sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Islamização do Paraná

Refugiados muçulmanos de 18 países estão a reconfigurar a demografia das pequenas cidades do interior do Paraná, no Brasil. Eles vão para lá para trabalhar na indústria do abate halal e fazem com que aumentem o número de mesquitas e também de mussalas (tipo capelas). Tratam-se geralmente de refugiados que a Europa não quer e que vêem o Brasil como uma alternativa.

O número de mesquitas só aumenta, nunca diminui - não se trata de islamização?
Num Estado onde a grande maioria da população é de origem alemã, há muçulmanos provenientes de países como a Síria, Palestina, Líbano, Bangladesh, Senegal, Egipto, Gâmbia, Serra Leoa, Paquistão, Jordânia, Moçambique ou Guiné-Bissau. Eles são contratados por empresas de São Paulo ou Brasília que exportam produtos alimentares para os países muçulmanos, o que implica que o abate bárbaro dos animais conforme os preceitos islâmicos tenha de ser feito apenas por muçulmanos. Quase todos eles vivem em casas ou alojamentos cedidos por estas empresas.

Multiculturalismo islâmico no Brasil graças ao grande capital
A presença de muçulmanos por lá acaba por resultar em casamentos e na conversão dos brasileiros ao islão. O Brasil já recebeu mais de 1700 sírios desde que abriu as suas portas aos refugiados em 2013 e em Portugal também não falta quem queira que o país acolha sírios apesar de até poderem na verdade ser do Paquistão, do Bangladesh ou do Afeganistão...

4 comentários:

Anónimo disse...

Este gráfico todo brasileiro deveria ver, além dos alógenos, são os próprios brasileiros que abandonam o Cristianismo e abraçam o Islã, porque é "moda". O Sul do Brasil é formado por uma mescla de descendentes de imigrantes alemães, italianos, poloneses, japoneses, russos e suecos, em sua maioria, coincidência ou não, o povo é de direita (apesar da presidente e todo o governo serem esquerdistas assumidos). Agora, ao que tudo indica, pouco a pouco será recolonizado por africanos, caribenhos e sírios, triste fim para uma região próspera (e a mais católica do país) que inclusive já quis se emancipar do Brasil!

FireHead disse...

Eu lembro-me vagamente da novela "O Clone". Fico até arrepiado por saber que essa novela, da Globo salvo erro (supostamente uma estação de TV brasileira que é católica), teve tamanha repercussão negativa que é fazer com que muitos brasileiro se convertessem ao islão como se fosse algo muito bonito ou "moda". :|

Pá, também não exageremos... é verdade que o número de muçulmanos cresce no Brasil, mas para pensar em chegar aos calcanhares de alguns países da Europa ainda vai uma distância muito grande. Já viste a quantidade de muçulmanos em França, no Reino Unido, na Alemanha ou na Rússia?

Anónimo disse...

Eu sei, nem se compara, tenho parentes e amigos (como aquele que visitou a Europa recentemente e falei aqui no blogue) que estiverem pelo Velho Continente (aliás, não só a Europa, como também Austrália e EUA) e afirmaram que estava irreconhecível, principalmente Bélgica e Alemanha!
O problema do Brasil é que, além dele ser um dos países mais liberais e esquerdistas (gosta de bancar a mãe Joana, recebe todos de braços abertos, mesmo sendo terrorista) o país já tem uma taxa de fertilidade muito baixa, algo em torno de 1.6, em 40 anos será um país de idosos e poucos jovens (semelhante aos países europeus hoje), e africanos terão aos montes!
Já a Globo, nunca me pareceu católica, menos agora, que aborda incesto, relacionamentos entre pai e filha, casamentos homoafetivos como se isso fosse a coisa certa... ah, o pai não tem a mãe em casa, tudo bem, vai com a filha mesmo, acreditas? Pois isto já foi tema de novela, Umbanda, Candomblé, espiritismo também são pauta em suas novelas, a Globo é a emissora mais esquerdista que eu já vi no mundo!

FireHead disse...

Segundo consta, 25% da população da Bélgica é muçulmana, o que é um excelente registo para o coração da União Europeia...

Acredito mesmo assim e apesar do que tu dizes que a taxa de natalidade do Brasil sempre é mais alta que a da Europa. O Brasil tem tudo para ser uma potência, pois tem recursos naturais e dimensão. O problema é que tem que combater a corrupção e os esquemas do PT.

A Globo é mais espírita que outra coisa. Várias são as novelas que falam da reencarnação, do karma e da homossexualidade. Neste aspecto até a Record, detida pela IURD, faz mais pela defesa da moral do que a Globo, o que é incrível!