovou uma nova legislação que reforça o poder e presença do exército nas suas fronteiras para evitar a invasão do país por parte dos refugiados que são maioritariamente islâmicos, selvagens e chulos. A nova legislação foi aprovada com 151 votos a favor, 12 contra e 27 abstenções, o que demonstra que os deputados húngaros estão mesmo conscientes da necessidade de defender as suas fronteiras. Ainda assim, os tiros não podem ser "mortais" e só devem ser usados como medida de recurso. O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, justificou a decisão dizendo que a Europa está em perigo (e está mesmo) e que o seu país está a ser invadido. "Estão a invadir-nos. Não estão apenas a bater à porta, estão deitar a porta abaixo para cima de nós. As nossas fronteiras estão em perigo, a nossa forma de vida é construída com base no respeito pela lei. A Hungria e toda a Europa estão em perigo", disse, citado pela agência AFP. "A Europa não deixou apenas a porta aberta, mas enviou um convite... A Europa é rica, mas fraca. (...) Durante mil anos, a Hungria tem sido um membro de respeito da grande família europeia. Quando defendemos a fronteira húngara, estamos a proteger a Europa. A Hungria está a lutar em duas frentes: as fronteiras da Europa e do país têm de ser defendidas, mas também defendidas dos políticos europeus de vistas curtas", acrescentou.

Tal como na Polónia, como vimos na entrada anterior, também em alguns outros países europeus vamos assistindo a manifestações do povo contra o acolhimento de refugiados. Que cambada de "racistas" e "xenófobos" que é o raio do povo!

Helsínquia, Finlândia:




República Checa:


Na Suíça, os muçulmanos transformaram uma escola num autêntico Inferno para as raparigas nativas. Estas são ofendidas com insultos como "putas". Um dos putos muçulmanos chegou mesmo a dizer ao seu professor que as mulheres só servem para "limpar e foder"...

Oskar Freysinger, dos nacionalistas suíços do SVP
Hassan al-Banna, o fundador da Irmandade Muçulmana
O islão é mesmo a "religião da paz"
Na Eslovénia, os "pacíficos" refugiados atacaram a polícia enquanto gritavam "Allahu Akbar":


Na Alemanha, um refugiado iraquiano ameaçou atirar-se de um prédio em Berlim porque estava muito triste por ter esperado mais de 21 dias para ser registado no país como requerente a asilo:


Ainda na Alemanha, os manifestantes da PEGIDA (Patriotas Europeus contra a Islamização do Ocidente) gritaram por Vladimir Putin contra Angela Merkel. "Putin para Berlim, Merkel para a Sibéria", gritaram os patriotas.

4 comentários:

Fábiodc79 disse...

Não me canso de dar os parabéns ao presidente da Hungria pela lucidez e coragem. Fico feliz também com a postura da Polônia.

Não sabia que os muslos xiitas esperam a volta de Cristo juto com o Mahdi.

Falando em muslo: Aquele muçulmano que veio no meu facebook tentar defender o islã respondeu-me e, veja só:

Ele é casado com uma cristã ortodoxa e tem uma filha que é católica.

Se lhe interessar aqui está o link para você dar uma olhada e ver a resposta que eu lhe dei.

https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=695042260631226&id=100002972451686&notif_t=like

FireHead disse...

Mas que caso engraçado: um muçulmano casado com uma copta e que tem uma filha católica??? Realmente tudo é possível!! XD

Fui lá ao link e reparei que ele não te respondeu. Ficou sem argumentos. :)

Fábiodc79 disse...

Fui dar uma olhada no perfil dele e vi que ele também bebe cerveja e gosta de se divertir.

Espero que ele saiba que seria degolado como qualquer um de nós pelos verdadeiros muçulmanos por ser casado com uma "infiel" e beber álcool. kkkkkkk.

Um abraço.


FireHead disse...

É porque ele não é verdadeiramente muçulmano. Os gajos do EI têm-se fartado de matar falsos muçulmanos como ele. Mas olha, com "muçulmanos" destes assim, podemos todos nós muito bem.

Abraço.