sábado, 26 de setembro de 2015

Guiné-Bissau: bebés guineenses sacrificados


Na antiga colónia portuguesa africana Guiné-Bissau, esse país do terceiro mundo ainda muito dominado pelas crenças animistas (pagãs) e muçulmana, é raro ver crianças deficientes. Porquê? Porque elas "são muito cedo exterminadas", logo à nascença ou até com vários meses de vida, "às vezes com dois ou três anos", sacrificadas em "cerimónias", contou à Lusa o secretário-executivo da Associação dos Amigos da Criança da Guiné-Bissau, Laudolino Medina. Face aos sinais de deficiência "diz-se que criança é um mau espirito, que não é deste mundo e por isso tem que voltar à sua origem" e organiza-se "cerimónias" à beira de rios em que os bebés são lançados à corrente. "Este tipo de infanticídio não é tomado em consideração como tal, o que para nós é extremamente grave. Há dois dias aproximei-me de familiares depois de saber que houve várias tentativas de liquidar uma criança" portadora de deficiência. Uma criança "que devia beneficiar de apoio redobrado devido à sua condição", mas, "pelo contrário, é vítima das pessoas que a deviam proteger", acrescentou Laudolino.
Lá está o paganismo demoníaco uma vez mais a demonstrar que não é compatível com a civilização humana. E tirem o cavalinho da chuva todos os ditos pagãos que desejam e sonham com o regresso do paganismo que virá subsitituir o Cristianismo, a matriz da civilização ocidental, pois também na Europa pagã o infanticídio era uma prática corrente, como por exemplo em Roma, e esse foi uma das muitas barbaridades que a expansão missionária do Cristianismo encontrou no seu caminho! E, como podemos ver, a Guiné-Bissau não melhorou nada desde a independência, já há 42 anos, antes pelo contrário, e o pior é que a sua comunidade pagã (na qual se incluem os adoradores do ídolo lunar árabe Alá) estacionada em Portugal coloca o país na lista dos países da Europa com um interessante número de meninas vítimas da mutilação genital feminina!

6 comentários:

Lura do Grilo disse...

A Igreja acabou com isto vai para quase 2000 anos

wind disse...

Tudo isso é atroz, mas sabes que os ciganos também fazem isso?

FireHead disse...

Lura do Grilo,

Bom, se formos a ver bem, infelizmente não conseguiu acabar, não. Ou então conseguiu e o "hábito" entretanto foi recuperado, o que também é uma hipótese bastante forte, pois parece que o paganismo está de volta sob a forma de neopaganismo...

FireHead disse...

Wind,

Ciganos e não só. Já antes da actual lei do aborto entrar em vigor o aborto já podia ser feito caso se confirmasse que o feto tem malformações, ou seja, as crianças comprovadamente deficientes podiam ser exterminadas ainda antes de nascerem.

wind disse...

É diferente de estar vivo e matar.
Esse aborto é feito antes dos 3 meses.
E talvez te espantes, mas há muita gente que sabe e deixa mesmo assim nascer as crianças deficientes.

FireHead disse...

Sim, mas não interessa se um aborto é ou não feito antes dos três meses porque todos nós também tivemos esses três meses antes de nascermos. Aqueles que dizem que um feto não é um bebé mas sim um conjunto de células se calhar não sabem que todos nós somos um conjunto de células.
E sim, eu sei que há gente que sabe e mesmo assim deixa nascer as crianças deficientes. Não sou ninguém para a condenar, muito pelo contrário: enalteço a sua coragem e o apreço que tem pelo dom que é a vida.