segunda-feira, 21 de setembro de 2015

André André derrota bicampeão nacional

O portista Maicon voltou a mostrar de que fibra é que ele é feito
Nenhum benfiquista gosta de ver o seu clube perder seja com quem for e onde for. Muito menos com os principais adversários, como é o caso do CRAC (Clube Regional Assumidamente Corrupto). Ainda por cima num palco onde nós temos sido muito felizes nos últimos tempos. O problema é que fomos lá ontem e perdemos por 0-1 num jogo em que teve duas partes distintas e que só não construímos uma vitória, ou na pior das hipóteses um empate, que era, aliás, o resultado que melhor se ajustava, porque na primeira parte o Iker Casillas demonstrou que ainda é um dos melhores guarda-redes da actualidade.
Rui Vitória decidiu apostar no jovem português André Almeida no lugar de Talisca, ele que já não jogava desde... a Eusébio Cup. E a equipa até começou bem, se calhar até com o melhor arranque desta época, pressionando o CRAC, que parece ter entrado borrado de medo perante o bicampeão nacional, e Casillas evitou por duas vezes que a bola entrasse dentro da sua baliza, primeiro defendendo um cabeceamento do Mitroglou e depois outro do Luisão. O último adversário a derrotar o CRAC no Estádio do Cabrão Ladrão Serpente Gigante Cavalo Marinho Demónio Dragão, com dois golos sem resposta do saudoso Lima, podia e devia ter ido para o intervalo com uma vantagem que seria mais que justa, mas tal não aconteceu e infelizmente para nós na segunda parte o CRAC apresentou-se muito mais forte, tendo rematado ao poste com um remate de cabeça de Aboubakar logo a abrir o reatamento. Ainda assim, apesar do maior controlo estatístico, e de termos perdido em termos ofensivos, o golo milagroso só surgiu para o CRAC já perto do minuto 90, a fazer lembrar outros tempos, por André André, que é muito melhor jogador do que o seu pai alguma vez foi e ex-pupilo do Rui Vitória no Vitória de Guimarães, após uma boa jogada entre Brahimi e Silvestre Varela connosco a ficar muito mal vistos em termos defensivos. Foi este lance de sorte que decidiu o jogo a favor do CRAC, que assim ficou com 4 pontos de vantagem sobre nós e bem lançado na conquista do campeonato. É certo que ainda faltam muitos jogos, mas como diz o ditado, candeia que vai à frente alumia duas vezes...
No final do jogo, Rui Vitória queixou-se da arbitragem, dizendo que nós devíamos ter ficado a jogar em superioridade numérica ainda na primeira parte, pois Maicon, um caceteiro que já dispensa apresentações, manteve-se em campo até ao fim. Também o nosso ex-jogador Maxi Pereira, que pelos vistos já tem a lição bem aprendida, devia ter sido expulso no início da segunda parte (Mitroglou ficou com um inchaço ao pé do olho direito depois duma cotovelada do lateral-direito do CRAC), mas, como já todos estamos mais que fartos de saber, em Portugal acontecem coisas que não deveriam acontecer no Estádio do Dragão Cabrão, ainda para mais quando os jogos são apitados por árbitros afectos ao CRAC. Com alguma espécie de raiva invulgar que ganhou em relação aos seus ex-colegas, o uruguaio rejubilou com o resultado feliz no clássico, admitindo, no entanto, que nada está ganho. O mesmo defendeu o basco Julen Lopetegui, que, armado em parvo, afirmou que desta vez ganhou a equipa que mereceu, como se na época passada o CRAC merecia ter ganho e não perdido por 0-2. Além disso, ele viu um penálti sobre Aboubakar que mais ninguém viu, queixando-se da sua não marcação. "Estamos a começar o campeonato. Sabemos que não é um caminho fácil, mas esta equipa vai dar as alegrias que desejamos. Da mesma forma que perdemos aqui, de certeza que vamos ganhar nos próximos duelos directos (CRAC e lagartada). Se alguém pensava que não iríamos ter capacidade para construir uma boa equipa, está enganado. Chegámos ao Dragão e conseguimos impor o nosso jogo na primeira parte. Estamos vivos", garantiu Rui Vitória. O capitão Luisão prometeu uma reacção já no próximo jogo (sábado), frente ao Paços de Ferreira, e pediu casa cheia aos adeptos.
Uma coisa é certa: apesar do CRAC ter ganho, não ficou demonstrado que tem uma equipa assim tão superior ao Benfica, com uma constelação galáctica como andavam a apregoar depois de imensos milhões investidos (o Imbula valia aquela fortuna toda dada por ele? Só me gozam!), nem nós temos motivos para acharmos que não temos uma equipa que preste. O que decidiu o jogo foi um pormenor e sei de fonte segura que o próprio Lopetegui não deixou de ser contestado pelos adeptos da sua entidade patronal por causa desta vitória. Ainda só vamos na 5.ª jornada e muita coisa vai ainda certamente acontecer, e apesar de reconhecer que o objectivo de conquistar o tricampeonato ficou mais difícil, a esperança é sempre a última morrer.

Sem comentários: