quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Refugiados só cristãos!

Cristãos perseguidos na sua própria terra
Segundo o sítio informativo DPA, os governos da Eslováquia, República Checa, Polónia, Hungria e Bulgária, que estão contra a imposição da União (Maçónica) Europeia de distribuir os refugiados entre os Estados-membros, só querem aceitar os que são cristãos, o que significa que não querem a esmagadora maioria deles que é, que chatice, muçulmana! 
"Afinal de contas, nós somos um país que pertence à cultura cristã", afirmou o ministro conservador estoniano Margus Tsahkna. 
A Eslováquia sustentou que os cristãos não provocam o medo entre a população acolhedora, ao contrário dos muçulmanos, o que é uma verdade inequívoca. "Na Eslováquia não temos mesquitas", disse um porta-voz do Ministério do Interior eslovaco, que alegou que os muçulmanos não se sentiriam em casa na Europa Central por ser basicamente cristã. "Nós só queremos escolher cristãos", acrescentou a mesma fonte.

Eslováquia contra o islão
Na República Checa, o grupo Bloc Against Islam (Bloco Contra o Islão) recolheu 145 mil assinaturas para impedir a entrada de imigrantes muçulmanos no país. O presidente checo, Milos Zeman, já chegou a afirmar que o país não receberá nenhum refugiado do Norte de África e do Médio Oriente por causa das grandes diferenças culturais. Só os imigrantes que são parecidos culturalmente é que devem ser acolhidos: os cristãos.
Os polacos consideram que os 2000 refugiados que foram obrigados a aceitar são demasiados. Ainda assim, a primeira-ministra Ewa Kopacz já garantiu que foi concedido asilo a 60 famílias sírias cristãs, esperando que esse número chegue aos 150. "Os cristãos que são perseguidos da maneira mais bárbara merece que um país cristão como a Polónia os ajude", afirmou.

Refugiados muçulmanos em confronto com os búlgaros
Ora, assim é que é! Isto é que é a verdadeira solidariedade! A Europa tem o dever de acolher os cristãos que são perseguidos nas suas próprias terras e não os muçulmanos que perseguem os cristãos também nos países acolhedores! Afinal de contas os cristãos de todo o mundo partilham a mesma matriz civilizacional, da superior civilização ocidental possibilitada precisamente pelo Cristianismo, pelo que faz todo o sentido acolher apenas e só os que se integram e não os que representam uma ameaça! Os muçulmanos que fiquem nos seus paraísos regidos pela sharia no lugar de os deixarem tentar implantar precisamente essa lei bárbara no Ocidente! O que os muçulmanos sempre desejaram e quiseram é, depois de acabarem com a influência do Cristianismo nas suas terras, muitas delas onde o Cristianismo já estava há muito mais tempo que o islão, acabarem também com a civilização ocidental duma vez por todas através da invasão e consequente islamização. Já dizia o Muammar Khadafi que o islão haveria de tomar conta da Europa, não através da guerra, mas sim através da imigração...

8 comentários:

direita disse...

"Segundo o sítio informativo DPA, os governos da Eslováquia, República Checa, Polónia, Hungria e Bulgária, que estão contra a imposição da União (Maçónica) Europeia de distribuir os refugiados entre os Estados-membros, só querem aceitar os que são cristãos, o que significa que não querem a esmagadora maioria deles que é, que chatice, muçulmana! "

Sao tao "contra" a decisao da UE que ,ANTI DEMOCRATICAMENTE ,CONTRARIAM a vontade do povo- que dizem NAO a imigraçao de gente nao branca/europeia seja de que credo for - e entulham seus respectivos paises de personas non grata.

Lura do Grilo disse...

Sim! Apenas esses se podem integrar e respeitar quem os acolhe.

FireHead disse...

Direita,

Persona non grata és tu, por isso que felizmente tu não estás na Europa! :)

FireHead disse...

Lura do Grilo,

Evidentemente.

Anónimo disse...

Fico feliz que ainda existam chances de salvação para a Europa, ainda que estes exemplos partam da parte Oriental do continente!

Anónimo disse...

Desde a antiguidade, facto já assinalado por Aristóteles, Tucídides e Xenofonte, toda a nação que admite no seu seio a entrada desenfreada de alógenos está condenada à decadência, sendo que esses últimos substituem progressivamente os autóctones e tendem a persegui-los e a destruí-los culturalmente e/ou fisicamente. Esse processo está em marcha em inúmeras zonas da França [e do resto da Europa].


Guillaume Faye in «Pourquoi nous combattons».

Traanscrito por Gaudio

FireHead disse...

Anónimo,

São apenas pequenos focos de esperança. Infelizmente parecem insuficientes.

FireHead disse...

Gaudio,

Li isto entre os comentários lá no DN.