terça-feira, 22 de setembro de 2015

Dalai Lama fala sobre a crise dos refugiados e põe em causa a sua sucessão


De visita ao Reino Unido, o cidadão do Tibete Tenzin Gyatso, também conhecido por Dalai Lama e tido como "líder espiritual" de muitos tibetanos, falou da crise dos refugiados dizendo que é impossível que todos os refugiados fujam para a Europa e que a solução passa pelo Médio Oriente: acabar com a violência nas terras dos refugiados. Apesar de admirar a postura da Europa de acolher refugiados, o Dalai Lama disse que essa resposta não é adequada à situação, pois ela apenas é "temporária". "O uso da força nunca resolveu estes problemas", acrescentou, no seu discurso no Centro para a Compaixão Dalai Lama em Oxford. "Vós tendes de pensar nas soluções a longo prazo, como levar paz genuína e desenvolvimento genuíno, principalmente através da educação, a esses países muçulmanos", afirmou, dizendo também, no entanto, que não se deve rejeitar refugiados só pelo simples facto deles serem muçulmanos.
O Dalai Lama falou também à imprensa britânica que o seu sucessor na seita budista tibetana só deverá ser nomeado se o povo tibetano considerar que a instituição que representa é "relevante". "Se considerarem que já não é relevante, então deve ser eliminada. Não sinto nenhuma preocupação por isso", disse. O exilado lamentou que o governo chinês, "que não acredita na reencarnação", tenha sido tão "crítico com as tradições tibetanas". "Acredito que em Pequim estão mais preocupados que eu em relação à instituição", ressaltou. Pequim publicou na semana passada um livro branco sobre o Tibete em que defende o seu "direito sobre a reencarnação" do Dalai Lama insistindo que elegerá o próximo líder, independentemente do que diga o actual, que noutras ocasiões já deixou no ar dúvidas sobre a sua sucessão. Por outro lado, Pequim assegura nesse documento que o seu investimento na região estimulou o desenvolvimento económico do Tibete. "Não sei o que pensar sobre o que diz a China, porque não posso lá estar para ver. Eu gostaria de ir ao Tibete e contemplar esse grande desenvolvimento, mas o governo chinês impede-me o acesso", afirmou.
O governo comunista chinês, que é oficialmente ateu, pelo menos tem a decência de não acreditar em fábulas...

4 comentários:

KVRGANIVS NOSTRATORVM disse...

O CELSO APÓIA O LADO METAFICISTA CONTRA DERIVADOS MILITONTOS ATÉ QUANDO SE TRATA DE CATOLICOS MAS VC É O INVERSO

KVRGANIVS NOSTRATORVM disse...

O IMPERIALISMO DE CATAI NO TIBET É UM MAL NECESSARIO SENÃO NY COLOCA UM DESGOVERNO FANTOCHE COM O DALAI

KVRGANIVS NOSTRATORVM disse...

E LOGO LHASA VIRA UMA DETROIT DA VIDA

FireHead disse...

«O CELSO APÓIA O LADO METAFICISTA CONTRA DERIVADOS MILITONTOS ATÉ QUANDO SE TRATA DE CATOLICOS MAS VC É O INVERSO»

Porque alguém tem que ter juízo, pá! :)

«O IMPERIALISMO DE CATAI NO TIBET É UM MAL NECESSARIO SENÃO NY COLOCA UM DESGOVERNO FANTOCHE COM O DALAI»

Sim, e se não fosse NY seria Chicago ou Vancouver, ou mesmo Tóquio.

«E LOGO LHASA VIRA UMA DETROIT DA VIDA»

Sim, os pretos iriam todos para lá a correr e a saltar...